Realidade e imaginário nas imagens de Chernobyl

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5216/hr.v26i2.67743

Resumo

O presente artigo propõe uma reflexão sobre a fotografia contemporânea voltada para os vestígios do acontecimento histórico, e procura compreender como a memória do trauma se inscreve nas imagens. Para isso, tomarei como corpus empírico algumas imagens do projeto La Zone, do fotógrafo francês Guillaume Herbaut. São imagens feitas na zona radioativa de Chernobyl, 24 anos após o acidente nuclear de 1986, na Ucrânia. A partir de um recorte seleciono algumas imagens do projeto, em que o fotógrafo joga com as ambiguidades e lacunas das imagens. Trata-se de imagens que apontam para a simultaneidade entre passado e presente e abrem espaço para o imaginário e a ficcionalização.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Dunya Azevedo, Universidade Federal de Minas Gerais, Belorizonte, Minas Gerais, Brasil, dunya.azevedo@gmail.com

Doutora em Comunicação Social pela Universidade Federal de Minas Gerais, com período sanduíche na Université Paris 1 Pantheon-Sorbonne (Paris/França);

Downloads

Publicado

2021-11-04

Como Citar

AZEVEDO, D. Realidade e imaginário nas imagens de Chernobyl. História Revista, Goiânia, v. 26, n. 2, p. 166–183, 2021. DOI: 10.5216/hr.v26i2.67743. Disponível em: https://revistas.ufg.br/historia/article/view/67743. Acesso em: 29 nov. 2022.

Edição

Seção

Dossiê "Cultura e barbárie: o mundo em tempos extremos"