Surfando à beira da falésia ou como o historiador navega e escreve em tempos de rede mundial de computadores

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5216/hr.v26i2.68278

Resumo

Esse texto aborda os desafios enfrentados pelos historiadores na contemporaneidade, esse tempo cada vez mais líquido e fugidio. Ele propõe que abramos mão de qualquer ilusão em torno da existência de um solo firme para a produção do conhecimento histórico, de qualquer ponto fixo em que residiria a verdade histórica, mesmo que seja uma beira de falésia, para nos lançarmos na aventura de construir conhecimento e verdades, de inventarmos o passado, nos lançando no interior do mar do tempo e da história, onde a realidade é o movimento e a mudança incessantes. Substituamos o historiador contemplativo e amedrontado à beira da falésia, ainda buscando nas práticas sociais uma tábua de salvação, pelo historiador-surfista, conhecendo ao se deslocar, ao se mover, ao se por a prova na crista das ondas de nosso tempo, tempo de navegações e piratarias na rede mundial de computadores, na aventura de tentar impedir que a vontade de verdade, em nosso campo, venha naufragar.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Durval Muniz Alburquerque Júnior, Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, Rio Grande do Norte, Brasil, durvalaljr@gmail.com

Professor na Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Centro de Ciências Humanas Letras e Artes. Departamento de História, Campus Universitário. Doutorado em História pela Universidade Estadual de Campinas (1994). Pós- Doutorado em Educação pela Universidade de Barcelona e em Teoria e Filosofia da História pela Universidade de Coimbra. Professor titular aposentado da Universidade Federal do Rio Grande do Norte. Atualmente é professor visitante da Universidade Estadual da Paraíba, professor permanente dos Programas de Pós-Graduação em História da Universidade Federal de Pernambuco e Universidade Federal do Rio Grande do Norte.

Referências

BENJAMIN, Walter. Sobre o conceito da História. In: BENJAMIN, Walter. O anjo da História. 2 ed. Belo Horizonte: Autêntica, 2016, p. 168-192.

BERGSON, Henri. Ensaio sobre os dados imediatos da consciência. Lisboa: Edições. 70, 1988.

BERGSON, Henri. Matéria e memória: ensaio sobre a relação do corpo com o espírito. São Paulo: Martins Fontes, 1990.

BERGSON, Henri. O pensamento e o movente. São Paulo: Martins Fontes, 2006.

BLUMENBERG, Hans. Naufrage avec spectateur: paradigm d’une métaphore de l’existence. Paris: Arche, 1990, p. 64.

CERTEAU, Michel de. Microtécnicas e discurso panóptico: um quiprocó. In: História e psicanálise: entre ciência e ficção. Belo Horizonte: Autêntica, 2011, p. 157.

CHARTIER, Roger. À beira da falésia: a história entre certezas e inquietudes. Porto Alegre: Editora da Universidade/UFRGS, 2002, p. 7.

CHARTIER, Roger. A história cultural: entre práticas e representações. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 1990.

FOUCAULT, Michel. A arqueologia do saber. 2 ed. Rio de Janeiro: Forense-Universitária, 1986,

FREUD, Sigmund. Inibição, sintoma, medo. Porto Alegre: LP&M, 2016.

HERÁCLITO. Fragmentos contextualizados. São Paulo: Odysseus, 2012; PALAZZO, Sandra. Heráclito e Parmênides: o uno e o múltiplo. São Paulo: Salvat, 2017.

PLATÃO. Parmênides. 4 ed. São Paulo: Loyola, 2003.

Downloads

Publicado

2021-11-04

Como Citar

ALBURQUERQUE JÚNIOR, D. M. Surfando à beira da falésia ou como o historiador navega e escreve em tempos de rede mundial de computadores. História Revista, Goiânia, v. 26, n. 2, p. 54–73, 2021. DOI: 10.5216/hr.v26i2.68278. Disponível em: https://revistas.ufg.br/historia/article/view/68278. Acesso em: 26 nov. 2022.

Edição

Seção

Dossiê "Cultura e barbárie: o mundo em tempos extremos"