O Papel do Ambiente Natural no Pensamento Social Brasileiro: contribuições a partir de Gilberto Freire, Sérgio Buarque de Holanda e Caio Prado Júnior

Autores

  • Márcia Helena Lopes
  • Cristiane Gomes Barreto Centro de Desenvolvimento Sustentável Universidade de Brasília http://orcid.org/0000-0003-3509-3158
  • André Vasques Vital

DOI:

https://doi.org/10.5216/hr.v22i2.46680

Palavras-chave:

natureza, formação social, materialismo cultural

Resumo

O objetivo deste artigo é analisar o papel do ambiente nas interpretações do Brasil desenvolvidas por Gilberto Freyre, Sérgio Buarque de Holanda e Caio Prado Júnior. Destaca-se, trazendo para primeiro plano, como a natureza está presente na formação social brasileira, segundo esses autores. A leitura realizada do pensamento dos três intelectuais centra-se nas suas principais obras, lançadas entre os anos de 1933 e 1945: Casa Grande e Senzala (1933) e Nordeste (1937) de Gilberto Freyre, Raízes do Brasil (1936) e Monções (1945) de Sérgio Buarque de Holanda e Formação do Brasil Contemporâneo (1942) de Caio Prado Júnior. De maneiras distintas, os não humanos emergem nessas obras como personagens ativos na construção histórica da sociedade brasileira, em uma abordagem integrada e ainda importante para os debates envolvendo a dualidade cultura-natureza no âmbito da História Ambiental.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

2017-12-24

Como Citar

LOPES, M. H.; BARRETO, C. G.; VITAL, A. V. O Papel do Ambiente Natural no Pensamento Social Brasileiro: contribuições a partir de Gilberto Freire, Sérgio Buarque de Holanda e Caio Prado Júnior. História Revista, Goiânia, v. 22, n. 2, p. 45–63, 2017. DOI: 10.5216/hr.v22i2.46680. Disponível em: https://revistas.ufg.br/historia/article/view/46680. Acesso em: 30 jun. 2022.

Edição

Seção

Dossiê: "História, cultura e natureza"