Construindo comunidades: as irmandades dos pretos e pardos - doi: 10.5216/hr.v15i2.14128

Autores

  • Mary Karasch

DOI:

https://doi.org/10.5216/hr.v15i2.14128

Palavras-chave:

irmandades, pretos, Brasil Colonial, Goiás

Resumo

Este ensaio trata da irmandade leiga dos pretos (e pardos), que foi organizada por aqueles de descendência africana no Brasil colonial e na capitania de Goiás. Os temas a serem elaborados aqui incluem origens; associação, incluindo identidade étnica e racial; os santos de sua devoção; atividades, tais como arrecadação de fundos e assistência para os necessitados e as relações com a Igreja e o Estado, incluindo eleição de reis e rainhas. Estudos históricos agora apontam para a rica vida associativa que os descendentes de africanos criaram no Brasil e no resto da Diáspora africana. A capitania de Goiás compartilhou dessa tradição, o que possibilitou aos escravos sobreviverem ao trauma da escravidão e criarem suas próprias comunidades e culturas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

2011-05-08

Como Citar

KARASCH, M. Construindo comunidades: as irmandades dos pretos e pardos - doi: 10.5216/hr.v15i2.14128. História Revista, Goiânia, v. 15, n. 2, p. 257–283, 2011. DOI: 10.5216/hr.v15i2.14128. Disponível em: https://revistas.ufg.br/historia/article/view/14128. Acesso em: 6 dez. 2022.

Edição

Seção

Dossiê