Reeleição virtual de Lula

jogos simbólicos do poder e construção da liderança política

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5216/ci.v25.64637

Palavras-chave:

Era Lula, Lulismo, Dilma Rousseff, Eleições 2010

Resumo

Este artigo parte de uma hermenêutica da profundidade, proposta por Thompson (1995), para analisar as condições sociais de produção e emergência dos discursos na apresentação da candidatura de Dilma Rousseff, em 2010. Julga-se que observar a constituição da liderança de Dilma colabora tanto na compreensão do seu impeachment quanto na reflexão sobre o papel da imagem das lideranças na atual democracia brasileira. Os resultados da análise indicam que Dilma representou a possibilidade de uma eleição virtual do então presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Suas imagens como mãe e como gestora tiveram força porque vieram amparadas no ethos de herdeira de Lula e de corresponsável pelos êxitos dos governos federais petistas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Joyce Miranda Leão Martins, Universidade Federal de Alagoas (UFAL), Maceió, Alagoas, Brasil, joycesnitram@yahoo.com.br

Doutora em Ciência Política pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Professora de Ciência Política na Universidade Federal de Alagoas.

Referências

ALMEIDA, Jorge. O marketing político-eleitoral. In: RUBIM, Antonio Albino Canelas (Org.). Comunicação e Política. Bahia: Edufba, 2004 (a).

ALMEIDA, Jorge. Serra e a mudança: um discurso fora do lugar de fala. In: RUBIM, Antonio Albino Canelas (Org.). Eleições presidenciais em 2002 no Brasil. São Paulo: Hacker, 2004 (b).

ALVES, Mércia; MARTINS, Joyce Miranda Leão. De protagonista a coadjuvante: o declínio do PSDB na eleição de 2018. In: Congresso da Associação Brasileira de Pesquisadores em Comunicação e Política – Compolítica, 8. 2019, Brasília. Anais Eletrônicos [...] Brasília, 2019.

AMARAL, Ricardo Batista. A vida quer é coragem: A trajetória de Dilma Rousseff, a primeira presidenta do Brasil. Rio de Janeiro: Sextame, 2011.

BONIN, Robson. Popularidade de Lula é de 80,5%, aponta pesquisa CNT/Sensus. O Globo, 2010. Disponível em: http://g1.globo.com/politica/noticia/2010/08/cntsensus-mede-popularidade-de-lula-em-805.html. Acesso em: 01 jul. 2020.

BRAMATTI, Daniel. Parte do eleitorado de Serra é também 'lulista'. Estadão, 2010. Dispon http://www.estadao.com.br/noticias/nacional,parte-do-eleitorado-de-serra-e-tambem-lulista,556131,0.htm. Acesso em: 01 jul. 2020.

BOURDIEU, Pierre. Questões de Sociologia. Rio de Janeiro: Marco Zero, 1983.

CHARAUDEAU, Patrick. Discurso Político. São Paulo: Contexto, 2006.

DALMOLIN, Aline Roes; ROSA Francys Albrecht da. Midiatização das sociedades pós-industriais: os efeitos transformadores da cultura da mídia. Comunicação e Informação, v. 24, 2021.

DUTRA, José Eduardo (Entrevista). A cara vai ser de Dilma. Revista Veja, n. 18, 05 de maio de 2010.

GALLUCCI, Mariângela. Lula recebe nova multa por antecipar campanha de Dilma. Estadão, 2010. Disponível em: http://www.estadao.com.br/noticias/nacional,lula-recebe-nova-multa-por-antecipar-campanha-de-dilma,529261,0.htm. Acesso em: 01 jul. 2020.

GALLUCCI, Mariângela. TSE multa Lula em R$ 5 mil por fazer propaganda de Dilma no Rio. Estadão, 2010. Disponível em: http://www.estadao.com.br/noticias/impresso,tse-multa-lula-em-r-5-mil-por-fazer-propaganda-de-dilma-no-rio,526403,0.htm. Acesso em: 01 jul. 2020.

LIMA, Daniela. Oposição precisa conquistar a classe média, afirma FHC. Folha de São Paulo, 2011. Disponível em: https://www1.folha.uol.com.br/fsp/poder/po1204201102.htm. Acesso em: 01 jul. 2020.

MANIN, Bernard. As metamorfoses do governo representativo. Revista Brasileira de Ciências Sociais, v. 10, n. 29. 1995.

MARTINS, Joyce Miranda Leão. O novo jogo eleitoral brasileiro: PT e PSDB na democracia de público. Curitiba: Appris, 2019.

MARTINS, Joyce Miranda Leão. Política para eleitor ver: imaginários sociais e performances de Serra e Dilma no horário eleitoral de 2010. 2012. 128 f. Dissertação (Mestrado em Sociologia) – Universidade Federal do Ceará, 2012.

MARTINS, Joyce Miranda Leão. Era FHC x Era Lula: a disputa simbólica no horário eleitoral de 2010. Agenda Política. v. 2, n. 1, 2014.

MATOSO, Filipe. Governo Dilma tem 10% de aprovação e desaprovação de 69%, diz Ibope. O Globo, 2016. Disponível em: http://g1.globo.com/politica/noticia/2016/03/10-aprovam-governo-dilma-e-69-desaprovam-diz-ibope.html Acesso em: 01 jul. 2020.

RENNÓ, Lúcio. Escândalos e voto: as eleições presidenciais brasileiras de 2006. Opinião Pública, v. 13, n. 2, p. 260-282, 2007.

RODRIGUES, Fernando. Dilma abre 17 pontos sobre Serra e venceria no 1º turno, aponta Datafolha. Folha de S. Paulo, 2010. Disponível em: http://www1.folha.uol.com.br/poder/786566-dilma-abre-17-pontos-sobre-serra-e-venceria-no-1-turno-aponta-datafolha.shtml. Acesso em: 01 jul. 2020.

SINGER, André. Os sentidos do lulismo. São Paulo: Companhia das Letras, 2012.

SIRKIS, Alfredo. O efeito Marina: Bastidores da campanha que mudou o rumo das eleições. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2011.

THOMPSON, John B. A Metodologia da Interpretação. In: THOMPSON, John B. Ideologia e cultura moderna: teoria social crítica dos meios de comunicação de massa. Petrópolis: Vozes, 1995.

Downloads

Publicado

2022-12-22

Como Citar

MIRANDA LEÃO MARTINS, J. Reeleição virtual de Lula: jogos simbólicos do poder e construção da liderança política . Comunicação & Informação, Goiânia, Goiás, v. 25, p. 788–807, 2022. DOI: 10.5216/ci.v25.64637. Disponível em: https://revistas.ufg.br/ci/article/view/64637. Acesso em: 23 maio. 2024.