Utopías y distopías residenciales en México - DOI 10.5216/ag.v2i1.3900

Autores

  • Liliana López Levi Universidad Autónoma Metropolitana. Xochimilco

DOI:

https://doi.org/10.5216/ag.v2i1.3900

Resumo

O presente trabalho faz uma análise, desde a perspectiva cultural, dos condominios fechados para a classe média no México, a partir da teoria dos imaginários. Ditas urbanizações apresentam-se como alternativas em frente a um espaço urbano caótico e perigoso. No entanto, trata-se de uma simulação que, uma vez vivida perde parte de seu encanto e faz com que a utopia proposta se converta num espaço ideal, inexistente na realidade. Para abordar o fenômeno, estudam-se dois desenvolvimentos inmobiliarios pertencentes ao mesmo promotor, mas em duas cidades da República Mexicana, distantes uma da outra: Tijuana e Cidade de México. Palavras-Chave: utopias, distopías, imaginários, condominios fechados, México

Downloads

Não há dados estatísticos.

Publicado

2008-05-10

Como Citar

LEVI, L. L. Utopías y distopías residenciales en México - DOI 10.5216/ag.v2i1.3900. Ateliê Geográfico, Goiânia, v. 2, n. 1, p. 1–17, 2008. DOI: 10.5216/ag.v2i1.3900. Disponível em: https://revistas.ufg.br/atelie/article/view/3900. Acesso em: 14 jul. 2024.

Edição

Seção

Artigos