Um olhar Nietzschiano à Dogville: as Desordens Morais da Personagem Grace no Discurso Fílmico

Autores

  • Cintia Moleta
  • Fábio Hansen UFPR

DOI:

https://doi.org/10.5216/ci.v21i2.54016

Palavras-chave:

Dogville. Moral. Análise do Discurso. Nietzsche. Cinema.

Resumo

O presente artigo tem como objeto de pesquisa o filme Dogville, de 2003, e buscou responder à seguinte questão: como se dá a aproximação entre o discurso sobre a moral em Dogville e as considerações sobre a moral de Nietzsche, tendo em vista o comportamento da personagem Grace no discurso fílmico? Para respondê-la, os objetivos foram analisar a construção do discurso sobre a moral em Dogville, relacionando-o às considerações sobre a moral de Nietzsche; e identificar as desordens morais na tomada de posição da personagem Grace de acordo com os valores que manifesta no filme. Para alcançar tais objetivos, foi utilizada a abordagem teórico-metodológica da análise do discurso de linha francesa, com os conceitos de interdiscurso, formação discursiva e posição-sujeito, que evidenciam, com eles, as desordens morais que constituem o comportamento da protagonista no filme. Dessa maneira, desliza-se um sentido moral da obra que revela um sujeito contemporâneo ambíguo e fragmentado.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Cintia Moleta

Mestra em Comunicação pela Universidade Federal do Paraná (2018), Graduada em Publicidade e Propaganda pela Universidade Estadual do Centro Oeste do Paraná (2014). 

Fábio Hansen, UFPR

Doutor em Letras pela UFRGS. Professor no Departamento de Comunicação Social da Universidade Federal do Paraná (UFPR) e Professor permanente no Programa de Pós-Graduação em Comunicação (PPGCOM UFPR) na linha de pesquisa Comunicação, Educação e Formações Socioculturais. Autor do livro (In)verdades sobre os profissionais de criação: poder, desejo, imaginação e autoria. Pesquisador nos Grupos de Pesquisa certificados no CNPq: Ensino Superior de Publicidade e Propaganda e Estudos sobre Comunicação, Consumo e Sociedade.

Referências

DOGVILLE. Direção: Lars von Trier. Local: França (lançamento). Produtora: Zentropa Entertainments. Distribuidora: Lions Gate Entertainment/Califórnia Filmes, 2003. 177 min.

ELLSWORTH, E. Modos de endereçamento: uma coisa de cinema; uma coisa de educação também. In: SILVA, T. T. (org.). Nunca fomos humanos: nos rastros do sujeito. Belo Horizonte: Autêntica, 2001.

FERREIRA, M. C. L. Análise de Discurso e Psicanálise: Uma estranha Intimidade. Caderno da APPOA, n.131, p.37-52, dez/2004.

GERACE, R. Intermidialidade em Dogville. Pós: Revista do Programa de Pós-graduação em Artes da EBA/UFMG, Belo Horizonte, v. 1, n. 2, p.75-87, nov. 2011.

HARRES, P. M. Ilustração e meta-ética em Dogville. Trabalho de Graduação (Bacharelado em Filosofia). 61f. Instituto de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade

Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2013.

INDURSKY, F. A fala dos quartéis e outras vozes. 2.ed. Campinas: Editora da Unicamp, 2013.

MANGABEIRA, C. Olhando para trás ou para que serve um filme de 2003? Uma análise sociológica de Dogville. Áskesis, v.1, n.1, p.142-165, jan./jul. 2012. Disponível em: <https://revistaaskesis.files.wordpress.com/2012/04/revista-askesis-ensaio02_p142-165.pdf>. Acesso em 30 março 2017.

NIETZSCHE, F. W. O Anticristo: maldição do cristianismo. Rio de Janeiro: Clássicos Econômicos Newton. 1996.

NIETZSCHE, F. W. Genealogia da Moral: uma polêmica. São Paulo: Companhia das Letras, 1998.

NIETZSCHE, F W. Humano, demasiado humano: um livro para espíritos livres. São Paulo: Companhia das Letras, 2005.

NIETZSCHE, F. W. Aurora. São Paulo: Escala, 2013. PÊCHEUX, Michel.

ORLANDI, E. P. Análise de discurso: princípios e procedimentos. 12.ed. Campinas: Pontes Editores, 2015.

SANTOS NETO, H. I. C. Análise do discurso radiofônico: o acontecimento apagão em Florianópolis. 291f. Tese (Doutorado em Ciências da Linguagem) - Universidade do Sul de Santa Catarina, Palhoça, 2015.

Downloads

Publicado

2018-10-30

Como Citar

MOLETA, C.; HANSEN, F. Um olhar Nietzschiano à Dogville: as Desordens Morais da Personagem Grace no Discurso Fílmico. Comunicação & Informação, Goiânia, Goiás, v. 21, n. 2, p. 51–70, 2018. DOI: 10.5216/ci.v21i2.54016. Disponível em: https://revistas.ufg.br/ci/article/view/54016. Acesso em: 17 maio. 2022.

Edição

Seção

Artigos