A Guerrilha do Araguaia e a Repressão Contra Camponeses: reflexões sobre os fundamentos e as práticas repressivas do estado brasileiro em tempos de ditadura

Autores

  • Patrícia Mechi UNILA

DOI:

https://doi.org/10.5216/hr.v20i1.39365

Palavras-chave:

Ditadura, Guerrilha do Araguaia, Violência, Camponeses.

Resumo

O episódio de enfrentamento à ditadura civil-militar conhecido como “guerrilha do Araguaia (1972 a 1974)” foi um dos eventos do período que produziu o maior número de vítimas. Segundo os dados disponíveis hoje, seriam 62 militantes e ao menos 17 camponeses assassinados pelas forças repressivas que atuaram na região, centenas de presos e torturados, além de diversos camponeses que tiveram destruídos os seus meios de subsistência. O artigo busca discutir a natureza, os métodos e os objetivos desta repressão, tendo como eixos sua articulação com a Doutrina de Segurança Nacional e elementos do pensamento conservador, em particular no campo. Assim, na primeira parte do artigo, apresentamos os principais elementos da modificação operada na atuação dos Estados Unidos para a América Latina, no que diz respeito ao papel das forças militares, incluindo a divulgação da Doutrina de Segurança Nacional no continente e apresentamos alguns elementos da Doutrina no Brasil; na sequência, discutimos aspectos das visões sobre o “povo” no pensamento conservador, nos casos de dois outros massacres promovidos em áreas rurais: Canudos e Contestado. Por fim, discutimos a atuação das forças armadas na repressão da guerrilha em si, principalmente no que diz respeito aos camponeses.

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Patrícia Mechi, UNILA

Professora Doutora no Instituto de Economia, Sociedade e Política da Universidade Federal da Integração LatinoAmericana (UNILA).

Downloads

Publicado

2016-01-08

Como Citar

MECHI, P. A Guerrilha do Araguaia e a Repressão Contra Camponeses: reflexões sobre os fundamentos e as práticas repressivas do estado brasileiro em tempos de ditadura. História Revista, Goiânia, v. 20, n. 1, p. 48–70, 2016. DOI: 10.5216/hr.v20i1.39365. Disponível em: https://revistas.ufg.br/historia/article/view/39365. Acesso em: 10 dez. 2022.