Medicinas Ameríndias e Performatividades Xamânicas nas Artes da Cena Expandida

A estética da existência como contrapeso à normatividade capitalista

Autores

  • Carlos Henrique Guimarães Universidade Federal da Paraíba, UFPB, João Pessoa, Paraíba, Brasil, carlos.henrique.guimaraes@academico.ufpb.br

DOI:

https://doi.org/10.5216/ac.v8i2.74373

Resumo

Os múltiplos saberes ameríndios guardam enorme riqueza sob seus segredos e para se obter as licenças necessárias para adentrar seus mistérios, é preciso, primeiramente, permitir-se experimentar uma perspectiva de mundo mundo bastante diferente das que as culturas ocidentais nos ensinam, deslocando paradigmas a respeito dos modos de subjetivação, de vida e de produção de conhecimento. As culturas originárias do Brasil bebem suas referências sobre vida, arte e educação diretamente das fontes das florestas; com frequência seus saberes advém de experiências xamânicas provocadas pelos efeitos de suas plantas medicinais. Este trabalho apresenta reflexões sobre as possibilidades de aprendizado e de fruição artística sob uma perspectiva ameríndia, partindo de uma pesquisa performativa teórico-prática, denominada práticas xamânicas de si, em que o autor vivencia rituais com ayahuasca e outras medicinas ameríndias deslocando seus paradigmas a respeito da arte e da vida, trabalhando poéticas que apontam horizontes performativos acerca da estética da existência.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ALBERT, B.; KOPENAWA, D. A queda do céu: Palavras de um xamã yanomami.Trad.: Beatriz Perrone-Moisés. SP: Companhia das Letras, 2015.

ARTAUD, A. Os tarahumaras. Trad.: Anibal Fernandes. Lisboa: Relógio D’Água, 1985.

BASTOS, R. K. L. A escrita como cuidado de si na obra tardia de Michel Foucault. Revista Sísifo, Feira de Santana, v. 1, n. 5, p. 158-170, 2017. Disponível em: http://www.revistasisifo.com/2017/05/a-escrita-como-cuidado-de-si-na-obra.html. Acesso em: 18 out. 2022.

BERTHOLD, M. História Mundial do Teatro. Trad.: Maria P. V. Zurawski, et al. São Paulo: Perspectiva, 2001.

CESARINO, P. N. Oniska: Poética do Xamanismo na Amazônia. São Paulo: Perspectiva/Fapesp, 2011.

DEBORD, G. A Sociedade do Espetáculo. Ilha do Mel: eBooksBrasil.com, 2003. Disponível em: https://www.marxists.org/portugues/debord/1967/11/sociedade.pdf. Acesso em: 18 out. 2022.

DIÉGUEZ, I.; BORGES), (Tradução: E. Um teatro sem teatro: a teatralidade como campo expandido. Sala Preta, [S. l.], v. 14, n. 1, p. 125-129, 2014. DOI: 10.11606/issn.2238-3867.v14i1p125-129. Disponível em: https://www.revistas.usp.br/salapreta/article/view/81758. Acesso em: 25 jan. 2023.

DILGER, G.; LANG, M.; PEREIRA FILHO, J. Descolonizar o imaginário: debates sobre pós-extrativismo e alternativas ao desenvolvimento. Trad.: Igor Ojeda. São Paulo: Fundação Rosa Luxemburgo, 2016.

ESPERANDIO, M. R. G. A capacidade de outrar-se – diferenças como desafio para a prática do cuidado e aconselhamento pastoral. Revista Pistis & Praxis: Teologia e Pastoral, Curitiba, v. 3, n. 2, p. 425-447, 2011. ISSN: 1984-3755. Disponível em: https://www.redalyc.org/articulo.oa?id=449749238006. Acesso em: 18 out. 2022.

FORTIN; Trad. H. MELLO, S. Contribuições possíveis da etnografia e da auto-etnografia para a pesquisa na prática artística. Cena, Porto Alegre, n. 7, p. 77, 2010. DOI: 10.22456/2236-3254.11961. Disponível em: https://seer.ufrgs.br/index.php/cena/article/view/11961. Acesso em: 19 out. 2022.

FOUCAULT, M. Microfísica do poder. Trad. Maria Thereza C. Albuquerque. Rio de Janeiro/São Paulo: Paz e Terra, 2014.

FOUCAULT, M. História da sexualidade 3: O cuidado de si. Trad. Maria Thereza C. Albuquerque; 4a ed. Rio de Janeiro/São Paulo: Paz e Terra, 2017.

FURST, P. T. Alucinogénios e cultura. Trad.: Manuel Bárcia. Lisboa: Editora Ulisseia, 1976.

GRUPIONI, D. F. Arte Visual dos Povos Tiriyó e Kaxuyana – padrões de uma estética ameríndia. São Paulo: Iepé, 2009.

GUIMARÃES, C. H. Perspectivas xamânicas sobre as artes da cena: Um diálogo cosmopolítico com as culturas ameríndias. Urdimento - Revista de Estudos em Artes Cênicas, Florianópolis, v. 1, n. 43, p. 1-30, 2022. DOI: 10.5965/1414573101432022e0114. Disponível em: https://www.revistas.udesc.br/index.php/urdimento/article/view/21533. Acesso em: 18 out. 2022.

GUIMARÃES, C. H. Poéticas corporais do/a xamã artografista: Investigações cosmopolíticas sobre a performance cênica. Revista Rascunhos - Caminhos da Pesquisa em Artes Cênicas, [S. l.], v. 9, n. 3, p. 188–208, 2023. DOI: 10.14393/issn2358-3703.v10n2a2022-10. Disponível em: https://seer.ufu.br/index.php/rascunhos/article/view/65233. Acesso em: 25 jan. 2023.

KRAUSS, R. Sculpture in the expanded field. In: October 8, New York, (spring) 1979.

KRENAK, A. As alianças afetivas (entrevista a Pedro Cesarino). Incerteza Viva. Dias de estudo. São Paulo: Fundação Bienal de São Paulo, 2016.

LABATE, B. C.; ARAÚJO, W. S. (orgs.). O uso ritual da ayahuasca. Campinas/São Paulo: Mercado das Letras/Fapesp, 2002.

LABATE, B. C. A reinvenção do uso da ayahuasca nos centros urbanos. Campinas/São Paulo: Mercado das Letras/Fapesp, 2004.

MAGNANI, J. G. C. Mystica Urbe: um Estudo Antropológico do Circuito Neo-esotérico na Cidade. São Paulo: Studio Nobel, 1999.

MAGNANI, J. G. C. Xamãs na cidade. Revista USP, [S. l.], n. 67, p. 218-227, 2005. DOI: 10.11606/issn.2316-9036.v0i67p218-227. Disponível em: https://www.revistas.usp.br/revusp/article/view/13466. Acesso em: 19 out. 2022.

MONTEIRO, G. L. G. A Cena Expandida: alguns pressupostos para o teatro do século XXI. ARJ – Art Research Journal: Revista de Pesquisa em Artes, [S. l.], v. 3, n. 1, p. 37–49, 2016. DOI: 10.36025/arj.v3i1.8427. Disponível em: https://periodicos.ufrn.br/artresearchjournal/article/view/8427. Acesso em: 25 jan. 2023.

NARBY, J. A serpente cósmica: o DNA e a origem do saber. Trad.: Jorge Bastos. Rio de Janeiro: Dantes, 2018.

ORWELL, G. 1984. Trad.: Heloisa Jahn e Alexandre Hubner. São Paulo: Companhia das Letras, 2009.

QUILICI, C. S. Antonin Artaud: Teatro e Ritual. São Paulo: Annablume; Fapesp, 2004.

QUILICI, C. O campo expandido: arte como ato filosófico. Sala Preta, [S. l.], v. 14, n. 2, p. 12-21, 2014. DOI: 10.11606/issn.2238-3867.v14i2p12-21. Disponível em: https://www.revistas.usp.br/salapreta/article/view/84758. Acesso em: 25 jan. 2023.

QUIRCE, C. M.; BADILLA, B.; BADILLA, S.; MARTÍNEZ, M; RODRÍGUEZ, J. M. Los alucinógenos: su historia, antropología, química y farmacología. Psicogente, v. 13, n. 23, p. 174-192, Universidad Simón Bolívar. Barranquilla, Colombia, Junho, 2010. Disponível em: https://www.redalyc.org/pdf/4975/497552355013.pdf. Acesso em: 18 out. 2022.

RÄTSCH, C. The encyclopedia of psychoactive plants: ethnopharmacology and its applications. Translated by John R. Baker. Vermont: Park Street, 2005.

ROSA, J. G. Estas Estórias. Rio de Janeiro: José Olympio, 1962.

UCHÔA, M. V. B. O multinaturalismo ameríndio e a virada ontológica na filosofia contemporânea. Ensaios Filosóficos, v.15, p. 36-45, Julho, 2017. Disponível em: http://www.ensaiosfilosoficos.com.br/Artigos/Artigo15/03_UCHOA_Ensaios_Filosoficos_Volume_XV.pdf. Acesso em: 18 out. 2022.

VIVEIROS DE CASTRO, E. Araweté os deuses canibais.Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1986.

VIVEIROS DE CASTRO, E. Eduardo Viveiros de Castro – Encontros. Org.: Renato Sztutman. Rio de Janeiro: Beco do Azougue, 2008.

VIVEIROS DE CASTRO, E. Metafísicas canibais: elementos para uma antropologia pós-estrutural. São Paulo: Cosac Naify, 2015.

Downloads

Publicado

2023-06-20

Como Citar

GUIMARÃES, C. H. Medicinas Ameríndias e Performatividades Xamânicas nas Artes da Cena Expandida: A estética da existência como contrapeso à normatividade capitalista. Arte da Cena (Art on Stage), Goiânia, v. 8, n. 2, p. 115–152, 2023. DOI: 10.5216/ac.v8i2.74373. Disponível em: https://revistas.ufg.br/artce/article/view/74373. Acesso em: 25 maio. 2024.