O trabalho das lavadeiras na Cidade de Goiás

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5216/hawo.v3.74641

Palavras-chave:

Cidade de Goiás; Lavadeiras; Subalternidade.

Resumo

Este artigo é resultado de uma pesquisa etnográfica realizada na Cidade de Goiás, Estado de Goiás, Brasil. Pautado inicialmente no relato de duas lavadeiras (mãe e filha), a proposta é analisar o trabalho de lavação como processo de subalternização de gênero. Metodologicamente procurei cruzar os dados da entrevista com dados da polícia civil e imagens (fotografias, desenhos) afim de discutir quem eram essas mulheres e como foram tratadas em ambientes públicos (rios e córregos) e privados (casa dos patrões), abordagem que busco realizar à luz de autores como: Gayatri Spivak, José Jorge de Carvalho e Georges Vigarello.

Referências

Referências

ANDRADE, Rita Morais de. Abrindo os trabalhos. In: ANDRADE, Rita Morais de; CABRAL, Alliny Maia; DI CALAÇA, Indyanelle Marçal Garcia (org.). Dossiê: o vestuário como assunto: perspectivas de pesquisa a partir de artefatos e imagens. Goiânia: Cegraf UFG, 2021. (Coleção Desenredos, 13). p. 15-31.

ANDRADE, Rita Morais de. Boué Soeurs RG 7091: a biografia cultural de um vestido. 2008. Tese (Doutorado em História) - Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, 2008. Disponível em: https://tede2.pucsp.br/handle/handle/13076. Acesso em: 20 mar. 2021.

BACHELARD, Gaston. A dialética da duração. São Paulo: Ática, 1994.

BITTAR, Maria José Goulart. As três faces de Eva na Cidade de Goiás. 1997. Dissertação (Mestrado em História) - Faculdade de Ciências Humanas e Filosofia, Universidade Federal de Goiás, Goiânia, 1997.

BOSI, Ecléa. Memória e sociedade: lembranças dos velhos. São Paulo: Companhia das Letras, 1994.

BERGSON, Henri. Matéria e memória: ensaio da relação do com o espírito. São Paulo: Martins Fontes, 1999.

CABRAL, Alliny Maia Siqueira de Carvalho. Indumentária e visualidade: modos de vestir de mulheres kalunga sob uma perspectiva histórica (séculos XIX e XX). 2019. Dissertação (Mestrado em Antropologia), Faculdade de Artes Visuais, Universidade Federal de Goiás, Goiânia, 2019. Disponível em: http://repositorio.bc.ufg.br/tede/handle/tede/9497. Acesso em: 20 mar. 2021.

CASEY, Edward S. How to get from space to place in a fairly short stretch of time: Phenomenological prolegomena. In: FELD, Steven; BASSO, Keith H (ed.). Senses of place. Santa Fé, New México: School of American Research Press, 1996. p. 13-52.

CARVALHO, José Jorge de. O olhar etnográfico e a voz subalterna. Horizontes Antropológicos, Porto Alegre, v. 7, n. 15, p. 107-147, jul. 2001. DOI 10.1590/S0104-71832001000100005. Disponível em: https://www.scielo.br/j/ha/a/kNnShbTR3wLSWgCspyx8JBv/?format=pdf&lang=pt. Acesso em: 20 mar. 2021.

DAMASCENO, Caetana Maria. ‘Cor’ e ‘boa aparência’ no mundo do trabalho doméstico: problemas de pesquisa da curta à longa duração. XXVII Simpósio Nacional de História. Conhecimento histórico e diálogo social (RN- Natal), 2013. http://www.snh2013.anpuh.org/resources/anais/27/1364682879_ARQUIVO_2013_TEXTOanpuh_CaetanaDamasceno.pdf. Acesso em: 06 nov. 2022.

DOUGLAS, Mary. Pureza e perigo. 2. ed. São Paulo: Perspectiva, 2012.

GIBSON, James Jerome. The ecological approach to visual perception. London: Lawrence Erlbaum Associates, 1986.

INGOLD, Timothy. Estar vivo. Petrópolis-RJ: Vozes, 2015.

LE BRETON, David. Antropologia das emoções. Petrópolis, RJ: Vozes, 2019.

NORA, Pierre. Entre memória e história: a problemática dos lugares. Projeto História, São Paulo, v. 10, p. 7-28, dez. 1993. Disponível em: https://revistas.pucsp.br/index.php/revph/article/view/12101/8763. Acesso em: 20 mar. 2021.

SILVEIRA, Flávio Leonel Abreu da; LIMA FILHO, Manuel Ferreira. Por uma antropologia do objeto documental: entre “a alma nas coisas” e a coisificação do objeto. Horizontes Antropológicos, Porto Alegre, v. 11, n. 23, p. 37-50, jan./jun. 2005. DOI 10.1590/S0104-71832005000100003. Disponível em: https://www.scielo.br/j/ha/a/dwjPbYHRXfYBFSpVgSmRwrx/?format=pdf&lang=pt. Acesso em: 20 mar. 2021.

SPIVAK, Gayatri. Pode o subalterno falar? Trad. Sandra Regina Goulart Almeida; Marcos Pereira Feitosa; André Pereira. Belo Horizonte: Editora da UFMG, 2010.

TALARICO, Guilherme. O fotógrafo Alóis Feichtemberger na construção de Goiânia (1936): imagens alegóricas da modernidade. In: COLÓQUIO SOBRE WALTER BENJAMIN E AS IMAGENS DA HISTÓRIA, 2013, Goiânia. Anais [...]. Goiânia: UFG, 2013. Disponível em: https://www.academia.edu/11559433/O_fot%C3%B3grafo_Alois_Feichtenberger_na_constru %C3%A7%C3%A3o_de_Goi%C3%A2nia_1936_imagens_aleg%C3%B3ricas_da_modernid ade. Acesso em: 20 mar. 2022.

TAMASO, Izabela Maria. Em nome do patrimônio: representações e apropriações da cultura na Cidade de Goiás. 2007. Tese (Doutorado em Antropologia Social) - Universidade de Brasília, Brasília, 2007a. Disponível em: https://repositorio.unb.br/handle/10482/1995. Acesso em: 20 mar. 2022.

TAMASO, Izabela Maria. Relíquias e patrimônios que o Rio Vermelho levou. In: LIMA FILHO, Manuel Ferreira; BELTRÃO, Jane Felipe; ECKERT, Comelia (org.). Antropologia e patrimônio cultural: diálogos e desafios contemporâneos. Blumenau: Nova Letra, 2007b. p. 199-220.

TUAN, Yi-Fu. Espaço e lugar: a perspectiva da experiência. Tradução de Lívia de Oliveira. Londrina: Eduel, 1983.

VIGARELLO, Georges. O limpo e o sujo: uma história da higiene corporal. São Paulo: Martins Fontes, 1996.

Downloads

Publicado

2023-07-13

Como Citar

MOREIRA, G. de O. O trabalho das lavadeiras na Cidade de Goiás. Hawò, Goiânia, v. 3, 2023. DOI: 10.5216/hawo.v3.74641. Disponível em: https://revistas.ufg.br/hawo/article/view/74641. Acesso em: 25 fev. 2024.