RELAÇÕES POLÍTICAS E RE-SIGNIFICAÇÕES DE UMA DEVOÇÃO POPULAR: LADÁRIOS GOIANOS EM TRILHAS PIRENOPOLINAS

Autores

  • Carlos Eduardo Maia Professor do IESA, da Universidade Federal de Goiás.
  • Tereza Caroline Lôbo Mestre em Geografia pelo IESA/UFG.
  • João Guilherme Curado Mestre em Geografia pelo IESA/UPG.

DOI:

https://doi.org/10.5216/hr.v13i1.5417

Resumo

Nas modernas sociedades ibero-americanas as procissões, organizadas com a finalidade catequética pelos missionários nos primeiros tempos da colonização, são re-significadas, já que nelas subsiste um complexo sistema de representações envolvendo grupos sociais que dialogam e embatem-se antes, durante e depois da caminhada. Notam-se, paralelamente, nesses préstitos, práticas devocionais tradutoras de uma religiosidade híbrida, na qual se promove um comércio simbólico favorecedor de múltiplas intervenções e interações espaciais e ritualísticas. A cada nova procissão volta-se à origem do homem e de um povo. Assim, compreender o mosaico de relações interpessoais e de grupos diversos, tradições seculares, religiosidade e símbolos presentes no cenário das procissões permite-nos interpretar a identidade cultural brasileira, em geral, a goiana, em particular, e a pirenopolina, de modo específico.

 

PALAVRAS-CHAVE: Festa popular, procissão, identidade, Pirenópolis, catolicismo popular.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Carlos Eduardo Maia, Professor do IESA, da Universidade Federal de Goiás.

 

Tereza Caroline Lôbo, Mestre em Geografia pelo IESA/UFG.

João Guilherme Curado, Mestre em Geografia pelo IESA/UPG.

 

Downloads

Publicado

2009-01-16

Como Citar

MAIA, C. E.; LÔBO, T. C.; CURADO, J. G. RELAÇÕES POLÍTICAS E RE-SIGNIFICAÇÕES DE UMA DEVOÇÃO POPULAR: LADÁRIOS GOIANOS EM TRILHAS PIRENOPOLINAS. História Revista, Goiânia, v. 13, n. 1, 2009. DOI: 10.5216/hr.v13i1.5417. Disponível em: https://revistas.ufg.br/historia/article/view/5417. Acesso em: 1 jul. 2022.

Edição

Seção

Artigos