BATUQUE NO CAMPUS

pedagogia e espiritualidade

Autores

  • Marianna Francisca Martins Monteiro Universidade Estadual Paulista, São Paulo, Brasil.

DOI:

https://doi.org/10.5216/ac.v6i2.66744

Resumo

Nesse artigo pretendo refletir sobre o espaço das expressões afrodiaspóricas no ensino das Artes Cênicas. A reflexão se dá em torno de dois momentos no percurso de minhas pesquisas sobre cultura tradicional brasileira. Essas experiências, em seus contextos e consequências, põem em pauta as possibilidades e as dificuldades enfrentadas por epistemologias e pedagogias decoloniais na universidade.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Marianna Francisca Martins Monteiro, Universidade Estadual Paulista, São Paulo, Brasil.

Professora do curso de Artes Cênicas do Instituto de Artes.  Dedica-se a pesquisa em artes focadas no teatro, na performance, nas danças populares tradicionais brasileiras. É integrante del grupo Descentradxs - Descentrar la Investigación en Danza e autora dos livros: Noverre: Cartas sobre a Dança (Edusp, 2002), Dança Popular: Espetáculo e Devoção (Terceiro Nome, 2011) e, em co-autoria, Antropologia e Performance, Ensaios Napedra (Terceiro Nome, 2013). É co-autora dos vídeos: Lambe Sujo uma Ópera dos Quilombos, Balé de Pé no Chão: a Dança Afro de Mercedes Baptista e A Pedra Balanceou.

Referências

BENTO, Maria Aparecida da Silva. Pactos narcísicos no racismo: branquitude e poder nas organizações empresariais e no poder público. Tese de doutorado em Psicologia Escolar e Desenvolvimento Humano- Instituto de Psicologia, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2002.

DELEUZE, Gilles. Mil platôs. Capitalismo e esquizofrenia. São Paulo: Editora 34, 1997.

DIAS, Paulo A F. Comunidades do Tambor. São Paulo: SESC Vila Mariana, São Paulo, 1999.

LIGIÉRO, Zeca. Batucar- Cantar- Dançar, Desenho das performances africanas no Brasil. Aletria. jan-abr, 2011, n 1, v 21.p-p 133-146.

MARTINS, Leda. Performances do tempo espiralar In ARBEX, Márcia; RAVETTI, Graziela. Performance, exílio e fronteiras: errâncias territoriais e fronteiras. Belo Horizonte: Departamento de Letras Românicas, Faculdade de Letras, UFMG, Poslit. 2002.

___________.Performances da oralitura: corpo lugar da memória. Letra: língua e literatura: limites e fronteiras – Revista do programa de pós-graduação em Letras da Universidade de Santa Maria, no.26, 2003.

MIRA, Maria Celeste. Entre a beleza do morto e a cultura viva: a(s) cultura(s) popular(es) na virada do milênio e seus mediadores simbólicos. Caderno CRH, vol. 29, núm. 78, septiembre-diciembre, 2016, Salvador: Universidade Federal da Bahia. pp. 427-442.

RANCIÈRE, Jacques. A partilha do sensível. Estética e política. São Paulo: Editora 34, 2005.

RUFINO, Luiz; SIMAS, Luiz Antônio. Encantamento. Sobre Política de vida. Rio de Janeiro, Mórula, 2020.

RUFINO, Luiz. Pedagogia das encruzilhadas. Rio de Janeiro: Mórula Editorial, 2019.

SANTO, Boaventura de Sousa Santos. Por uma sociologia das ausências e por uma sociologia das emergências. Revista Crítica de Ciências Sociais, 63, Outubro, 2002: 237-280.

___________. Universidade no Século XXI: para uma reforma democrática e emancipatória da universidade. São Paulo: Ed Cortez, 2011.

SODRE, Muniz. O Terreiro e a Cidade. A forma social negro-brasileira. Rio de Janeiro, Mauad X, 2019.

TRAVASSOS, Elizabeth. Música folclórica e movimentos culturais Caderno do Programa de pós-graduação em Música, 6, Rio de Janeiro. pp 89-113.

Downloads

Publicado

2020-12-26

Como Citar

MONTEIRO, M. F. M. BATUQUE NO CAMPUS: pedagogia e espiritualidade. Arte da Cena (Art on Stage), Goiânia, v. 6, n. 2, p. 232–257, 2020. DOI: 10.5216/ac.v6i2.66744. Disponível em: https://revistas.ufg.br/artce/article/view/66744. Acesso em: 23 jul. 2024.

Edição

Seção

Dossiê Temático: Eixo 3: Antropologias