Feminismo Decolonial Indígena e a Educação Profissional Tecnológica Brasileira de Meninas e Mulheres Indígenas

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5216/racs.v7.69608

Palavras-chave:

Feminismo Decolonial Indígena. Educação Profissional Tecnológica. Meninas e Mulheres Indígenas. Américas e Caribe.

Resumo

O Feminismo Decolonial Indígena (FDI) produzido nas Américas e Caribe para a Educação Profissional Tecnológica (EPT) brasileira trata-se de uma proposta de estudo que problematiza essa relação na formação de meninas e de mulheres indígenas como protagonistas de formação e de produção de conhecimento no acesso e na permanência em cursos dos Institutos Federais (IF) e formatações egressas, pós formadas. A problemática desta investigação está às voltas em expressar reflexões não colonialistas sobre a configuração do pensamento do FDI presente nas Américas e Caribe na EPT de meninas e mulheres indígenas. Objetiva-se, de forma geral, organizar uma reflexão que permita a identificação do pensamento do FDI na EPT dos Institutos Federais (IF) brasileiros. Especificamente, objetiva-se mapear, de forma breve, o referencial teórico do FDI das Américas e Caribe; em segundo lugar, inventariar as produções sobre EPT nos IF brasileiros que estão direcionados ao tema do feminismo e do protagonismo de meninas e mulheres indígenas no ensino técnico. A metodologia é o da Revisão da Literatura no elencamento de produções nacionais do Google Acadêmico sob o descritor “educação profissional, gênero, indígenas”, no período de 2010 a 2020. Critério de inclusão: artigos em periódicos nacionais, dissertações, teses e publicações em eventos científicos. Os resultados indicam que o pensamento FDI na EPT está marcado pelos seguintes elementos: o elemento cultural, o elemento político (local/nacional/internacional-continental), o elemento articulador profissionalidade-comunidade e o elemento das “construções” futuras, inacabadas, ligadas à terra, ao território. Conclui-se o presente artigo com “continuidades” não só de lutas, mas de articulações dos e nos elementos identificados como marcadores do FDI para a EPT nos IF brasileiros promovendo o protagonismo de produção de conhecimento de meninas e mulheres indígenas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ARIAS, Patricio Guerrero. Corazonar: uma antropologia comprometida com la vida. Quito, Ecuador; AbyaYala, 2010.

BARROS, George Sterfson. Educação Profissional em Regime de Alternância na Comunidade Indígena do Guariba, no Estado de Roraima. 2013. (74 f.). Dissertação (Programa de Pós-Graduação em Educação Agrícola) – Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro, Seropédica – RJ, 2013.

BERNARDINO-COSTA, Joaze; MALDONADO-TORRES, Nelson; GROSFOGUEL, Ramón. Decolonialidade e pensamento afrodiaspórico. Belo Horizonte: Autêntica, 2019.

BRASIL. Ministério da Educação. Lei nº 11.892, de 29 de novembro de 2008. Institui a Rede Federal de Educação Profissional, Científica e Tecnológica, cria os Institutos Federais de Educação, Ciência e Tecnologia, e dá outras providências. 2008a.

BRASIL. Um novo modelo de educação profissional e tecnológica. Concepções e diretrizes. Brasília: MEC, 2008b.

BRASIL. Ministério da Educação. Lei nº 11.892, de 29 de agosto de 2012. Dispõe sobre o ingresso nas universidades federais e nas instituições federais de ensino técnico de nível médio e dá outras providências. 2012.

CARLSON-MANATHARA, Elizabeth; ROWE, Gladys. Living in indigenous sobereignty. New York, NY: Columbia University Press, 2021.

CHARMAZ, Kathy A. Construção da Teoria Fundamentada: guia prático para análise qualitativa. Porto Alegre: Artmed; 2009.

CUNHA, Robério Davi Borges; ARAÚJO, Patrícia Cristina de Aragão. Um olhar sobre as relações de gênero das mulheres indígenas no Brasil. In: III Seminário Nacional Gênero e Práticas Culturais, 26 a 28 de outubro de 2011, João Pessoa, PB, 2011. Disponível em: http:// www.itaporanga.net/genero/3/07/38.pdf Acesso em: 26 mai. 2021.

CUSICANQUI, Silvia Rivera. Ch´ixinakaxUtxiwa: a reflection on the practices and discourses of decolonization. South Atlantic Quartely, 111 (1), p. 95-109. Disponível em: https://read.dukeupress.edu/south-atlantic-quarterly/article-abstract/111/1/95/3568/Ch-ixinakax-utxiwa-A-Reflection-on-the-Practices Acesso em: 29 jun. 2021.

DUTRA, Juliana Cabral de O.; MAYORGA, Claudia. Mulheres indígenas em movimentos: possíveis articulações entre gênero e política. Psicologia: ciência e profissão, 39, special, 2019. Disponível em: https://www.scielo.br/j/pcp/a/TmkJTj6vTNMxpzhB3jhbPjK/abstract/?lang=pt. Acesso em: 26 maio 2021.

GODINHO, Ana Cláudia Ferreira. A experiência escolar de mulheres na educação profissional integrada à EJA: relações de saber em sala de aula. 281f. 2012. (Tese de Doutorado em Educação). Programa de Pós-Graduação em Educação. Universidade do Vale do Rio dos Sinos, São Leopoldo, RS, 2012.

GUAJAJARA, Maria Judite da Silva Ballerio. Mulheres indígenas: gênero, etnia e cárcere. 2020. 104 f. Dissertação (Mestrado em Direito) – Universidade de Brasília, Brasília, 2020.

GREEN, Joyce. (ed). Making space for indigenous feminism.Winnipeg: Fernwppd Publishing, Zed Books, 2007.

GRUBITS, Sonia. Mulheres indígenas brasileiras: educação e políticas públicas. Psicologia e Sociedade, 26 (1), abr. 2014. Disponível em: https://www.scielo.br/j/psoc/a/3mmjb9mWDq68MvmTKPcFtVR/?lang=pt Acesso em: 26 maio 2021.

IBARRA, Elizabeth Del Socorro Ruano; SOUZA, Liliana Vignoli de Salvo. Mulheres Ticuna: gênero e política na Amazônia. Amazônica – Revista de Antropologia, v.8, n.1, 2016. Disponível em: https://periodicos.ufpa.br/index.php/amazonica/article/view/4726 Acesso em: 26 maio 2021.

KUSCH, Rodolfo. Obras Completas – Tomo II (América profunda e El pensamiento indígena y popular em América). Rosário, Argentina: Editorial Fundación A. Ross, 2000.

LOPES, Tatiana Silva. A Educação Profissional ofertada pelo IFRR para as Comunidades Indígenas do Município de Amajari -RR. 2015. 92 f. Dissertação (Mestrado em Sociedade e Cultura na Amazônia). Universidade Federal do Amazonas, Manaus, 2015.

LOSURDO, Domenico. Colonialismo e luta decolonial: desafios da revolução no século XXI. São Paulo: Boitempo, 2020.

LUGONES, María. Rumo a um feminismo descolonial. Estudos feministas, Florianópolis, SC, 22(3): 935-952, setembro-dezembro, 2014. Disponível em: https://periodicos.ufsc.br/index.php/ref/article/view/36755 Acesso em: 29 jun. 2021.

LUGONES, María. Subjetividades clava, colonialidad de género, marginalidad y opresiones múltiples. Pensando los feminismos em Bolivia: Serie Foros 2, La Paz, Conexión Fondo de Emancipación, 2012, p.129-140. Disponível em: http://rcci.net/globalizacion/2013/fg1576.htm . Acesso em: 29 jun. 2021.

LUGONES, María. Toward a Decolonial Feminism. Hypatia,25(4):742–759, 2010. Disponível em: https://www.cambridge.org/core/journals/hypatia/article/abs/toward-a-decolonial-feminism/55AE2579879922FABD10230203ACFBA0 . Acesso em: 29 jun. 2021.

LUGONES, María. The Coloniality of Gender. Worlds &Knowledges Other wise, 1-16, 2008. Disponível em: https://globalstudies.trinity.duke.edu/sites/globalstudies.trinity.duke.edu/files/file-attachments/v2d2_Lugones.pdf . Acesso em: 29 jun. 2021.

MANFREDI, Silvia Maria. Educação Profissional no Brasil.São Paulo: Cortez, 2002.

MARTINS, Handson Rubem. O curso Técnico em Agropecuária na modalidade PROEJA Indígena: Educação profissional na comunidade Ticuna. 2016. 64 f. Dissertação (Mestrado em Educação Agrícola). Instituto de Agronomia, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Seropédica, RJ, 2016.

MELO FILHO, Hélio Teodósio de; BEZERRA, Heriberto Silva Nunes; MEDEIROS NETA, Olívia Morais de. (2020). Políticas de educação profissional e tecnológica (ept), voltadas para diversidade e inclusão: à educação escolar indígena - entre 1995-2006. Cenas Educacionais, 3,. Disponível em: https://www.revistas.uneb.br/index.php/cenaseducacionais/article/view/9915. Acesso em: 26 maio 2021.

MILHOMEM, Maria Santana Ferreira dos Santos. Mulheres indígenas, sim. Professoras, por que não? Um estudo sobre as representações de gênero e poder na comunidade. In: Fazendo Gênero 9, Diásporas, Diversidades, Deslocamentos, 23 a 26 de agosto de 2010. Disponível em: http://www.fg2010.wwc2017.eventos.dype.com.br/resources/anais/1277742945_ARQUIVO_mulheresindigenassimprofessorasporquenao.pdf. Acesso em: 26 maio 2021.

MÜLLING, Juliana da Cruz. Educação profissional com indígenas: possibilidades de corazonar e melhor viver.2018. 147f. Dissertação (Mestrado em Educação). Programa de Pós-Graduação em Educação, Faculdade de Educação – Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2018.

OLIVEIRA, Priscila da Costa; MACÊDO, Amanda Machado; CARVALHO, Águido Akell Santos de. Mulheres indígenas em Tabatinga (AM): uma análise comparativa entre os residentes na Terra indígena Tukuna Umariaçu e as residentes na área urbana do município. In: XIX Encontro Nacional de Estudos Populacionais, ABEP, São Pedro, SP, de 24 a 28 de novembro de 2014. Disponível em: http://www.abep.org.br/~abeporgb/abep.info/files/trabalhos/ trabalho_completo/TC-8-31-463-169.pdf. Acesso em: 26 maio 2021.

OYĚWÙMÍ, Oyèrónkẹ́. The Invention o fWomen: Making na African Sense of Western Gender Discourses. Minneapolis: University of Minnesota Press, 1997.

QUIJANO, Aníbal. Colonialidad del Poder, Cultura y Conocimiento en América Latina. En: Ecuador Debate. Descentralización: entre lo global y lo local, Quito: CAAP, (n. 44, agosto 1998): p. 227-238. Disponível em: https://repositorio.flacsoandes.edu.ec/bitstream/10469/6042/1/ RFLACSO-ED44-17-Quijano.pdf . Acesso em: 26 maio 2021.

SAMPIERI; Roberto Hernandez; COLLADO, Carlos Fernández; LÚCIO, Maria del Pilar Baptista. Metodologia Científica. São Paulo: McGraw-Hill, 2006.

SANTOS, Simone Valdete dos; MÜLLING, Juliana da Cruz. A presença de estudantes indígenas na educação profissional tecnológica. Educação, 42(3), 475-485. Disponível em: https://revistaseletronicas.pucrs.br/ojs/index.php/faced/article/view/33245. Acesso em: 02 jul. 2021.

SCHIWY, Freya; MIGNOLO, Walter; TORRES, Nelson Maldonado. (Des)colonialidad del ser y del saber: (videosindigenas y loslímitescoloniales de laizquierda) em Bolivia. Buenos Aires: Ediciones del signo: Globalization and the Humanities Project (Duke University), 2006.

SEGATO, Rita L. La Guerra contra las mujeres. Madrid: Traficantes de sueños, 2016. Disponível em: https://www.traficantes.net/libros/la-guerra-contra-las-mujeres Acesso em: 30 jun. 2021.

WALSH, Catherine (Ed.). Pedagogías decoloniales: prácticas insurgentes de resistir, (re)existir y (re)vivir. Tomo I. Quito, Ecuador: Ediciones Abya-Yala, 2013.

WALSH, Catherine. Pensamiento crítico y matriz (de)colonial. Reflexiones latino americanas. Quito: Ediciones Abya-yala, 2005.

Downloads

Publicado

2022-10-14

Como Citar

SILVA, C. R. da. Feminismo Decolonial Indígena e a Educação Profissional Tecnológica Brasileira de Meninas e Mulheres Indígenas. Articulando e Construindo Saberes, Goiânia, v. 7, 2022. DOI: 10.5216/racs.v7.69608. Disponível em: https://revistas.ufg.br/racs/article/view/69608. Acesso em: 31 jan. 2023.