DESENVOLVIMENTO E DESEMPENHO REPRODUTIVO DE NOVILHAS DE CORTE SUBMETIDAS A DIFERENTES IDADES DE DESMAME

Autores

  • João Restle UFG
  • Ricardo Zambarda Vaz PROGEPEC
  • Leonir Luiz Pascoal UFSM
  • Dari Celestino Alves Filho UFSM
  • Fabiano Nunes Vaz PROGEPEC
  • Luciane Rumpel Segabinazzi UFSM

DOI:

https://doi.org/10.5216/cab.v10i3.6299

Palavras-chave:

Bos taurus, Bos indicus, Charolês, cruzamento, desmame precoce, Nelore, reprodução.

Resumo

O experimento teve como objetivo avaliar o desenvolvimento até os vinte e oito meses de idade e o desempenho reprodutivo no primeiro acasalamento aos vinte e cinco meses de fêmeas de dois sistemas de acasalamento, puras (Charolês – C e Nelore – N) e cruzadas (½ CN, ½ NC) submetidas a duas idades de desmame, sendo T3 – desmame aos três meses de idade e T7 – desmame aos sete meses de idade. Após o manejo do desmame, as fêmeas foram mantidas exclusivamente em condições de pastagem. Os dados avaliados foram os pesos ao nascer, aos três, sete, doze, dezoito, vinte e quatro e vinte e oito meses de idade, os ganhos de peso médios diários (GMD) entre as diferentes idades e a condição corporal aos vinte e quatro e vinte e oito meses de idade, área pélvica e percentagem de prenhez. Não houve interação significativa entre sistema de acasalamento e idade de desmame, para as variáveis estudadas. O GMD das fêmeas do T3 foi inferior dos três aos sete meses (296 contra 434 g), e superior dos sete aos doze meses (541 contra 417 g). Nas demais fases não houve diferença no GMD. A única diferença para peso mostrou-se aos sete meses, sendo superior para os animais do T7 (144 contra 128 kg). Os pesos aos vinte e quatro meses foram de 333 e 331 kg, respectivamente, para T3 e T7. As fêmeas cruzadas apresentaram maior ganho de peso dos três aos dezoito meses de idade e apresentando-se mais pesadas aos doze (11,73%), dezoito (17,10%) e vinte e quatro (14,89%) e vinte e oito meses (19,03%). Não se verificaram diferenças significativas entre as idades de desmame, nas variáveis condição corporal e área pélvica. A taxa de prenhes foi similar entre T7 (66,7%) e T3 (63,0%). As fêmeas cruzadas apresentaram melhor estado corporal aos 24 meses (3,8 contra 3,3 pontos) e 28 meses (3,66 contra 3,07 pontos), maior área pélvica (185,29 contra 166,28 cm²) e maior percentagem de prenhez (79,1 contra 38,7%) do que as fêmeas puras. Quando as condições de alimentação são adequadas, o desmame aos três meses não afeta o peso e o desempenho reprodutivo de fêmeas no primeiro período de acasalamento.

PALAVRAS-CHAVES: Bos taurus, Bos indicus, Charolês, cruzamento, desmame precoce, Nelore, reprodução.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

João Restle, UFG

Engenheiro Agronomo, PHD, Professor visitante UFG

Ricardo Zambarda Vaz, PROGEPEC

Zootecnista, Dr - Consultor daProgepec Consultores Associados Ltda

Leonir Luiz Pascoal, UFSM

Zootecnista, Dr Professor da UFSM

Dari Celestino Alves Filho, UFSM

Engenheiro Agronomo, Dr. - professor da UFSM

Fabiano Nunes Vaz, PROGEPEC

Zootecnista, Dr - Consultor da Progepec Consultores Associados Ltda

Luciane Rumpel Segabinazzi, UFSM

Aluna do curso de doutorado da UFSM

Downloads

Publicado

2009-09-30

Como Citar

RESTLE, J.; VAZ, R. Z.; PASCOAL, L. L.; ALVES FILHO, D. C.; VAZ, F. N.; SEGABINAZZI, L. R. DESENVOLVIMENTO E DESEMPENHO REPRODUTIVO DE NOVILHAS DE CORTE SUBMETIDAS A DIFERENTES IDADES DE DESMAME. Ciência Animal Brasileira / Brazilian Animal Science, Goiânia, v. 10, n. 3, p. 808–817, 2009. DOI: 10.5216/cab.v10i3.6299. Disponível em: https://revistas.ufg.br/vet/article/view/6299. Acesso em: 24 jun. 2024.

Edição

Seção

Produção Animal