AVALIAÇÃO ULTRASSONOGRÁFICA DOS TESTÍCULOS E DAS GLÂNDULAS SEXUAIS ANEXAS DE CARNEIROS SANTA INÊS

Autores

  • Adriana de Farias Jucá UFBA
  • José Carlos de Andrade Moura UFBA
  • Alberto Lopes Gusmão UFBA
  • Tereza Calmon Bittencourt UFBA
  • Misael Caldas Nascimento Autonomo
  • Caroline Malhado Pires Barbosa UFBA

Palavras-chave:

Sanidade Animal, Reprodução Animal

Resumo

No presente estudo, avaliaram-se 49 carneiros da raça Santa Inês por meio de exames andrológicos e de imagens ultrassonográficas dos testículos e das glândulas sexuais anexas, visando à utilização do ultrassom como recurso diagnóstico para avaliação morfofisiológica de reprodutores. Os animais foram divididos em três grupos: G1 com vinte animais de dezoito meses de idade, G2 com quinze animais de trinta meses e G3 com quatorze animais de quarenta e oito meses. Realizaram-se as seguintes mensurações: comprimento, largura, volume e forma testiculares e a circunferência escrotal. O sêmen foi colhido através de eletroejaculação e as avaliações realizadas segundo normas do CBRA (1998). Procedeu-se às análises ultrassonográficas antes e após a ejaculação, iniciando-se pelos testículos (estroma e mediastino). A calcificação testicular do tipo leve foi observada com maior frequência, independentemente, da idade. A ecotextura predominante das glândulas bulbouretrais e vesiculares foi a hipoecoica de baixa intensidade. Concluindo, a ultrassonografia mostrou-se eficiente para visualização e classificação do estroma e mediastino testiculares, assim como das glândulas sexuais anexas de carneiros Santa Inês.

PALAVRAS-CHAVES: Carneiro, glândulas sexuais anexas, Santa Inês, testículos, ultra-sonografia.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

2009-07-03

Como Citar

JUCÁ, A. de F.; MOURA, J. C. de A.; GUSMÃO, A. L.; BITTENCOURT, T. C.; NASCIMENTO, M. C.; BARBOSA, C. M. P. AVALIAÇÃO ULTRASSONOGRÁFICA DOS TESTÍCULOS E DAS GLÂNDULAS SEXUAIS ANEXAS DE CARNEIROS SANTA INÊS. Ciência Animal Brasileira / Brazilian Animal Science, Goiânia, v. 10, n. 2, p. 650–659, 2009. Disponível em: https://revistas.ufg.br/vet/article/view/6591. Acesso em: 16 ago. 2022.

Edição

Seção

Medicina Veterinária