Comunicação organizacional e empregados

entre a participação manipulatória e a humanização

Autores

  • Cássia Aparecida Lopes da Silva Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Sul-rio-grandense, (IFSUL), Sapucaia do Sul, RS, Brasil, lopes.cassia.a@gmail.com
  • Mônica Carvalho de Oliveira Universidade Federal do Rio Grande do Sul, (UFRGS), Porto Alegre, RS, Brasil, monicaoliveira000@gmail.com
  • Rudimar Baldissera Universidade Federal do Rio Grande do Sul, (UFRGS), Porto Alegre, RS, Brasil, rudimar.baldissera@ufrgs.br

DOI:

https://doi.org/10.5216/ci.v24.62552

Resumo

Sob a perspectiva do trabalho pós-fordista (HOLZMANN, 2011; ANTUNES, 2009), neste artigo temos como objetivo refletir sobre a comunicação entre organização e empregados, no que tange aos processos referidos como “participativos” e/ou “colaborativos”, com base em autores de comunicação organizacional (CURVELLO, 2010; BALDISSERA, 2014b; 2008), sociologia (HOLZMANN; 2011; ANTUNES, 2018; 2009) e psicologia (DEJOURS, 2005). Também fundamentam este texto reflexões sobre vigilância das organizações ao trabalhador (BALDISSERA, 2000; 2014a), além de resultados de pesquisas que abrangem comunicação organizacional e gestão do trabalho (SILVA, 2016) e noções de diálogo na comunicação organizacional (OLIVEIRA, 2017). Analisamos algumas iniciativas organizacionais que demandam a atuação dos trabalhadores nos processos de comunicação, questionamos visões tecnicistas e econômicas (DE MASI, 1999; MCLAGAN; NEL, 2000) acerca dessa participação, bem como articulamos essas demandas com as principais transformações dos sistemas produtivos na atualidade. Identificamos duas distintas perspectivas de participação do trabalhador nos processos de comunicação: 1) como estratégia organizacional para maquiar o controle e a vigilância (BALDISSERA, 2014a); e 2) como potência para contribuir na efetivação de organizações mais humanizadas. 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Mônica Carvalho de Oliveira, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, (UFRGS), Porto Alegre, RS, Brasil, monicaoliveira000@gmail.com

Doutoranda e Mestra em Comunicação pelo Programa de Pós-Graduação em Comunicação da UFRGS. Graduada em Jornalismo, pela mesma Universidade. Integrante do grupo de pesquisa em Comunicação Organizacional, Cultura e Relações de Poder – GCCOP: www.ufrgs.br/gccop. E-mail: monicaoliveira000@gmail.com

Rudimar Baldissera, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, (UFRGS), Porto Alegre, RS, Brasil, rudimar.baldissera@ufrgs.br

Doutor em Comunicação. Mestre em Comunicação/Semiótica. Graduado em Relações Públicas.
Professor na Faculdade de Biblioteconomia e Comunicação Departamento da Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Pesquisador e professor no Programa de Pós-Graduação em Comunicação da UFRGS. Líder do grupo de pesquisa em Comunicação Organizacional, Cultura e Relações de Poder – GCCOP: www.ufrgs.br/gccop. E-mail: rudimar.baldissera@ufrgs.br

Referências

ABERJE. ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL. Pesquisa sobre comunicação interna mostra preocupação com objetivos de negócio. São Paulo: ABERJE, 2018. Disponível em: https://www.aberje.com.br/pesquisa-sobre-comunicacao-interna-mostra-preocupacao-com-objetivos-de-negocio/. Acesso: 10 no 2019.

ANTUNES, Ricardo. O privilégio da servidão: o novo proletariado de serviços na era digital. São Paulo: Boitempo, 2018.

ANTUNES, Ricardo. Os sentidos do trabalho: ensaio sobre a afirmação e a negação do trabalho. 2. ed. 10. reimp. rev. ampl. São Paulo: Boitempo, 2009.

ANTUNES, Ricardo. Anotações sobre o capitalismo recente e a reestruturação produtiva. In.: ANTUNES, Ricardo; SILVA, Maria Aparecida Moraes (org.). O avesso do trabalho: ensaio sobre a afirmação e a negação do trabalho. São Paulo: Expressão Popular, 2004.

BALDISSERA, Rudimar. Comunicação organizacional, tecnologias e vigilância: entre a realização e o sofrimento. E-compós, Brasília, v. 17, n. 2. 2014a.

BALDISSERA, Rudimar. Comunicação, cultura e interação nas organizações. In.: MARCHIORI, Marlene. Cultura e interação. São Caetano do Sul, SP: Difusão : Rio de Janeiro: Senac, 2014b.

BALDISSERA, Rudimar. Comunicação organizacional na perspectiva da complexidade. Organicom, São Paulo, ano 6, n. 10/11, p. 115-120, 2009a.

BALDISSERA, Rudimar. A teoria da complexidade e novas perspectivas para os estudos de comunicação organizacional. In: KUNSCH, Margarida Maria Krohling. (org.). Comunicação organizacional: históricos, fundamentos e processos. São Paulo: Saraiva, 2009b. v.1.

BALDISSERA, Rudimar. Comunicação organizacional: uma perspectiva possível a partir do paradigma da complexidade. In: OLIVEIRA, Ivone de Lourdes; SOARES, Ana Thereza Nogueira (org.). Interfaces e tendências da comunicação no contexto das organizações. São Paulo: Difusão, 2008.

BALDISSERA, Rudimar. Comunicação organizacional: o treinamento de recursos humanos como rito de passagem. São Leopoldo, Unisinos, 2000.

BOURDIEU, Pierre. O poder simbólico. 13. ed. Tradução de Fernando Tomaz. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2010.

CORSANI, Antonella. Elementos de uma ruptura: a hipótese do capitalismo cognitivo. In.:

COCCO, Giuseppe (org). Capitalismo cognitivo: trabalho, redes e inovação. Rio de Janeiro: D&PA, 2003. p. 15-32.

CURVELLO, João J. A. Um olhar comunicacional sobre autonomia e interdependência nas relações de trabalho. In: KUNSCH, Margarida Maria Krohling. A comunicação com fator de humanização das organizações. São Caetano do Sul: Difusão, 2010. p. 77-91.

DEETZ, Stanley. Comunicação organizacional: fundamentos e desafios. In: MARCHIORI, Marlene (org.). Comunicação e organização: reflexões, processos e práticas. São Caetano do Sul, SP: Difusão, 2010. p. 83-101.

DEJOURS, Christophe. A banalização da injustiça social. Rio de Janeiro: FGV, 2005.

DE MASI, Domenico. A sociedade pós-industrial. São Paulo: SENAC, 1999.

FIGARO, Roseli. Comunicação no mundo do trabalho: instrumentalizando a razão comunicativa. In.: FIGARO, Roseli. (org.). Gestão da comunicação: no mundo do trabalho, terceiro setor, e cooperativismo. São Paulo: Atlas, 2005. E-book

GEERTZ, Clifford. Interpretação das culturas. Rio de Janeiro: LTC, 1989.

GIACOMO, Sérgio; SCHRECK, Mirka. Vale: implantação do dia de reflexão sobre saúde e segurança. In: NASSAR, Paulo. Comunicação interna: a força das empresas. São Paulo, ABERJE, 2013. v. 7, p. 63-68.

GOUNET, Thomas. Fordismo e toyotismo. São Paulo: Boitempo, 1999.

HOLZMANN, Lorena: CATTANI, Antônio David. Taylorismo. In.: CATTANI, Antônio David; HOLZMANN, Lorena. Dicionário de trabalho e tecnologia. Porto Alegre: Zouk, 2011.

MAFRA, Rennan L. M; MARQUES, Angela C. S. Práticas discursivas, contornos identitários e conflitos morais: topografias do diálogo nos contextos organizacionais. In.: LOPES, Valéria de S. C; FARIAS, Luiz Alberto.; SCROFERNECKER, Cleusa M. A. CONGRESSO ABRAPCORP, 9., Porto Alegre. Anais [...]. Porto Alegre: EDIPUCRS, 2015. p. 341-357.

MARQUES, Ângela C. S.; MAFRA, Rennan L. M. Diálogo no contexto organizacional e lugares de estratégia, argumentação e resistência. Organicom, São Paulo, v. 10, n. 19, p. 82-94, 2013.

MARTINS, Maria Terezinha. M. C.. Diálogo e interações face a face: a força da oralidade na comunicação interna. Organicom, v. 10, n. 19, 2013.

MCLAGAN, Patricia; NEL, Christo. A nova era da participação: o desafio de emocionar e envolver pessoas. Rio de Janeiro: Campus, 2000.

MORENO, Ángeles, MOLLEDA, J. C., ATHAYDES, A., SUÁREZ, A. M., HERRERA, M.; ÁLVAREZ, A. Latin American Communication Monitor 2016 - 2017: tendencias en comunicación estratégica. Madrid, España: EUPRERA/DIRCOM, 2017. Disponível em: http://latincommunicationmonitor.com/site/wp-content/uploads/2017/05/LCM-2016-2017.pdf. Acesso em: 10 nov. 2019.

OLIVEIRA, Mônica Carvalho de. A noção de diálogo materializada nos relatórios GRI. 2017. Dissertação (Mestrado em Comunicação e Informação) – Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, RS, 2017.

SCHVARSTEIN, Leonardo; Psicologia social de las organizaciones: nuevos aportes. 2. ed. Buenos Aires: Paidós, 2002.

SILVA, Cássia Aparecida Lopes da. Comunicação organizacional na gestão do trabalho: papéis dos gestores de equipe e natureza da comunicação. 2016. Dissertação (Mestrado em Comunicação e Informação) – Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Faculdade de Biblioteconomia e Comunicação, Porto Alegre, RS, 2016.

URIBE, P. La idea de organización: uma concepción amplia para uma acción efectiva. [S. l.]: Comunicación, 2009.

Downloads

Publicado

11-08-2021

Como Citar

SILVA, C. A. L. da .; OLIVEIRA, M. . C. de .; BALDISSERA, R. . Comunicação organizacional e empregados: entre a participação manipulatória e a humanização. Comunicação & Informação, Goiânia, Goiás, v. 24, 2021. DOI: 10.5216/ci.v24.62552. Disponível em: https://revistas.ufg.br/ci/article/view/62552. Acesso em: 3 dez. 2021.