Construindo um currículo negro

Notas sobre identidade, diferença e aliança no campo das Danças Negras

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5216/ac.v7i2.69818

Resumo

A partir de ponderações sobre a formação artística e atuação profissional do autor o texto apresenta uma reflexão sobre as políticas de representação identitária no campo da dança. A crítica de pressupostos etnocêntricos aponta tensionamentos entre as práticas de nomeação e as políticas de representação identitária no campo das danças negras. Analisa a experiência de inserção de fazeres e saberes afro-diaspóricos na história do currículo de licenciandos em dança na Universidade Federal da Bahia. Por fim, tece comentários sobre a noção de lugar de fala no debate étnico racial nas artes e os desafios na construção de agências e cumplicidades possíveis.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Fernando Ferraz, Universidade Federal da Bahia (UFBA), Salvador, Bahia, Brasil, fernandoferraz@hotmail.com

Professor da Escola de Dança da UFBA. Doutor e Mestre em Artes pelo IA/Unesp, Bacharel Licenciado em História pela FFLCH-USP. Professor do Programa de Pós-Graduação em Dança da UFBA e do Mestrado Profissional em Dança Prodan-UFBA, membro fundador do Gira: Grupo de Pesquisa em Culturas Indígenas, repertórios Afro-brasileiros e Populares (CNPq) e cocoordenador do Comitê Temático Dança e Diáspora Negra da Associação Nacional de Pesquisadores em Dança - ANDA. Artista da dança move-se entre os estudos da diáspora negra, história e performance. E-mail: fferraz@ufba.br

Referências

CARVALHO, José Jorge. 2004. Metamorfoses das Tradições Performáticas Afro-Brasileiras: de Patrimônio Cultural a Indústria de Entretenimento, Série Antropologia n. 354, Brasília: DAN/UnB.

COLLINS, Patricia Hill. Pensamento feminista negro. São Paulo: Boitempo, 2019.

DEFRANTZ, Thomas; GONZALES, Anita. Black Performance Theory. Durham: Duke University Press, 2014.

FANON, Frantz. Pele negra, máscaras brancas. Salvador: EDUFBA, 2008.

FERRAZ, Fernando M C. Danças Negras: entre apagamentos e afirmação no cenário político das artes. Revista Eixo - Especial Educação, Negritude e Raça no Brasil. Brasília, v. 6 n. 2, p.115-124, 2017a.

FERRAZ, Fernando M C. Identidades Negras na Dança: epistemes e anunciações. Dossiê O Discurso Negro nas Artes Cênicas processos, pesquisas, poéticas e epistemes. Cadernos GIPE-CIT, Salvador, ano 21, n.39, p.93-108, 2017b.

GILROY, Paul. Entre Campos: nações, culturas e o fascínio da raça. São Paulo, Annablume, 2007.

GLISSANT, Édouard. Introdução a uma poética da diversidade. Juiz de Fora: Ed. UFJF, 2013.

GOMES, Nilma Lino. O Movimento Negro educador: saberes construídos nas lutas por emancipação. Petrópolis: Vozes, 2018.

GONZALEZ, Lélia. Primavera para as rosas negras. Diáspora Africana: UCPA, 2018.

GORDON, Avery e NEWFIELD, Christopher. White Philosophy. In: APPIAH, Kwane Anthony e GATES JR, Henry Louis. Identities. University of Chicago Press, 1995.

GUIMARÃES, António Sérgio A. Cor e raça: raça e cor e outros conceitos analíticos. In: PINHO, Osmundo e SANSONE, Lívio. Raça: novas perspectivas antropológicas. Salvador: EDUFBA, 2008.

HALL, Stuart. Da diáspora: identidades e mediações culturais. Belo Horizonte: Editora UFMG; Brasília: Representação da UNESCO no Brasil, 2003.

hooks, bell. Olhares negros: raça e representação. São Paulo: Elefante, 2019.

KEALIINOHOMOKU, Jean. Uma antropóloga olha o ballet clássico como uma forma de dança étnica. In: CAMARGO, Giselle Guilhon Antunes (Org.). Dança e Antropologia I. Florianópolis: Insular, 2013.

MARTINS, Leda Maria. “Performances do Tempo Espiralar”. In: G. Ravetti e M. Arbex (Orgs) Performance, exílio, fronteiras: errâncias territoriais e textuais. Belo Horizonte: Faculdade de Letras da UFMG, 2002. p.69-91.

MOMBAÇA, Jota. Notas estratégicas quanto aos usos políticos do conceito de lugar de fala. Lisboa, Buala, 19, Julho, 2017.

NEVES, Denilson Francisco das. Dança(s) popular(es), brinquedo de gente grande: etnoimplicação e multirreferencialidade no currículo da Escola de Dança da UFBA. Dissertação de Mestrado do PPGDança, 2016, 262 f.

OLIVEIRA, Eduardo. Filosofia da Ancestralidade: corpo e mito na Filosofia da Educação Brasileira. Curitiba: Ed. Gráfica Popular, 2007.

ROBATTO, Lia e MASCARENHAS, Lúcia. Nos passos da dança – Bahia. Salvador: Edição da FCJA, 2002.

RUFINO, Luiz. Pedagogia das encruzilhadas. Rio de Janeiro: Ed. Mórula, 2019.

SIMAS, Luiz Antonio e RUFINO, Luiz. Fogo no mato: a ciência encantada das macumbas. Rio de Janeiro: Ed. Mórula, 2018. (p.19)

SILVA, Luciane da. Corpo em diáspora: colonialidade, pedagogia de dança e técnica Germaine Acogny. Tese (doutorado) – Universidade Estadual de Campinas, Instituto de Artes. Campinas, 2018, 281f.

SILVA, Wallace Lopes. Sambo, logo penso: afroperspectivas filosóficas para pensar o samba. Rio de Janeiro: Hexis, 2015.

SODRÉ, Muniz. O pensar nagô. Petrópolis: ed. Vozes, 2017.

Downloads

Publicado

2022-03-25

Como Citar

FERRAZ, F. Construindo um currículo negro: Notas sobre identidade, diferença e aliança no campo das Danças Negras. Arte da Cena (Art on Stage), Goiânia, v. 7, n. 2, p. 006–045, 2022. DOI: 10.5216/ac.v7i2.69818. Disponível em: https://revistas.ufg.br/artce/article/view/69818. Acesso em: 27 nov. 2022.

Edição

Seção

Dossiê Temático