BIOLOGIA DA AUTONOMIA: A IMPORTÂNCIA DA TEMPORALIDADE DE FREIRE E DO FENÔMENO HISTÓRICO DE MATURANA PARA O ENSINO DE BIOLOGIA

Autores

  • Herbert Gomes da Silva Universidade de São Paulo/Faculdade de Educação/ Grupo de Pesquisa em Ensino de Ciências e Biologia do Conhecer
  • Maria Elena Infante-Malachias Universidade de São Paulo

DOI:

https://doi.org/10.5216/ia.v42i1.41637

Palavras-chave:

Ensino de Biologia, Aprender, Historicidade, Fenômeno Histórico

Resumo

O objetivo desse artigo é discutir a importância do fenômeno histórico e a historicidade, relacionando-os à educação e aprendizagem. Utilizei as teorias de Humberto Maturana e Paulo Freire, como princípios para a Biologia da Autonomia.  Defendendo a ideia de uma educação e ensino de biologia, voltados para a formação humana tendo o estudante como sujeito/observador que interfere e age de maneira reflexiva e consciente no mundo em que vive, e que para isso, compreende a sua importância como sujeito histórico e que sua aprendizagem é um fenômeno observável a partir dessa concepção.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Herbert Gomes da Silva, Universidade de São Paulo/Faculdade de Educação/ Grupo de Pesquisa em Ensino de Ciências e Biologia do Conhecer

Doutorando pela USP em Educação (Ensino de Ciências), Mestre em Ciências (Ensino de Biologia) pela Universidade de São Paulo - USP. Possui graduação em Ciências - Habilitação em Ciências Biológicas (2004) e Especialista em Desenho Ambiental pela Universidade Presbiteriana Mackenzie - SP (2009). Atua na área de Ensino de Ciências Naturais e Ciências Biológicas, Pesquisa Ensino, Filosofia e História da Ciência, Neurociências, Cognição e a Biologia Cultural de Humberto Maturana e Francisco Varela. Pesquisador e Subcoordenador do Grupo de Pesquisa em Ensino de Ciências e Biologia do Conhecer - GPEnCiBiC da Universidade de São Paulo. Especialista da Secretaria do Estado da Educação de São Paulo em políticas públicas e currículo da área de Ciências da Natureza. (ORCID 0000-0002-0948-8423)

Maria Elena Infante-Malachias, Universidade de São Paulo

Professora de Biologia e Ciências Naturais pela Universidad Metropolitana de Ciencias de la Educación (1989) de Santiago de Chile; obteve o mestrado (1994) e o doutorado (1999) em Ciências, com pesquisas em Genética e Biologia Molecular de insetos (Díptera) pela Universidade Estadual de Campinas. Realizou estágios de Pós Doutorado nas áreas de Genética Molecular e Ensino de Ciências e Genética/Biologia Molecular pelo IBUSP. Foi docente durante 10 anos na Escola de Artes, Ciências e Humanidades da Universidade de São Paulo junto ao curso de Licenciatura em Ciências da Natureza. Atualmente é professora MS-3 em RDIDP junto ao Departamento de Educação, Informação e Comunicação da Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras (FFCLRP) da Universidade de São Paulo em Ribeirão Preto. Orientadora plena vinculada ao Programa de Pós-Graduação Interunidades em Ensino de Ciências da USP desde 2007 e ao Programa de Pós Graduação da FEUSP. Coordena o Grupo de Pesquisa em Ensino de Ciências e Biologia do Conhecimento (GPEnCiBiC) que conta com a participação de alunos de Iniciação Científica e de Pós-Graduação.

Downloads

Publicado

2017-06-09

Como Citar

DA SILVA, H. G.; INFANTE-MALACHIAS, M. E. BIOLOGIA DA AUTONOMIA: A IMPORTÂNCIA DA TEMPORALIDADE DE FREIRE E DO FENÔMENO HISTÓRICO DE MATURANA PARA O ENSINO DE BIOLOGIA. Revista Inter-Ação, Goiânia, v. 42, n. 1, p. 159–175, 2017. DOI: 10.5216/ia.v42i1.41637. Disponível em: https://revistas.ufg.br/interacao/article/view/41637. Acesso em: 14 abr. 2024.