Missões condicionadas

a dimensão político-religiosa da missionação jesuítica e sua importância na estruturação do Império português no século XVI

Autores

  • Luiz Antonio Sabeh Universidade Federal de Alfenas

DOI:

https://doi.org/10.5216/hr.v23i3.54242

Resumo

D. João III (1521-1557) promoveu uma série de reformas que imprimiam novos sentidos e configurações ao Império português, não obstante, o século XVI foi o período de consolidação da empresa ultramarina lusitana. O elemento religioso era uma peça central dessa política e, nela, a Companhia de Jesus desempenhou um papel fundamental. Tão logo foi aprovado o funcionado da ordem religiosa em 1540, ela passou a atuar, com privilégios, na conversão dos domínios lusos na Ásia, África e América. Mesmo atuando sob um rigoroso princípio doutrinal, a missionação jesuítica produziu resultados muito diferentes nesses cenários tão diversos. Teria a ordem, então, falhado em sua missão? O objetivo desse artigo é compreender o que promoveu os diferentes resultados da presença da Companhia de Jesus no além-mar e, a partir daí, refletir sobre o seu papel na construção das sociedades coloniais lusas, portanto, no fortalecimento e manutenção do Império português no século XVI.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Luiz Antonio Sabeh, Universidade Federal de Alfenas

Professor Adjunto de História Moderna da Universidade Federal de Alfenas

Downloads

Publicado

2019-03-23

Como Citar

SABEH, L. A. Missões condicionadas: a dimensão político-religiosa da missionação jesuítica e sua importância na estruturação do Império português no século XVI. História Revista, Goiânia, v. 23, n. 3, p. 45–71, 2019. DOI: 10.5216/hr.v23i3.54242. Disponível em: https://revistas.ufg.br/historia/article/view/54242. Acesso em: 7 jul. 2022.