A guitarra e o martelo: uma crítica nietzschiana à religião enquanto agenciamento moral no filme Tommy

Autores

  • Roberto Corrêa Scienza Universidade Estadual de Londrina (UEL)
  • Silvio Demétrio Universidade Estadual de Londrina (UEL)

DOI:

https://doi.org/10.5216/ci.v19i1.36987

Palavras-chave:

Religião. Moral. Nietzsche. Tommy. The Who.

Resumo

Pretende-se desenvolver uma análise fílmica, sob as diretrizes de Jacques Aumont e Michel Marie, de Tommy – filme musical, de 1975, dirigido por Ken Russell, baseado no álbum/ópera rock homônimo da banda britânica The Who – com o intuito de desvelar uma crítica à religião enquanto agenciamento moral. Para estabelecer as bases filosóficas desse problema moral, recorre-se, respectivamente, ao filósofo alemão Friedrich Wilhelm Nietzsche e aos filósofos franceses Gilles Deleuze e Michel Foucault. Desvela-se, a partir da análise fílmica de Tommy, a seguinte crítica: a religião, por meio de seus dogmas; da alienação; da castração dos sentidos e instintos; do conforto no ressentimento; cria uma estrutura autista em quem a experiencia, impedindo o exercício da vontade de potência e o Amor fati.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ALÓS, A. P. Texto literário, texto cultural, intertextualidade. Revista Virtual de Estudos da Linguagem – ReVEL., São Paulo, v. 4, n. 6, p. 1-25, mar. de 2006.

AUMONT, J.; MARIE, M. A Análise do Filme. Lisboa: Armand Colin, 2013.

BIBLÍA. N. T. João. Português. Santa Bíblia. Tradução de João Ferreira de Almeida. [S.l, s.n.], 2006. Publicação eletrônica. cap. 8, vers. 12. Disponível em: <http://www.ebooksbrasil.org/adobeebook/biblia.pdf>. Acesso em: 15 jul. de 2015.

BOSI, A. O ser e o tempo da poesia. São Paulo: Cultrix, 1977.

CASTRO, J. C. Sujeito, Desejo e Identidade no discurso da histeria. In: SIMPÓSIO NACIONAL DISCURSO, IDENTIDADE E SOCIEDADE (SIDIS), 3., 2012, Campinas. Anais... Campinas: 2012.

DELEUZE, G. Nietzsche e a Filosofia. Rio de Janeiro: Editora Rio, 1976.

DELEUZE, G.; PARNET, C. Diálogos. Valencia: PRÉ-TEXTOS, 1980.

DURVAL, R. As esquizofrenias segundo Eugen Bleuler e algumas concepções do século XXI. Revista RevPsiq., São Paulo, v. 25, 2011. Número Especial.

FOUCAULT, M. As palavras e as coisas. 8. ed. São Paulo: Martins Fontes, 2000.

FOUCAULT, M. História da Sexualidade II: o uso dos prazeres. 8. ed. Rio de Janeiro: Graal, 1998.

FREUD, S. Sobre o mecanismo psíquico dos fenômenos histéricos: comunicação preliminar (Breuer e Freud). Rio de Janeiro: Imago, 1987. v. 2, p. 41-53. Edição Standard Brasileira das Obras Psicológicas Completas de Sigmund Freud.

HODGART, M. La sátira. Madrid: Guadarrama, 1969.

NIETZSCHE, F. A gaia ciência. São Paulo: Martin Claret, 2003.

NIETZSCHE, F. Assim falava Zaratustra. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2012a.

NIETZSCHE, F. Ecce homo: Como alguém se torna o que é. São Paulo: Companhia das Letras, 2008b.

NIETZSCHE, F. Genealogia da moral: uma polêmica. São Paulo: Companhia das Letras, 2008a.

NIETZSCHE, F. O crepúsculo dos ídolos ou a filosofia a golpes de martelo. Curitiba: Hemus, 2001.

NIETZSCHE, F. Para além do bem e do mal. São Paulo: Martin Claret, 2011.

NIETZSCHE, F. Vontade de Potência: ensaio de uma transmutação de todos os valores. 2012b.

PASCHOAL, A. As formas do ressentimento na filosofia de Nietzsche. PHILÓSOPHOS: Goiânia, v. 13, n. 1, p. 11-33, jan./jun. 2008.

PERNIOLA, M. Contra a comunicação. Lisboa: Editorial Teorema, 2005.

SCHÖPKE, R. Por uma filosofia da diferença: Gilles Deleuze, o pensador nômade. Rio de Janeiro: Contraponto / São Paulo: Edusp, 2004.

THE story of the who. The who, hists 50!, Estados Unidos, [s.d.]. Disponível em: <http://thewho.com/history/>. Acesso em: 13 jul. 2015.

TOMMY. Direção: Ken Russell. LW Editora. Reino Unido, 1975, 111 min: son., color.

ZOURABICHVILI, F. O vocabulário de Deleuze. Rio de Janeiro: Centro Interdisciplinar de Estudo em Novas Tecnologias e Informação, 2004.

Downloads

Publicado

2016-10-11

Como Citar

CORRÊA SCIENZA, R.; DEMÉTRIO, S. A guitarra e o martelo: uma crítica nietzschiana à religião enquanto agenciamento moral no filme Tommy. Comunicação & Informação, Goiânia, Goiás, v. 19, n. 1, p. 105–122, 2016. DOI: 10.5216/ci.v19i1.36987. Disponível em: https://revistas.ufg.br/ci/article/view/36987. Acesso em: 1 mar. 2024.

Edição

Seção

Artigos