TRADIÇÃO E MODERNIDADE: RECONFIGURAÇÕES IDENTITÁRIAS NA MÚSICA FOLCLÓRICA CHILENA DOS ANOS 1950 E 1960

Autores

  • Tânia da Costa Garcia Professora do Departamento de História da UNESP/Franca.

DOI:

https://doi.org/10.5216/hr.v13i2.6648

Resumo

A canção popular urbana constitui uma manifestação cultural tipicamente moderna. Sua produção, circulação e consumo se confundem com o processo de urbanização e com a disponibilidade de recursos tecnológicos. Veiculada pelos meios de comunicação de massa, ao alcançar públicos bem mais amplos que os receptores locais, não demorou para se traduzir num importante vetor de homogeneização cultural, afeita à lógica de mercado. Neste artigo, objetiva-se mapear as conexões entre a canção popular, a formação e a consolidação de um mercado consumidor, bem como os usos políticos do gênero por diferentes setores da sociedade chilena entre os anos 50 e 60, período em que as artes estiveram relacionadas às lutas das representações em torno da identidade nacional em diferentes países da América Latina.

 

PALAVRAS-CHAVE: Música folclórica, identidade nacional e cultural jovem.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Tânia da Costa Garcia, Professora do Departamento de História da UNESP/Franca.

Downloads

Publicado

2009-07-09

Como Citar

GARCIA, T. da C. TRADIÇÃO E MODERNIDADE: RECONFIGURAÇÕES IDENTITÁRIAS NA MÚSICA FOLCLÓRICA CHILENA DOS ANOS 1950 E 1960. História Revista, Goiânia, v. 13, n. 2, 2009. DOI: 10.5216/hr.v13i2.6648. Disponível em: https://revistas.ufg.br/historia/article/view/6648. Acesso em: 1 out. 2022.

Edição

Seção

Dossiê