Pensamentos sobre a vivência da privacidade no Facebook

Autores

  • Eliane Cristina de Freitas Rocha Universidade Federal de Minas Gerais
  • Camila de Fátima Pereira

DOI:

https://doi.org/10.5216/ci.v20i2.39218

Palavras-chave:

Facebook. Privacidade. Intimidade.

Resumo

Este artigo aborda a privacidade no Facebook por meio de discussões teóricas e filosóficas (com destaque para Arendt, Huizinga e Bauman), e por análise de dados empíricos coletados entre usuários da ferramenta por questionários e entrevistas. A empresa Facebook tem amplo acesso aos dados publicados pelos usuários, mas não os compartilha de maneira individualizada. Usuários adotam medidas contraditórias para protegerem sua privacidade: embora eles queiram preservar a intimidade por meio de autocensura, eles não são conscientes do uso que o Facebook faz de seus dados e não têm absoluto controle da visibilidade de seus perfis e postagens.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Eliane Cristina de Freitas Rocha, Universidade Federal de Minas Gerais

Professora da Escola de Ciência da Informação da UFMG

Doutora em Ciência da Informação (UFMG) e Mestra em Comunicação Social (UFMG)

Camila de Fátima Pereira

Bacharel em Sistemas de Informação, Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais

Referências

ARENDT, H. A condição humana. 6 ed. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 1993.

BARKHUUS, L. The Mismeasurement of Privacy: Using Contextual Integrity to Reconsider Privacy in HCI. In: CONFERENCE ON HUMAN FACTORS IN COMPUTING SYSTEMS, CHI’12., 2012. Proceedings… SIGCHI-ACM, Austin, Texas, USA, p. 367-376.

BAUMAN, Z. Em busca da política. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed, 2010.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil. 1988.

FACEBOOK. Política de dados. 2013. Disponível em <https://www.facebook.com/full_data_use_policy> Acesso em dez 2014.

FERRAZ, M. C. F. Reconfigurações do público e do privado – Mutações da sociedade tecnológica contemporânea. In: ENCONTRO ANUAL DA ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO EM COMUNICAÇÃO (COMPOS), 10., 2001, Brasília. Anais... Compós, 2001.

GILL, A. J. et al. Privacy Dictionary: A Linguistic Taxonomy of Privacy for Content Analysis. In: CONFERENCE ON HUMAN FACTORS IN COMPUTING SYSTEMS, CHI 2011., 2011., Vancouver, Candada Proceedings… ACM-SIGCHI.

GOMES, J. C. L. Marcuse: tecnologia e liberdade no mundo administrado. Síntese, Belo Horizonte, v. 29, n. 93, p.237-250, 2002.

GONZÁLEZ-TERUEL, A.; BARRIOS-CERREJÓN, M. Métodos y técnicas para la investigación del comportamiento informacional: Fundamentos y nuevos desarrollos. Gijón-Asturias: Ediciones TREA, S. L.,. 2012.

HUIZINGA, J. Homo Ludens: o jogo como elemento de cultura. São Paulo: Perspectiva, 2004.

ITU – International Telecomunication Union. Measuring the Information Society Report. 2014. Disponível em << http://www.itu.int/en/ITU-D/Statistics/Documents/publications/mis2014/MIS2014_without_Annex_4.pdf >>Acesso em jan 2015.

LIVINGSTONE, S. Oportunidades arriscadas na criação de conteúdo jovem: o uso pelos adolescentes de sites de redes sociais para intimidade, privacidade e expressão própria. Comunicação, mídia e consumo. São Paulo, v . 9 n.2 p. 91-118, ago.2012.

MELO, H.S. Comunicação mediada por computador e privacidade. 2006. Tese (Doutorado em Comunicação) - Universidade Federal do Rio de Janeiro, ECO. Rio de Janeiro.

PAESANI, L.M. Direito e Internet: Liberdade de informação, privacidade e responsabilidade Social. São Paulo: Atlas, 2012.

PEREIRA, M. N. F. et al. A aplicação da técnica do incidente crítico em estudos de usuários da informação técnico-científica: uma abordagem comparativa. In: FOSKET, D. J. et al. A contribuição da psicologia para o estudo dos usuários da informação técnico-científica. Rio de Janeiro: Calunga, 1980.

PEREIRA JUNIOR, M. P. et al. Navegar impreciso: a privacidade no facebook vivenciada por seus usuários. In: Simpósio Brasileiro de Sistemas de Informação, 9., 2013, João Pessoa. Anais... SBC: Porto Alegre, 2013.

RECUERO, R. Redes sociais na internet. Porto Alegre: Sulina, 2009.

ROSA, G. A. M.; SANTOS, B. R.. Facebook e nossas identidades virtuais. Thesaurus, 2013.

SILVA, T. T.. O panóptico. Belo Horizonte: Autêntica, 2000.

THOMPSON, J. B. A mídia e a modernidade: uma teoria social da mídia. Petrópolis: Vozes, 1998.

TRIVINHO, E. 2005. Introdução à dromocracia cibercultural: contextualização sociodromológica da violência invisível da técnica e da civilização mediática avançada. Revista FAMECOS, Porto Alegre, n.28, dez 2005.

ZEPHORIA. The Top 20 Valuable Facebook Statistics. Out 2014. Disponível em < https://zephoria.com/social-media/top-15-valuable-facebook-statistics/> Acesso em jan 2015.

Downloads

Publicado

30-11-2017

Como Citar

ROCHA, E. C. de F.; PEREIRA, C. de F. Pensamentos sobre a vivência da privacidade no Facebook. Comunicação &amp; Informação, Goiânia, Goiás, v. 20, n. 2, p. 4–24, 2017. DOI: 10.5216/ci.v20i2.39218. Disponível em: https://revistas.ufg.br/ci/article/view/39218. Acesso em: 27 jan. 2022.

Edição

Seção

Artigos