ECOPERFORMANCE LÍNGUA DA TERRA

Uma proposta transgressora de dança como ecologia e epistemologia decolonial

Autores

  • Juliana Maria Greca Universidade Tecnológica Federal do Paraná - UTFPR, Curitiba, Paraná, Brasil, julianagreca@professores.utfpr.edu.br
  • Daniela Kuhn Universidade Tecnológica Federal do Paraná - UTFPR, Curitiba, Paraná, Brasil,danielakuhn72@gmail.com

DOI:

https://doi.org/10.5216/ac.v9i1.76142

Resumo

A partir dos termos militância gozosa e/ou ativismo gozoso, propostos por Silvia Federici, compartilhamos as imbricações teórico-práticas referentes à criação do filme de Ecoperformance Língua da Terra. Considerando a abordagem de Rogério Haesbaert acerca do território-corpo da terra e corpo-território das pessoas, criamos este filme mobilizadas por epistemologias decoloniais e reivindicamos a transgressão das colonialidades do poder instituídas sobre os corpos, sobretudo os corpos das mulheres e da terra. O artigo se organiza com intuito de compartir e mobilizar caminhos transdisciplinares metodológicos/ecológicos. Para tanto, descrevemos nossos argumentos e experiências corporais como parte do processo criativo e fundamentação teórica. A dança é apresentada como prazer revolucionário constituído na potencialidade política da arte e propomos, Língua da Terra, como Ecoperfomance por compreendermos que seus processos de criação e fruição atuam como tecnologia corporal de resistência, configurando uma dança guardiã de saberes ancestrais que resistem ao patriarcado, ao capitalismo, e, mais recentemente, ao projeto neoliberal. Diante de tantas devastações, dançamos para revitalizar mundos exaustos e convidamos a/o leitora/r a se deixar dançar pela indagação: como acessar, resguardar e/ou (re)conhecer os corpos, e as vidas, em sua pulsão erótica e criativa?

 Palavras-chave: arte-política; tecnologia corporal; feminismos; ancestralidade.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Juliana Maria Greca, Universidade Tecnológica Federal do Paraná - UTFPR, Curitiba, Paraná, Brasil, julianagreca@professores.utfpr.edu.br

Juliana Maria é artista-docente de dança, coordenadora do Links-Núcleo de dança UTFPR. Mestre em Artes pela UDESC e doutoranda em Tecnologia e Sociedade pela UTFPR. Desde 2013 é docente na UTFPR, atuando no Departamento de Filosofia e Ciências Humanas. Investiga metodologias (contemporâneas) de ensino da dança, alinhando-as às perspectivas da Educação Popular. Atualmente se dedica a problematizar a produção em dança contemporânea com intuito de compreender, articular e fomentar criticamente a dança como produção cultural contra-hegemônica

Daniela Kuhn, Universidade Tecnológica Federal do Paraná - UTFPR, Curitiba, Paraná, Brasil,danielakuhn72@gmail.com

Daniela Kuhn é artista-docente, coordenadora do Links-Núcleo de dança UTFPR.  Bacharela e licenciada em Dança (UNICAMP), mestre em Artes Corporais (UNICAMP), doutora em Tecnologia e Sociedade (UTFPR). Docente do curso de bacharelado em Educação Física da UTFPR. Desde 2019 atua como coordenadora e artista do projeto de extensão “Mulheres que Dançam: corpo e autoconhecimento”, investigando, movendo e criando no corpo metodologias que propiciem rupturas dançantes para a pulsão de vida.

Referências

ANDALZÚA, Gloria. La conciencia de la mestiza/ Rumo a uma nova consciência. In HOLLANDA, Heloisa Buarque de (org). Pensamento feminista: conceitos fundamentais. Rio de Janeiro: Bazar do tempo, 2019. (p.323-339).

ARAÚJO, Miguel Almir Lima de. Os sentidos da sensibilidade: sua fruição no fenômeno do educar. 1ª ed. Salvador: EDUFBA, 2008.

BONDÍA, Jorge Larrosa. Notas sobre a experiência e o saber da experiência. In: Revista Brasileira de Educação. Rio de Janeiro, ANPEd. n. 19, p.20-28, Abr. 2002.

CABNAL, Lorena; ASCUR – Las Segovias. Feminismos diversos: el feminismo comunitário. España, ASCUR – Las Segovias, 2010.

CASTRO-GÓMEZ, Santiago; GROSFOGUEL, Ramón. Prólogo. Giro decolonial, teoría crítica y pensamiento heterárquico. In: El giro decolonial: reflexiones para una diversidad epistémica más allá del capitalismo global. Bogotá: Siglo del hombre editores, Universidad Central, Instituto de Estudios Sociales Contemporáneos y Pontificia Universidad Javeriana, Instituto Pensar, 2007. (p.09-24)

CORRADINI, Sandra. Corporeidade ecocêntrica e dramaturgia expandida em videoecoperformance: dança, ecologia e cognição. PÓS: Revista do Programa de Pós-graduação em Artes da EBA/UFMG, Belo Horizonte, v. 12, n. 26, p. 84–113, 2022. DOI: https://doi.org/10.35699/2237-5864.2022.38753. Disponível em: https://periodicos.ufmg.br/index.php/revistapos/article/view/38753. Acesso em: 2 dez. 2023.

CURIEL, Ochy. Construindo metodologias feministas a partir do feminismo decolonial. In HOLLANDA, Heloisa Buarque de (org). Pensamento feminista hoje: perspectivas decoloniais. 1ª ed. Rio de Janeiro: Bazar do tempo, 2020. (p.120-138).

FEDERICI, Silvia. Ir más allá de la piel: repensar, rehacer y reivindicar el cuerpo en el capitalismo contemporáneo. Trad. Aránzazu Catalán Altuna. Madrid: Traficantes de sueños, 2022a.

FEDERICI, Silvia. Reencantando o mundo: feminismo e a política dos comuns. Trad. Coletivo Sycorax. São Paulo: Elefante, 2022b.

HAESBAERT, Rogério. Do corpo-território ao território-corpo (da terra): contribuições decoloniais. GEOgraphia. Niterói, vol.22, n. 48, p. 75-90, 2020. DOI: https://doi.org/10.22409/GEOgraphia2020.v22i48.a43100. Disponível em: https://periodicos.uff.br/geographia/article/view/43100/24532. Acesso em: 15 jan. 2023.

LEPECKI, André. Planos de composição. In: GREINER, Christine; ESPÍRITO SANTO, Cristina; SOBRAL, Sonia. (Orgs). Cartografia: Rumos Itaú Cultural Dança 2009-2010. São Paulo: Itaú Cultural, 2010. p. 12-20.

LUME & PPG Artes da Cena. XI Simpósio Internacional Reflexões Cênicas Contemporâneas. Campinas: LUME e PPG Artes da Cena IA, 2022. Vídeo (3h:17min). Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=a8wZHlG-W04 Acesso em: 02 dez. 2023.

MALDONADO-TORRES, Nelson. Sobre la colonialidad del ser: contribuciones al desarrollo de un concepto. In: El giro decolonial: reflexiones para una diversidad epistémica más allá del capitalismo global. Bogotá: Siglo del hombre editores, Universidad Central, Instituto de Estudios Sociales Contemporáneos y Pontificia Universidad Javeriana, Instituto Pensar, 2007. (p.127-168)

MARQUES, Isabel. Dança no contexto: uma proposta para educação contemporânea. Tese (Doutorado). Faculdade de Educação da USP, 1996.

MARQUES, Isabel. O artista/docente: ou o que a arte pode aprender com a educação. Ouvirouver, Uberlândia, v. 10, n. 2, p. 230-239, jul./dez. 2014.

PATZDORF, Danilo. Artista-educa-dor: a somatopolítica neoliberal e a crise da sensibilidade do corpo ocidental. In. Urdimento, Florianópolis, v.1, n.40, p.1-28, mar/abr, 2021.

QUIJANO, Aníbal. Colonialidad y Modernidad-racionalidad. In: BONILLO, Heraclio (org). Los conquistados. Bogotá: Tercer Mundo Ediciones; FLACSO, 1992. (p. 437-449)

QUIJANO, Aníbal. Colonialidad del poder, eurocentrismo y América Latina. Clacso: Buenos Aires, 2005, in: http://bibliotecavirtual.clacso.org.ar/clacso/sur-ur/20100624103322/12_Quijano.pdf

QUIJANO, Aníbal. Colonialidade do poder e classificação social. In MENEZES, Maria Paula; SANTOS, Boaventura de Souza (orgs). Epistemologias do Sul. Coimbra: Almedina, 2009. (p. 73-117)

RODRIGUES, Graziela Estela Fonseca. Bailarino-pesquisador-intérprete: processo de formação. Rio de Janeiro: Funarte, 1997.

SILVA, Reginaldo Conceição da. Na gira da umbanda: exercício etnográfico sobre expressões de afrorreligiosidade na “fronteira” e no Terreiro da Cabocla Jurema em Tabatinga, Amazonas. Orientadora: Rosa Elizabeth Acevedo Marin. Dissertação (mestrado). Programa de pós-graduação em Cartografia Social e Política da Amazônia, Centro de Ciências Sociais Aplicadas da Universidade Estadual do Maranhão, 2015.

Downloads

Publicado

2023-12-10

Como Citar

GRECA, J. M.; KUHN, D. ECOPERFORMANCE LÍNGUA DA TERRA: Uma proposta transgressora de dança como ecologia e epistemologia decolonial. Arte da Cena (Art on Stage), Goiânia, v. 9, n. 1, p. 241–279, 2023. DOI: 10.5216/ac.v9i1.76142. Disponível em: https://revistas.ufg.br/artce/article/view/76142. Acesso em: 27 fev. 2024.