Dupla clausura

os discursos disciplinares e a imanência do trabalho como construção da identidade das mulheres reclusas portuguesas

Autores

  • Dayanne Farias da Silva Universidade do Minho
  • Luísa Saavedra Universidade do Minho

DOI:

https://doi.org/10.5216/hr.v27i1.74074

Palavras-chave:

Prisão, Mulheres, Trabalho

Resumo

Através dos dispositivos disciplinares, há uma tentativa, nos sistemas prisionais femininos, de punir as reclusas, não somente por serem transgressoras, mas também por serem mulheres que se desviam do senso normativo do que é ser mulher. Assim, o trabalho nas prisões, atua como mecanismo de duplo assujeitamento. Com o objetivo de compreender o significado que as reclusas atribuem às questões laborais em reclusão foram realizadas 14 entrevistas a mulheres que trabalham num Estabelecimento Prisional em Portugal. As entrevistas foram analisadas com recurso à análise foucaultiniana do discurso e as participantes revelaram, por um lado, uma vertente positiva e de reeducação do trabalho, bem como benefícios econômicos (embora questionáveis) mas também uma forma subversiva de resistência ao sistema prisional e ao trabalho.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ANUMBA, Natalie; DEMATTEO, David; HEILBRUN, Kirk. Social Functioning, Victimization, and Mental Health among Female Offenders. Criminal Justice And Behavior, [S. l.], v. 39, n. 9, p. 1204-1218, 2012.

BARCINSKI, Mariana. Mulheres no tráfico de drogas: a criminalidade como estratégia de saída da invisibilidade social feminina. Contextos Clínicos, [S.L.], v. 5, n. 1, p. 52-61, 2012.

BAUMAN, Zygmunt. Globalização: As consequências humanas. Jorge Zahar Editor Ltda. 1999.

BEDMAR, Vicente L.; LEÓN, Nazaret T. Lifelong Learning of Gypsy Women in Spain. Procedia - Social And Behavioral Sciences, [S. l.], v. 46, p. 3119-3123, 2012.

BRAGA, Ana. A. N. M.; RAMOS Daltro, M.; FERREIRA Danon, C. A. A ESCUTA CLÍNICA: UM INSTRUMENTO DE INTERVENÇÃO DO PSICÓLOGO EM DIFERENTES CONTEXTOS. Revista Psicologia, Diversidade e Saúde, [S. l.], v. 1, n. 1, 2012.

BUTLER, Judith. The psychic life of power: theories in subjection. Stanford: Stanford Univ. Press, 2006.

CARLEN, Pat. Women’s Imprisonment. A Study in Social Control, Londres: Routledge and Kegan Paul, 1983.

CARLEN, Pat. A reclusão de mulheres e a indústria de reintegração. Análise Social, [s. l], v. 185, n. 42, p. 1005-1019, 2007.

CARVALHO, Alexandre M. T. de. O processo de produção discursiva: Uma visão da contribuição de Michel Foucault ao debate epistemológico. Estudos e Pesquisas em Psicologia, [s. l], v. 1, n. 1, p. 62-73, 2001.

CHIES, Luiz A. B. Cemitério dos vivos: análise sociológica de uma prisão de mulheres. Sociologias, [S.L.], n. 13, p. 338-345, 2005.

COHN, Amélia; COSTA, Yuri V. C.; GONÇALVES Márcio. A laborterapia como violação dos direitos humanos como relatado na primeira inspeção nacional em comunidades terapêuticas. Unisanta Law And Social Science, [s. l], v. 2, n. 8, p. 54-70, 2020.

DELEUZE, Gilles; GUATTARI, Félix. Mil platôs: capitalismo e esquizofrenia. Rio de Janeiro: Editora 34. 2007.

DUBÉ, Éric; NORMANDIN, Lina. The mental activities of trainee therapists of children and adolescents: the impact of personal psychotherapy on the listening process. Psychotherapy: Theory, Research, Practice, Training, [S.L.], v. 36, n. 3, p. 216-228, 1999.

ENEMAN, Marc; et al. Humanistic Psychiatry and Psychotherapy: listening to patients as persons in search of meaning. the case of schizophrenia. Journal Of Humanistic Psychology, [S.L.], v. 59, n. 2, p. 148-169, 2019.

ERICKSON, Jacob H.; BURGASON, Kyle A. The Influence of Structural Characteristics and Street Codes on Violent Female Offenders: a decade after Anderson’s initial observations. Journal Of Interpersonal Violence, [S.L.], v. 37, n. 7-8, p. 3905-3929, 2020.

Estatísticas e indicadores da DGRSP, 2021. Disponível em: <https://dgrsp.justica.gov.pt/Estat%C3%ADsticas-e-indicadores/Prisionais>. Acesso em: 15 maio. 2022.

FEDOCK, Gina; COVINGTON, Stephanie S. Strength‐based Approaches to the Treatment of Incarcerated Women and Girls. Facilitating Desistance From Aggression And Crime, [S.L.], p. 378-396, 2022.

FISCHER, Rosa M. B. Foucault e a análise do discurso em educação. Cadernos de Pesquisa, [S.L.], n. 114, p. 197-223, 2001.

FOUCAULT, Michael. Arqueologia do Saber. Forense Universitária. 1997.

FOUCAULT, Michael. Vigiar e punir. Leya. 2014.

FOUCAULT, Michael. Microfísica do poder. (8th ed.). Graal. 1989.

Gender Brief for UNODC Staff Mainstreaming gender in Organized Crime & Illicit Trafficking projects. [s.l: s.n.], 2020. Disponível em: <https://www.unodc.org/documents/Gender/Thematic_Gender_Briefs_English/Org_crime_and_trafficking_brief_23_03_2020.pdf>. Acesso em: 10 abril. 2022.

GOFFMAN, Erving. Manicômios, prisões e conventos. Perspectiva. 1961.

GUERRA, Elaine l. D. A. Manual de pesquisa qualitativa. (1st ed.) Belo horizonte: Grupo anima educação. 2014.

HAMILTON, Paula. School books or wedding dresses? Examining the cultural dissonance experienced by young Gypsy/Traveller women in secondary education. Gender And Education, [S.L.], v. 30, n. 7, p. 829-845, 2018.

HASLAM, Alexander S.; REICHER, Stephen D. When Prisoners Take Over the Prison. Personality And Social Psychology Review, [S.L.], v. 16, n. 2, p. 154-179, 2012.

LIMA, Gigliola M. B. de et al. Mulheres no cárcere: Significados e práticas cotidianas de enfrentamento com ênfase na resiliência. Saúde Debate, [s. l], v. 98, n. 37, p. 446-456, 2013.

MATOS, Raquel; MACHADO, Carla. Reclusão e laços sociais: Discursos no feminino. Análise Social, [s. l], v. 185, n. 42, p. 1051-1054, 2007.

MATOS, Raquel; MACHADO, Carla. Criminalidade feminina e construção do género: emergência e consolidação das perspectivas feministas na criminologia. Análise Psicológica, [S.L.], v. 30, n. 1/2, p. 33-47, 2012.

MAITLAND, Daniel W. M.; GAYNOR, Scott T. Functional analytic psychotherapy compared with supportive listening: an alternating treatments design examining distinctiveness, session evaluations, and interpersonal functioning. Behavior Analysis: Research and Practice, [S.L.], v. 16, n. 2, p. 52-64, 2016.

Regras Mínimas das Nações Unidas para o Tratamento de Reclusos (Regras de Nelson Mandela). [s.l: s.n.], 1955. Disponível em: <https://www.unodc.org/documents/justice-and-prison-reform/Nelson_Mandela_Rules-P-ebook.pdf>. Acesso em: 8 maio. 2022.

SAAVEDRA, Luísa. Introdução: Perspectivas feministas em comportamento desviante. Ex Aequo, [s. l], n. 28, p. 9-15, 2013.

SAAVEDRA, Luísa; et al. Men and women’s prisons in the portuguese press: the gender of punishment. Punishment & Society, [S.L.], v. 21, n. 1, p. 28-46, 2019.

SENRA, Luciana Xavier. Psychology in the Brazilian Prison System: an account of professional experience. Advances In Anthropology, [S.L.], v. 10, n. 01, p. 61-79, 2020.

SILVA, Giuslane. F. da; JÚNIOR, Sérgio. S. da. M. O discurso em Michel Foucault. Revista Eletrônica História em Reflexão, [s. l], v. 16, n. 8, p. 55-61, 2014.

SOUZA, Eloisio. M. de; COSTA, Alessandra, S. M. da; LOPES, Beatriz C. Ressocialização, trabalho e resistência: mulheres encarceradas e a produção do sujeito delinquente. Cadernos Ebape.Br, [S.L.], v. 17, n. 2, p. 362-374, 2019.

STANOJOSKA, Angelina; JURTOSKA, Julija. Ladies Or Criminals: an exploratory study of patterns of female criminality in the republic of macedonia. Zenodo, [S.L.], v. 13, p. 147-163, 2018.

STEYN, Francois; BOOYENS, Karen. A profile of incarcerated female offenders: implications for rehabilitation policy and practice. Acta Criminologica: African Journal Of Criminology & Victimology, [s. l], v. 4, n. 30, p. 33-54, 2017.

THOMPSON, Heather Ann. The Prison Industrial Complex. New Labor Forum, [S.L.], v. 21, n. 3, p. 39-47, 2012.

CAMPANIELLO, Nadia. Women in crime. Iza World Of Labor, [S.L.], v. 2, n. 105, p. 1-11, 2019.

WACQUANT, Loïc. O lugar da prisão na nova administração da pobreza. Novos Estudos - Cebrap, [S.L.], n. 80, p. 9-19, mar. 2008.

WILDING, Danny. The Educational Experiences of Gypsy Travellers: The impact of cultural dissonance. Reinvention: A Journal Of Undergraduate Research, [s. l], v. 1, n. 1, p. 1-12, 2008.

Downloads

Publicado

2023-05-30

Como Citar

FARIAS DA SILVA, D. .; SAAVEDRA, L. Dupla clausura: os discursos disciplinares e a imanência do trabalho como construção da identidade das mulheres reclusas portuguesas. História Revista, Goiânia, v. 27, n. 1, p. 44–62, 2023. DOI: 10.5216/hr.v27i1.74074. Disponível em: https://revistas.ufg.br/historia/article/view/74074. Acesso em: 25 jul. 2024.

Edição

Seção

Dossiê: História, trabalho e cidadania