A semana da tuberculose de 1937 em Curitiba: educação para combater a enfermidade na terra dos “bons ares”

Autores

  • Marinice Sant’Ana de Oliveira
  • Liane Maria Bertucci Universidade Federal do Paraná

DOI:

https://doi.org/10.5216/hr.v20i3.35787

Palavras-chave:

educação para a saúde, tuberculose, discurso médico-científico

Resumo

O artigo analisa como se deu a educação para combate da tuberculose na cidade de Curitiba (Paraná) durante a Semana da Tuberculose, realizada em novembro de 1937. O evento organizado por autoridades médico-governamentais mobilizou vários médicos, sendo realizadas palestras, distribuição de folheto educativo e utilização de jornais e da rádio local como difusores de informações. A Revista Médica do Paraná transcreveu algumas das palestras e publicou informações sobre o evento. Não havendo ainda medicamentos específicos para tratamento e cura da tuberculose, as recomendações baseavam-se na importância da higiene (individual e do ambiente), de uma alimentação adequada e uma vida “sem excessos” como formas de prevenção da doença. O tratamento dos tuberculosos apregoado pelos médicos se sustentava quase que exclusivamente no regime higiênico-dietético e no isolamento, visto como imprescindível para evitar novos contágios e para aumentar as possibilidades de cura.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Marinice Sant’Ana de Oliveira

Mestre em Educação pela Universidade Federal do Paraná (UFPR)

Liane Maria Bertucci, Universidade Federal do Paraná

Doutora em História pela Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), realizou estágio de Pós-Doutorado na Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (USP); professora associada de História da Educação e do Programa de Pós-Graduação em Educação na Universidade Federal do Paraná (UFPR).

Downloads

Publicado

2016-01-14

Como Citar

DE OLIVEIRA, M. S.; BERTUCCI, L. M. A semana da tuberculose de 1937 em Curitiba: educação para combater a enfermidade na terra dos “bons ares”. História Revista, Goiânia, v. 20, n. 3, p. 98–116, 2016. DOI: 10.5216/hr.v20i3.35787. Disponível em: https://revistas.ufg.br/historia/article/view/35787. Acesso em: 14 ago. 2022.