“La experiência de nuestros tempos que es madre de todas las cosas”

a América, a geografia e os desafios da cartografia no início do período moderno

Autores

  • Tiago Bonato Universidade Estadual do Oeste do Paraná (UNIOESTE)

DOI:

https://doi.org/10.5216/hr.v23i3.55488

Resumo

O ambiente cultural do início do período moderno foi marcado por uma gradual, porém drástica, mudança nas concepções de mundo clássica e medieval. Com os conflitos gerados pelo encontro entre o conhecimento tradicional medieval, a redescoberta de obras gregas de geografia e a contínua experiência de navegação dos séculos XV e XVI, os estudiosos europeus se viram obrigados a conciliar teorias antigas, dogmas religiosos e dados empíricos que na maioria das vezes eram dissonantes. O intuito desse artigo é analisar esse quadro, a partir de uma bibliografia que discute a formação dos campos da geografia, cosmografia e cartografia ao mesmo tempo em que o continente americano, até então desconhecido, se descortinava perante os olhos dos navegadores europeus. Na primeira parte, a discussão gira em torno dos modos pelos quais se compreendia o universo naquele momento e o estado das disciplinas que pretendiam dar conta do mundo habitado – o orbis terrarum ou oikoumene. Na segunda parte, pretendo discutir o problema, prática e teoricamente complexo, de como se mapear regiões poucos conhecidas no período

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

2019-03-23

Como Citar

BONATO, T. “La experiência de nuestros tempos que es madre de todas las cosas”: a América, a geografia e os desafios da cartografia no início do período moderno. História Revista, Goiânia, v. 23, n. 3, p. 4–25, 2019. DOI: 10.5216/hr.v23i3.55488. Disponível em: https://revistas.ufg.br/historia/article/view/55488. Acesso em: 7 jul. 2022.