O Boletim da Pastoral na "Zona" de Campinas

Autores

  • Bruno Fuser Pontifícia Universidade Católica de Campinas (PUC-Campinas).
  • Juliana Aparecida Ramos Pontifícia Universidade Católica de Campinas (PUC-Campinas).

DOI:

https://doi.org/10.5216/c&i.v3i2.22871

Palavras-chave:

Igreja e comunicação. Jornalismo comunitário.

Resumo

A ação da Pastoral da Mulher Marginalizada de Campinas, centrada no bairro Jardim Itatinga, uma das maiores "zonas" de prostituição da América Latina, é caracterizada pelo resgate da cidadania e a busca de inserção da mulher prostituída no meio social de modo crítico, atuante e transformador. Transcendendo a ação assistencial - que também é realizada, por meio de cursos profissionalizantes -, as irmãs da Congregação do Bom Pastor procuram abordar a prostituição segundo o enfoque de que a mulher é vítima da sociedade, por não ter outra alternativa de sobrevivência. Na produção do informativo Cinta Liga - com o apoio da disciplina Jornalismo Sindical e Comunitário, da PUC-Campinas -, a Pastoral repete o comportamento apontado por pesquisadores, segundo os quais o autoritarismo da Igreja Católica acaba reproduzindo os modelos da comunicação de massa, embora com um conteúdo diferenciado.

 

 

 

 

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Bruno Fuser, Pontifícia Universidade Católica de Campinas (PUC-Campinas).

Doutor em Ciências da Comunicação - ECA/USP e professor titular da PUC-Campinas.

Juliana Aparecida Ramos, Pontifícia Universidade Católica de Campinas (PUC-Campinas).

Bolsista PIBIC/CNPq - PUC-Campinas.

Downloads

Publicado

2013-02-28

Como Citar

FUSER, B.; RAMOS, J. A. O Boletim da Pastoral na "Zona" de Campinas. Comunicação & Informação, Goiânia, Goiás, v. 3, n. 2, p. 160–177, 2013. DOI: 10.5216/c&i.v3i2.22871. Disponível em: https://revistas.ufg.br/ci/article/view/22871. Acesso em: 24 jun. 2022.

Edição

Seção

Artigos