ENCANTO E FASCÍNIO: DIMENSÕES DA SEDUÇÃO NA EDUCAÇÃO

Autores

  • Carlos Alberto Figueiredo da Silva Universidade Salgado de Oliveira e Unisuam
  • Sebastião Josué Votre Universidade Gama Filho

DOI:

https://doi.org/10.5216/rpp.v12i3.6740

Palavras-chave:

Educação Física, Poder, Violência

Resumo

O objetivo deste estudo é descrever o fenômeno da sedução na relação pedagógica. Utilizou-se a etnometodologia como referencial teórico-metodológico na análise dos dados. Trata-se de um estudo de caso, com abordagem qualitativa. A amostra foi intencional e constituída de três alunos universitários. Conclui-se que o fenômeno ocorre incessantemente na área educacional. Os dados evidenciaram duas categorias polares. Identificou-se uma dimensão de encantamento, onde os indivíduos interagem e edificam uma relação baseada na autonomia e outra, entendida como fascínio, em que o discernimento de uma das partes fica comprometido.

 

 

PALAVRAS-CHAVE: Educação Física – Poder – Violência.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Carlos Alberto Figueiredo da Silva, Universidade Salgado de Oliveira e Unisuam

Doutor em Educação Física pela Universidade Gama Filho. Professor do Programa de Mestrado em Ciências da Atividade Física da Universidade Salgado de Oliveira e Professor do Centro Universitário Augusto Motta.

Sebastião Josué Votre, Universidade Gama Filho

Pós-doutorado realizado nas universidades da Pensilvânia, Filadélfia (1980, com William Labov); da Califórnia, Los Angeles (1986, com Sandra Thompson); de Essex, Inglaterra (1988, com Peter Trudgill); de Laval, Québec (1992, com Diane Vincent) e da Califórnia, Santa Bárbara (1999, com Sandra Thompson) e na Universidade de Strathclyde, Escócia (em 1999, com Anthony Mangan). Doutor em Lingüística e Análise do Discurso (PUC-RJ). Professor do Programa de Pós-graduação (mestrado e doutorado) em Educação Física da Universidade Gama Filho.

Publicado

2009-11-30

Como Citar

SILVA, C. A. F. da; VOTRE, S. J. ENCANTO E FASCÍNIO: DIMENSÕES DA SEDUÇÃO NA EDUCAÇÃO. Pensar a Prática, Goiânia, v. 12, n. 3, 2009. DOI: 10.5216/rpp.v12i3.6740. Disponível em: https://revistas.ufg.br/fef/article/view/6740. Acesso em: 21 jun. 2024.

Edição

Seção

Artigos Originais