Novos jornalistas literários: métodos, técnicas e experimentações

Autores

  • Eduardo Ritter Universidade Federal de Santa Maria/Professor adjunto

DOI:

https://doi.org/10.5216/ci.v21i1.42276

Palavras-chave:

Jornalismo. Literatura. Narrativa. História. Metodologia.

Resumo

Nos anos 1960 surgiu nos Estados Unidos um grupo de jornalistas que adotaram um estilo que ficou conhecido como New Journalism por utilizar no texto jornalísticos elementos da literatura e da narrativa ficcional. Inspirados no glamour da literatura, eles encontraram no jornalismo uma forma de se tornar escritor. Quase 50 anos depois, Boynton (2005), também nos Estados Unidos, apresenta a proposta de inverter os papeis: se valer da literatura para se fazer jornalismo. É o repórter colocando o jornalismo em primeiro plano. Para tanto, Boynton entrevistou diversos novos jornalistas literários para revelar os seus métodos e técnicas. Baseado nessas entrevistas, o presente artigo tem o objetivo de analisar esse cenário que surge em uma sociedade totalmente informatizada. Para tanto, utiliza-se a pesquisa bibliográfica, tendo como metodologia a perspectiva do ensaio como forma, de Theodor Adorno. Ao contrário do que é esperado e imaginado pelos tecnófilos do jornalismo, os métodos e técnicas utilizados pelos jornalistas literários contemporâneos seguem priorizando o contato pessoal e a entrevista em profundidade.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Eduardo Ritter, Universidade Federal de Santa Maria/Professor adjunto

Eduardo Ritter é professor adjunto da Universidade Federal de Santa Maria (UFSM), campus Frederico Westphalen. Doutor e mestre em Comunicação Social pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUCRS) com estágio doutoral na New York University (NYU). Jornalista graduado pela Unijuí-RS.

Referências

ADORNO, T. O ensaio como forma. In: ADORNO, T. Notas de literatura I. São Paulo: Editora 34, 2003.p. 15-45.

ARISTÓTELES. Poética. São Paulo: Nova Cultural, 1999.

BENJAMIN, W. Obras escolhidas – Magia e técnica, arte e política. V1. São Paulo: Brasiliense, 2012.

BOYNTON, R. The new new journalism. New York: Random House, 2005.

BULHÕES, M. Jornalismo e literatura em convergência. São Paulo: Ática, 2007.

CAPOTE, T. A sangue frio. São Paulo: Companhia das Letras, 2003.

CHILLÓN, L. Literatura i periodisme: literatura periodística i periodisme literari en el temps de la post-ficció. Alacant: Secretariat de Publicacions de la Universitat d'Alacant; Castelló: Publicacions de la Universitat Jaume I; València: Universitat de València, 1993.

FEYERABEND, P. Contra o método. Rio de Janeiro: Editora Unesp, 2003.

GENETTE, G. Discurso da narrativa. Lisboa: Vega, 1995.

HOHLFELDT, A. MARTINO, L. C; FRANÇA, V. V. (Org.). Teorias da comunicação: conceitos, escolas e tendências. Petrópolis: Vozes, 2002.

JORNALISTAS brasileiros entrevistam Tom Wolfe. Revista Magis, São Leopoldo: Unisinos, n. 4, p. 40-45, out./nov. 2009.

KRAKAUER, J. Na natureza selvagem. São Paulo: Companhia das Letras, 1998.

LIMA, E. P. Páginas ampliadas. Barueri: Manole, 2009.

LODGE, D. A arte da ficção. Porto Alegre. L&PM, 2011.

McKEEN, W. Outlaw journalist – the life and times of Hunter S. Thompson. New York: W.W. Norton & Company, 2008.

MARTINEZ, M. Jornalismo literário: um gênero em expansão. Revista Intercom. 2009. Disponível em: http://www.portcom.intercom.org.br/revistas/index.php/revistaintercom/article/viewFile/267/260. Acesso em 20 de junho de 2014.

MINAYO, M. C. de S. (org.) Pesquisa social – teoria, método e criatividade. Petrópolis: Vozes, 1994.

REESE, J. The early muckrakers: Nellie BLy, Lincoln Steffens, Upton Sinclair, Ray Stannard Baker, et al. Webster's Digital. New Delhi: 2010a.

REIS, C. O conhecimento da literatura: introdução aos estudos literários. Porto Alegre: Edipucrs, 2003.

SILVA, J. M. O que pesquisar quer dizer – como fazer textos acadêmicos sem medo da ABNT e da Capes. Porto Alegre: Sulina, 2011.

TALESE, G. A mulher do próximo. São Paulo: Companhia das Legras, 2002.

TALESE, G. Vida de escritor. São Paulo: Companhia das Letras, 2009.

TALESE, G. Assista à íntegra da entrevista com Gay Talese. 2009. Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=wJSDNmhoLhE. Acesso: 5 de maio de 2014.

TEIXEIRA, E. As três metodologias. Petrópolis: Vozes, 2005.

WOLFE, T. Radical chique e o novo jornalismo. São Paulo: Companhia das Letras, 2005.

Downloads

Publicado

13-06-2018

Como Citar

RITTER, E. Novos jornalistas literários: métodos, técnicas e experimentações. Comunicação & Informação, Goiânia, Goiás, v. 21, n. 1, p. 20–36, 2018. DOI: 10.5216/ci.v21i1.42276. Disponível em: https://revistas.ufg.br/ci/article/view/42276. Acesso em: 25 jan. 2022.

Edição

Seção

Artigos