A divulgação científica nas universidades do grande ABC: inovações ou repetições de formatos?

Autores

  • Arquimedes Pessoni Universidade Municipal de São Caetano do Sul

DOI:

https://doi.org/10.5216/ci.v19i1.36973

Palavras-chave:

Comunicação. Inovação. Divulgação Científica. Universidades.

Resumo

A divulgação científica é tão antiga quanto a própria ciência e, ao longo da história, os formatos de divulgação foram evoluindo, acompanhando o progresso das ciências e da tecnologia. As universidades, geradoras de conhecimento e propulsoras de pesquisa, têm importante papel na divulgação científica e fortalecimento desta cultura. O presente trabalho buscou investigar a atuação das universidades do Grande ABC (Universidade Metodista de São Paulo, Universidade Municipal de São Caetano do Sul e Universidade Federal do ABC) no cenário da divulgação científica. O problema da pesquisa está em encontrar as ações de comunicação realizadas pelas universidades para essa atividade. Por meio de pesquisa exploratória, de natureza qualitativa, com utilização da análise documental e entrevistas com Pró-Reitores de Pesquisa, de Extensão e profissionais de comunicação foi possível inferir alguns resultados da pesquisa como: a divulgação científica está nas diretrizes organizacionais de todas universidades analisadas; entrevistados ressaltam a todo momento a importância dessa atividade e a obrigação de realizá-la de forma inovadora, com o objetivo de atingir seus públicos. Porém, as ações práticas não confirmam esse discurso, pois ainda são muito incipientes. Como conclusão, é possível apontar a fraca cultura de divulgação científica dentro das universidades do Grande ABC e o importante papel da comunicação organizacional para o fortalecimento desta.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Arquimedes Pessoni, Universidade Municipal de São Caetano do Sul

Mestre e Doutor em Comunicação Social e professor do programa de Pós-Graduação da Universidade Municipal de São Cetano do Sul (SP). Pós-doutor em Medicina pela Faculdade de Medicina do ABC (SP).

Referências

BUENO, W. C. O jornalismo científico no Brasil: os desafios de uma longa trajetória. In: PORTO, C. M. (Org). Difusão e cultura científica: alguns recortes. Salvador: EDUFBA, p. 113-125, 2009.

COSTA, M. C. R.; BORTOLIERO, S. O jornalismo científico na Bahia: a experiência da seção “observatório” do jornal A Tarde. Diálogos e Ciência: Revista da Rede de Ensino FTC, Salvador, v. 1 n. 12, 2010.

DELEUZE, G. Diferença e repetição. Rio de Janeiro: Graal, 1988.

DURANT, J. O que é alfabetização científica? In: MASSARANI, L.; TURNEY, J.;

MOREIRA, I. C. (Org.) Terra incógnita: a interface entre ciência e público. Rio de Janeiro: Vieira & Lent, UFRJ, Casa da Ciência, Fiocruz, 2005.

EPSTEIN, I. Divulgação científica – 96 verbetes. São Paulo: Pontes, 2002.

FAPESP. Auxílios e bolsas apoiados pela FAPESP. São Paulo, SP, 2015. Disponível em: <http://www.bv.fapesp.br/pt/>. Acesso em: 14 mar. 2015.

HAGUETTE, T. M. F. Metodologias qualitativas na Sociologia. 5. ed. Petrópolis: Vozes, 1997.

LEITE, M. Ciência: use com cuidado. Campinas: Editora da Unicamp, 2008.

PECHULA, M. R; GONÇALVES, E.; CALDAS, G. Divulgação científica: discurso, mídia e educação. Controvérsias e perspectivas. Redes. Com., Brasília, n. 7, p. 43-59, 2013.

ROSSETTI, R. Categorias de inovação para os estudos em Comunicação. Comunicação & Inovação, São Caetano do Sul, v. 14, n. 27, p. 63-72, jul./dez, 2013.

SAGAN, C. O mundo assombrado pelos demônios. São Paulo: Companhia das Letras, 2006.

VOGT, C. A espiral da cultura científica. Cultura científica, São Paulo, 2003. Disponível em: <http://www.comciencia.br/reportagens/cultura/cultura01.shtml>. Acesso em: 10 abr. 2015

UNIVERSIDADE Metodista de São Paulo, São Paulo, 2012. Disponível em:

http://portal.metodista.br>. Acesso em: 15 abr. 2015.

UNIVERSIDADE Federal do ABC, São Paulo, 2012. Disponível em:. Acesso em: 13 abr. 2015.

Downloads

Publicado

2016-10-11

Como Citar

PESSONI, A. A divulgação científica nas universidades do grande ABC: inovações ou repetições de formatos?. Comunicação & Informação, Goiânia, Goiás, v. 19, n. 1, p. 87–104, 2016. DOI: 10.5216/ci.v19i1.36973. Disponível em: https://revistas.ufg.br/ci/article/view/36973. Acesso em: 21 jul. 2024.

Edição

Seção

Artigos