Entre o racismo ambiental, a pobreza e a resistência: um estudo etnográfico crítico em um território urbano periférico

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5216/ag.v17i2.73945

Resumo

O objetivo deste estudo é apontar como a população vivendo em um território periférico urbano vivencia a dificuldade de acesso às políticas públicas e garantia de direitos em contextos marcados pelo racismo ambiental e a desigualdade. O foco da análise é a comunidade Braúnas na cidade Ribeirão das Neves em Minas Gerais. As pessoas, há anos, vivem nesse local em meio aos problemas socioambientais causados por uma fábrica de tecidos. Foi realizada uma pesquisa descritiva e qualitativa. Trata-se de uma etnografia crítica e social apoiada na teoria do racismo ambiental. A etnografia na comunidade evidencia que a presença do Poder Público no território é precária, inconstante, não sistemática e marcada por problemas estruturais e conjunturais, além de se traduzir em queixas dos cidadãos, que sofrem com a poluição e a contaminação do curso d’água próximo, causadas pelos dejetos da empresa de tecidos.

Palavras-chave: Desigualdade. Racismo. Políticas urbanas. Sustentabilidade. Etnografia Crítica.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

2023-08-20

Como Citar

CAROLINO, A. R.; FERREIRA, C. A. A.; TEODÓSIO, A. dos S. de S. Entre o racismo ambiental, a pobreza e a resistência: um estudo etnográfico crítico em um território urbano periférico . Ateliê Geográfico, Goiânia, v. 17, n. 2, p. 115–132, 2023. DOI: 10.5216/ag.v17i2.73945. Disponível em: https://revistas.ufg.br/atelie/article/view/73945. Acesso em: 1 mar. 2024.

Edição

Seção

Artigos