Risco e insegurança no Correio do Povo e Zero Hora: a construção de sentidos relacionados às drogas

Autores

  • Isabel Padilha Guimarães Universidade Federal de Santa Maria (UFSM). Santa Maria. Rio Grande do Sul (RS)
  • Anelise Schütz Dias Universidade Federal de Santa Maria (UFSM). Santa Maria. Rio Grande do Sul (RS)

DOI:

https://doi.org/10.5216/32084

Palavras-chave:

drogas, risco, discursos da violência, individualização das vítimas

Resumo

O presente trabalho tem como objetivo identificar os sentidos de risco e insegurança contidos no discurso dos jornais impressos Zero Hora e Correio do Povo nos textos que fazem referência ao consumo e à circulação de drogas ilícitas no Rio Grande do Sul. O aporte-teórico metodológico utilizado neste artigo é o da Análise do Discurso de linha francesa e como categorias de observação foram aplicados os conceitos de risco, discursos da violência e individualização das vítimas, extraídos da obrados teóricos Paulo Vaz, Roberto Damatta e Robert Reiner. Ao todo, foram selecionadas 19 matérias de ambos os jornais, a partir do marcador “drogas”. Na maioria delas, os discursos se estruturam em torno da segurança pública, da criminalidade e do desvio social. Além disso, as fontes institucionais, vinculadas aos órgãos de repressão, apareceram em recorrência e colaboraram na construção de sentidos como risco e insegurança, além de contribuírem para o reforço estereótipos criminais.

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Isabel Padilha Guimarães, Universidade Federal de Santa Maria (UFSM). Santa Maria. Rio Grande do Sul (RS)

Doutorado em Comunicação Social pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUCRS), Professora na Universidade Federal de Santa Maria (UFSM), Brasil, Rio Grande do Sul, Santa Maria.

Anelise Schütz Dias, Universidade Federal de Santa Maria (UFSM). Santa Maria. Rio Grande do Sul (RS)

Mestranda na linha de Mediações e Representações Culturais e Políticas do Programa de Pós Graduação em Comunicação e Informação (PPGCOM) da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), Brasil, Rio Grande do Sul, Santa Maria.

Referências

DAMATTA, R. Conta de mentiroso: sete ensaios de antropologia brasileira. Rio de Janeiro: Rocco, 1993.

JOVCHELOVITCH, S. Psicologia, saber, comunidade e cultura. Psicologia e Sociedade, Porto Alegre, v. 16. n. 2, p. 20-31, 2004.

JOVCHELOVITCH, S. Representações sociais e esfera pública: a construção simbólica dos espaços públicos no Brasil. Petrópolis: Vozes, 2000.

MUSUMECI, L. Estatísticas de segurança: para que servem e como usá-las. In: RAMOS, S., RAMOS, S., PAIVA, A. Mídia e violência: tendências na cobertura de criminalidade e segurança no Brasil. Rio de Janeiro: IUPERJ, 2007. p. 151- 176.

ORLANDI, E. Análise de discurso: princípios e procedimentos. Campinas: Pontes, 2009.

REINER, R. Media made criminality: the representation of crime in the mass media. In: REINER, R.; MAGUIRE, M.; MORGAN, R. (Orgs). The Oxford Handbook of Criminology. Oxford University Press, Oxford, UK, 2012.

RODRIGO, A. M. A construção da notícia. Petrópolis: Ed. Vozes, 2009.

SILVA, J. A violência da Mídia. In: RAMOS, S., PAIVA, A. Mídia e violência: tendências na cobertura de criminalidade e segurança no Brasil. Rio de Janeiro: IUPERJ, 2007, p. 93-97.

VAZ, P. Risco e Justiça. In: TERESA CRISTINA B. (Org.), Michel Foucault: entre o murmúrio e a palavra. Campos: Faculdade de Direito de Campos, 2004, p. 101-131.

WELCH, M.; FENWICK, M.; ROBERTS, M. State Managers, intellectuals, and the media: a content analysis of ideology in experts’ quotes in feature newspaper articles on crime. Justice Quarterly, Estados Unidos, v. 15, p. 219-241, 1998.

Downloads

Publicado

2015-06-15

Como Citar

GUIMARÃES, I. P.; DIAS, A. S. Risco e insegurança no Correio do Povo e Zero Hora: a construção de sentidos relacionados às drogas. Comunicação & Informação, Goiânia, Goiás, v. 18, n. 1, p. 07–20, 2015. DOI: 10.5216/32084. Disponível em: https://revistas.ufg.br/ci/article/view/32084. Acesso em: 18 maio. 2022.

Edição

Seção

Artigos