HUTUKARA

Entre a pele e a casca

Autores

  • Joelma Araújo Universidade Federal do Espírito Santo, UFES, Vitória, Espírito Santo, Brasil, pornosascorpas@gmail.com
  • Marcela Cavallini Universidade Federal do Rio de Janeiro, UFRJ, Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, BRasil, marcelademacedo@gmail.com
  • Sofia Mussolin Universidade Federal Fluminense, UFF, Niterói, Rio de Janeiro, BRasil, sofiagmussolin@gmail.com

DOI:

https://doi.org/10.5216/ac.v9i1.77616

Resumo

O presente artigo visa destrinchar o processo de concepção da vídeo-cena “Hutukara: Entre a Pele e a Casca”, através do aprofundamento das diversas manifestações artísticas presentes na obra e seus enlaces. Concebido, primeiramente, através do coletivo  formado no Ateliê de dança “Nós” e depois transformado em linguagem audiovisual, a obra perpassa tanto o trabalho corporal diante de incentivos multiespécies quanto pela fabulação, essa enquanto discurso de uma realidade menos direcionada a partição Natureza/Cultura e mais interessada em discutir o Antropoceno pelo viés do emaranhado de modos de vida. A obra lida com as mutações do corpo do Planeta Terra através de uma perspectiva que ressoa as múltiplas camadas entre sonho e realidade, bordadas na relação entre arte e sabedoria do povo Yanomami.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Joelma Araújo, Universidade Federal do Espírito Santo, UFES, Vitória, Espírito Santo, Brasil, pornosascorpas@gmail.com

Joelma Araújo é artista, economista, pesquisadora e educadora. Atuou como professora de Economia para graduação e curso técnico e como tutora da UAB em curso de Especialização em Gestão Pública. Em educação também tem atuado com o público infanto-juvenil e crianças e jovens portadores de deficiências intelectuais. Atua como professora de teatro. Como artista visual, participa de mutirões de graffiti, como Sereia Cyborg e também já realizou ilustração de livros. Performou e co-dirigiu a Videodança coletiva Hutukara: entre a pele e a casca, apresentada no 3° Festival Internacional de Ecoperformance (2023). Pesquisa o corpo como território em deslocamento com os territórios geográficos e assim vai (re)construindo sua identidade de mulher branca cis nordestina em trânsito.

Marcela Cavallini, Universidade Federal do Rio de Janeiro, UFRJ, Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, BRasil, marcelademacedo@gmail.com

Marcela Cavallini é performer e dançarina sudaka, professora de yoga. Cria modos de participação nas Artes, considerando os processos de criação, formalização e recepção, com intuito de articular redes de vinculações. Doutoranda em Artes Visuais na Escola de Belas Artes da Universidade Federal do Rio de Janeiro. Mestre no Programa de Pós-Graduação em Estudos Contemporâneos das Artes, da Universidade Federal Fluminense. Especialista em Ciência, Arte e Cultura na Saúde, pelo Instituto Oswaldo Cruz - FIOCRUZ. Licenciada em Dança pela Faculdade Angel Vianna e em Ciências Biológicas pela Universidade Federal Fluminense. Estudou no Programa Fundamentação EAV, do Parque Lage. Formou-se profissionalmente em Dança Contemporânea, pela Escola de Teatro e Dança Fafi-ES. Atualmente, está vinculada ao BRISA Lab com o projeto de pesquisa “Territórios Sensíveis: Baía de Guanabara”, financiada pela Prince Claus Fund e Instituto Goethe.

Sofia Mussolin, Universidade Federal Fluminense, UFF, Niterói, Rio de Janeiro, BRasil, sofiagmussolin@gmail.com

Sofia Mussolin é artista-pesquisadora com bacharelado em Imagem e Som, pela Universidade Federal de São Carlos (2017). Foi bolsista do Programa Jovens Talentos para a Ciência, com bolsa PIBID/CAPES. Selecionada no Programa Bolsas Luso-Brasileiras Santander Universidades, para Intercâmbio na Universidade de Coimbra (UC) – Portugal, no mestrado em Design e Multimédia e Estudos Artísticos (2014/15). Mestre pelo PPGAV/UFRJ (2019), com bolsa CNPq. Atualmente é Doutoranda no PPGCA/UFF (2020) com bolsa CAPES. Desenvolve investigação na intersecção fotografia, audiovisual e performance, com discussões acerca do Antropoceno, cosmologias e epistemologias do sul, em relação entre corpos sencientes, territórios e seus diálogos cosmopolíticos. Participa do BrisaLab/UFF e do Projeto de Pesquisa e Criação Artística “Territórios Sensíveis”, que tem apoio do Prince Claus Fund, Goethe Institut e FAPERJ. Atua desde 2013 entre direção de fotografia, roteiro e edição para cinema, exposições e residências artísticas coletivas e individuais no Brasil e no exterior.

Referências

AGAMBEN, G. O que é um dispositivo? Outra travessia, Florianópolis, n. 5, p. 9-16, jan. 2005.

ANZALDÚA, Gloria. A vulva é uma ferida aberta e outros ensaios. Trad. de Tatiana Nascimento. Rio de Janeiro: A Bolha, 2021.

BENJAMIN, Walter. Pequena história da fotografia. Trad. Sergio P. Rouanet. In: Magia e técnica, arte e política: ensaios sobre literatura e história da cultura. São Paulo: Brasiliense. [1931] 1994.

DAWSEY, J. C. Victor Turner e antropologia da experiência. Cadernos De Campo (São Paulo - 1991, 13(13),163-176, 2005. https://doi.org/10.11606/issn.2316-9133.v13i13p163-176

GIL, José. Movimento total: o corpo e a dança. [s. l.]: Relógio D'Água, 2001.

GIANOUKAS, Lindsay. Pele de Performer - Pensamento Poroso e Carne Expressiva - (Tese) Doutorado em Artes Cênicas. Programa de Pós-graduação em Artes Cênicas, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2020.

KRENAK, Ailton – A Potência do Sujeito Coletivo. Revista Periferias. Entrevista por Jailson de Souza e Silva. Disponível em https://revistaperiferias.org/materia/a-potencia-do-sujeito-coletivo-parte-i/. Acesso em 9 de julho de 2023.

KOPENAWA, David. Hutukara: Grito da Terra. Caderno de Leituras, n.130. Políticas da Terra. Disponível em: https://chaodafeira.com/wp-content/uploads/2021/07/cad130-kopenawa-hutukara.pdf. Acesso em: Jun. 2023.

HARTMAN, Saidiya. Vênus em dois atos. Rio de Janeiro: Revista Eco Pós - UFRJ, 2020

HARAWAY, Donna. Antropologia do ciborgue: as vertigens do pós-humano/ organização e tradução Tomaz Tadeu – 2. ed. – Belo Horizonte : Autêntica Editora, 2009.

HARAWAY, Donna. O Manifesto das espécies companheiras: Cachorros, pessoas e alteridade significativa / Donna Haraway ; trad Pê Moreira ; revisão técnica e pósfacio Fernando Silva e Silva. – 1. ed. – Rio de Janeiro: Bazar do Tempo, 2021.

KRENAK, Ailton . A Potência do Sujeito Coletivo. Entrevista por Jailson de Souza e Silva. Revista Periferias.Disponível em: <https://revistaperiferias.org/materia/a-potencia-do-sujeito-coletivo>. Acesso em: Jun 2023.

LAPOUJADE, David. As existências mínimas. São Paulo: n-1 edições, 2017.

LATOUR, Bruno. Reagregando o Social: uma introdução à Teoria do Ator-Rede. Trad. Gilson César Cardoso de Sousa. Salvador/Bauru: Edufba/Edusc, 2012.

LE GUIN, Ursula K. A teoria da bolsa de ficção / Ursula K. Le Guin; tradução de Luciana Chieregati, Vivian Chieregati Costa; introdução de Juliana Fausto; posfácio Luciana Chieregati. – São Paulo: n-1 edições, 2021.

LUNA, Luis Eduardo. Biosfera, Antropoceno e Animismo Ameríndio. Cadernos SELVAGEM. Publicação digital da Dantes Editora Biosfera, 2021.

MANNING, Erin. Artimanhas - coletividades emergentes e processos de individuação - andré Arias Fogliano de Souza Cunha, 2018 – Lugar comum.

MARGULIS, Lynn. O planeta simbiótico. Uma nova perspectiva da evolução. Rio de Janeiro: Rocco, 2001.

MARGULIS, Lynn. Viver nas ruínas: paisagens multiespécies no Antropoceno; Ed. Thiago Mota Cardoso, Rafael Victorino Devos. Brasília: IEB Mil Folhas, 2019.

MIGLIORIN, Cezar Avila. Eu sou aquele que está de saída: dispositivo, experiência e biopolítica no documentário contemporâneo / Cezar Ávila Migliorin. Rio de Janeiro, 2008. 279 p.

MIGNOLO, Walter D. Colonialidade: O lado mais escuro da modernidade. Revista Brasileira de Ciências Sociais, [online], v. 32, n. 94, pp. 1-18, jun. 2017.

PERETTA, Éden. Memórias e políticas do “corpo de carne no Ankoku Butô de Tatsumi Hijikata. Anais ABRACE, v. 13, n. 1, 2012.

RIBEIRO, Walmeri. Poéticas do outrar-se: a potênica de corpos porosos na criação de mundos possíveis. In: C. a. M. D. Nóbrega e M. L. P. G. Fragoso (Ed.). Hiperorgânicos. Arte, consciência e natureza. Rio de Janeiro: Editora Circuito, v.3, 2021.

STENGERS, Isabelle. Reativar o animismo. Trad. Jamille Pinheiro Dias. Cadernos de Leituras, n. 62. Belo Horizonte. Edições Chão da Feira. Maio de 2017.

VERDI, Lígia. Ohno: pai, mestre, inferno e paraíso. In: Os mestres do Butoh Japonês. Sesc/SP & Fundação Japão, 1994.

Downloads

Publicado

2023-12-10

Como Citar

BATISTA ARAÚJO, J. M.; CAVALLINI, M. de M.; MUSSOLIN, S. G. HUTUKARA: Entre a pele e a casca. Arte da Cena (Art on Stage), Goiânia, v. 9, n. 1, p. 147–174, 2023. DOI: 10.5216/ac.v9i1.77616. Disponível em: https://revistas.ufg.br/artce/article/view/77616. Acesso em: 21 maio. 2024.