Ilusão e experiência: a virtualização no pensamento de Pierre Lévy

Autores

  • Denise da Costa Oliveira Siqueira Universidade Estadual do Rio de Janeiro (UERJ).
  • Pollyana Coelho da Silva Notargiacomo Universidade de São Paulo (USP)

DOI:

https://doi.org/10.5216/c&i.v3i2.22872

Palavras-chave:

Virtualização. Contemporaneidade. Novas tecnologias. Comunicação.

Resumo

 

Artigo abordando a noção de virtualização na contemporaneidade a partir do pensamento do filósofo francês Pierre Lévy e de exemplos de filmes e romance amplamente divulgados por meios de comunicação.Tema caro à filosofia, a virtualização é tratada hoje em diversos campos do saber e divulgada pelos meios de comunicação de massa,sendo relacionada à globalização da economia e às chamadas novas tecnologias. Essa valorização faz sentido em um período histórico no qual modos de conhecimento e estilos de regulação social ainda pouco estabilizados ganham espaço. Embora exigindo maneiras de pensar diferentes, as novas tecnologiasnão provocam ruptura nos modos de transmissão de conhecimento,mas integram-se em um processo que continua incluindo elementosda oralidade, da escrita e da impressão - organizados em uma novaperspectiva. No entanto, por vezes, nesse contexto virtual se tornasinônimo de ilusão e virtualização, de forma ilusória de experimentar. Mas originalmente não eram esses os significados dos termos.

 

 

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Denise da Costa Oliveira Siqueira, Universidade Estadual do Rio de Janeiro (UERJ).

Professora da UERJ, doutoranda em Comunicação na ECA/USP, autorade A ciência na televisão: mito, ritual e espetáculo.

Pollyana Coelho da Silva Notargiacomo, Universidade de São Paulo (USP)

Professora de Informática Educacional do Mackenzie, doutoranda em Educação na FE/USP.

Downloads

Publicado

2013-02-28

Como Citar

SIQUEIRA, D. da C. O.; NOTARGIACOMO, P. C. da S. Ilusão e experiência: a virtualização no pensamento de Pierre Lévy. Comunicação & Informação, Goiânia, Goiás, v. 3, n. 2, p. 181–196, 2013. DOI: 10.5216/c&i.v3i2.22872. Disponível em: https://revistas.ufg.br/ci/article/view/22872. Acesso em: 26 maio. 2022.

Edição

Seção

Artigos