O poder do Terceiro Setor: a teoria do agendamento às avessas

Autores

  • Willian Silva Bonfim Universidade Estadual de Goiás (UEG)

DOI:

https://doi.org/10.5216/c&i.v4i1/2.24020

Palavras-chave:

Jornalismo. Responsabilidade social. Agenda Setting.

Resumo

 

Entender o papel dos News Promoters na construção social da notícia, com relevância às fontes como um dos fatores-chave na definição do Agenda Setting, a partir da relação de organismos do Terceiro Setor com o jornalismo impresso, é o objetivo central deste trabalho. A luz do conceito de enquadramento, utilizado por Erving Goffman, o autor analisou uma série especial de cinco reportagens sobre o tema Responsabilidade Social das Empresas, publicadas no jornal O Popular, maior jornal de circulação em Goiás, em dias alternados de abril a maio de 2002. A análise de conteúdo das reportagens sobre Cidadania Empresarial evidenciou o enquadramento apriori engendrado pelo Instituto Ethos e reproduzido por O Popular. O estudo de caso concluiu que é preciso recolocar em xeque o poder do jornalismo, tão aclamado pela Teoria do Agendamento, retomando as questões colocados por Mawell E. MacCombs e Donald Shaw, pioneiros nos estudos de agendamento: "são os próprios media a estabelecer a agenda ou estes apenas refletem uma agenda estabelecida pelas suas fontes de informação?"

 

 

 

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Willian Silva Bonfim, Universidade Estadual de Goiás (UEG)

Jornalista, professor da UEG e aluno do curso de mestrado em comunicação da Universidade de Brasília (UnB).

Downloads

Publicado

2013-05-03

Como Citar

BONFIM, W. S. O poder do Terceiro Setor: a teoria do agendamento às avessas. Comunicação & Informação, Goiânia, Goiás, v. 4, n. 1/2, p. 73–92, 2013. DOI: 10.5216/c&i.v4i1/2.24020. Disponível em: https://revistas.ufg.br/ci/article/view/24020. Acesso em: 23 maio. 2022.

Edição

Seção

Artigos