CARNIFICANDO EM DANÇA AS HISTÓRIAS FEMININAS QUE MORAM EM MIM

A DRAMATURGIA DA ORALIDADE COMO CAMINHO DE CRIAÇÃO

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5216/ac.v9i1.75950

Resumo

Neste artigo, buscamos apresentar como se deram os acessos aos porões das memórias das mulheres da família Mulato, sendo elas de origem étnica indígena, que tiveram sua nascente no sertão xxxxxxx, ou seja, são sertanejas. Vale apontar que no destampar de narrativas, coletadas via Pesquisa de Escuta (Nunes, 2020), o objetivo primal era documentar e, a posteriori, dançar, na cena performática, as histórias orais que foram coletadas, quando carnificadas nos procedimentos de criação da Dramaturgia da Oralidade, guinadas por estímulos sensoriais. Dessa maneira, podemos desvelar que se trata de uma pesquisa que andou se friccionando com temáticas como memória, corpos e histórias orais, erguendo também tripés de interlocução entre algumas teorias e noções de gênero para versar sobre o feminino.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

João Vítor Ferreira Nunes, Universidade do Estado de Santa Catarina, UDESC, Florianópolis, Brasil, joaovitormulatto@gmail.com

João Vítor Mulato é artista-docente interdisciplinar, com formação nos cursos de Licenciatura em Pedagogia (UNINASSAU), Teatro e Dança (UFRN). Especialização em Consciência Corporal, Saúde e Qualidade de Vida (UFRN), Ensino de Teatro (IFRN) e Artes (UFPel). Mestra (PPGArC UFRN) e Doutoranda Artes Cênicas (PPGAC UDESC). E-mail: joãovitormulatto@gmail.com Currículo Lattes: http://lattes.cnpq.br/3721151240251862. Orcid iD: https://orcid.org/0000-0003-3066-6623

Referências

ADICHIE, Chimamanda Ngozi. Sejamos todos feministas / Chimamanda Ngozi Adichie; tradução Julia Romeu. – 1ª ed. – São Paulo: Companhia das Letras, 2015a.

ADICHIE, Chimamanda Ngozi. O perigo de uma história única / Chimamanda Ngozi Adichie; tradução Julia Romeu. – 1ª ed. – São Paulo: Companhia das Letras, 2019b.

GENNEP, Arnold van. Os Ritos de passagem. Petrópolis: Vozes, 2011.

NUNES, João Vítor Ferreira. A força e a chuva feminina em um sertão bem masculino: imersão performática nos ritos de passagem de Bia Mulato pela mitodologia em arte. 2019. 244f. Dissertação (Mestrado em Artes Cênicas) - Centro de Ciências Humanas, Letras e Artes, Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, 2019.

NUNES, João Vítor Ferreira. Ânima e(m) performance: cartografia poética da feminilidade. In: Arte Da Cena (Art on Stage), v. 6, n. 1, 2020e. Disponível em: <https://doi.org/10.5216/ac.v6i1.63327>. Acessado em: 5 dez. 2020.

NUNES, João Vítor Ferreira. de. A resistência secular é feminina: da pesquisa de escuta à dramaturgia da oralidade com as Mulato. Pitágoras 500, Campinas, SP, v. 11, n. 2, p. 64–77, 2021b. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/pit500/article/view/8667062. Acesso em: 3 ago. 2022.

NUNES, João Vítor Ferreira. Saberes das mulheres, com curas e aberturas de caminhos: as histórias contadas pelas minhas mais velhas, coletadas via pesquisa de escuta. Das Amazônias, [S. l.], v. 5, n. 01, p. 62–75, 2022. Disponível em: https://periodicos.ufac.br/index.php/amazonicas/article/view/6169. Acesso em: 3 ago. 2022.

PORPINO, Karenine de Oliveira. Dança é educação: interfaces entre corporeidade e estética. Natal: EDUFRN, 2006

SPIVAK, Gayatri Chakravorty. Pode o subalterno falar? Belo Horizonte: Editora UFMG, 2019.

Downloads

Publicado

2023-12-10

Como Citar

NUNES, J. V. F. CARNIFICANDO EM DANÇA AS HISTÓRIAS FEMININAS QUE MORAM EM MIM: A DRAMATURGIA DA ORALIDADE COMO CAMINHO DE CRIAÇÃO. Arte da Cena (Art on Stage), Goiânia, v. 9, n. 1, p. 428–454, 2023. DOI: 10.5216/ac.v9i1.75950. Disponível em: https://revistas.ufg.br/artce/article/view/75950. Acesso em: 18 jun. 2024.