Queijo de coalho caseiro: a tradição como ativo territorial no município de Porto da Folha - DOI 10.5216/ag.v6i3.21056

Autores

  • Sônia de Souza Mendonça Menezes Universidade Federal de Sergipe
  • José Natan Gonçalves da Silva Universidade Federal de Sergipe
  • Samuel dos Santos Colégio Estadual Manoel Messias Feitosa

DOI:

https://doi.org/10.5216/ag.v6i3.21056

Resumo

O consumo do queijo de coalho caseiro se apresenta como um referencial simbólico enraizado na alimentação do sertanejo. Esse alimento portava valor de uso consumido diariamente no meio rural. Após a década de 1970, alcançou valor de troca com a demanda do mercado consumidor urbano, alicerçada inicialmente pelos migrantes. Analisar a produção do queijo de coalho caseiro suas relações com a identidade sertaneja e a conformação de um ativo territorial no Município de Porto da Folha constitui o objetivo desse artigo. Como procedimento metodológico iniciamos com a revisão bibliográfica aliada à pesquisa de campo, em seguida foram analisadas as informações. Constatamos que para além do valor simbólico a produção desse alimento representa uma estratégia de sobrevivência para os atores sociais e principal fonte de renda diante das adversidades ambientais vivenciadas pelos agricultores no Sertão sergipano.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Sônia de Souza Mendonça Menezes, Universidade Federal de Sergipe

Professor do curso de Geografia do Instituto de Estudos Socioambientais da UFG.

Downloads

Publicado

2012-11-14

Como Citar

MENEZES, S. de S. M.; SILVA, J. N. G. da; SANTOS, S. dos. Queijo de coalho caseiro: a tradição como ativo territorial no município de Porto da Folha - DOI 10.5216/ag.v6i3.21056. Ateliê Geográfico, Goiânia, v. 6, n. 3, p. 52–71, 2012. DOI: 10.5216/ag.v6i3.21056. Disponível em: https://revistas.ufg.br/atelie/article/view/21056. Acesso em: 18 jul. 2024.

Edição

Seção

Artigos