Dança menor

políticas para criar o corpo e o comum

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5216/ac.v7i1.65652

Resumo

O artigo tem como objetivo compartilhar o processo de construção e criação de uma dança menor, a partir do referencial proposto por Erin Manning (2016) e de uma prática coreográfica com mulheres num território vulnerabilizado em Santos, São Paulo, Brasil. Narramos um protótipo de projeto, com procedimentos metodológicos para práticas em dança e performance, buscando entrelaçar a vivência artística a estados de presença que fossem capazes de inaugurar novas possibilidades de relação, agência e convivência, sendo essas categorias-fundamento para uma dança acessível e comum. A proposta assume a ação coreográfica no território como uma posição de composição com a dimensão política que cada "chão" produz, como também, constrói imediações possíveis para artistas e operadores sociais, como políticas de cuidado, regeneração e refúgio em territórios vulnerabilizados.

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Marina Guzzo, Universidade Federal de São Paulo, São Paulo, Brasil.

Artista e pesquisadora das artes do corpo, Marina Guzzo tem pós-doutorado pelo Departamento de Artes Cênicas da ECA-USP e Mestrado e Doutorado em Psicologia Social pela PUC-SP. Professora Adjunta da Unifesp no Campus Baixada Santista, pesquisadora do Laboratório Corpo e Arte e coordenadora do Núcleo Interdisciplinar de Dança – N(i)D. Concentra suas criações na interface das linguagens artísticas e a incerteza da vida contemporânea, misturando dança, performance e circo para explorar os limites do corpo e da subjetividade nas cidades e na natureza. 

Kidauane Regina, Universidade Federal de São Paulo, São Paulo, Brasil.

Bacharela em Serviço Social, mestranda no Programa de Pós Graduação em Ciências da Saúde, pesquisadora no Laboratório Corpo e Arte na Universidade Federal de São Paulo – UNIFESP campus Baixada Santista e ativista comunitária no Instituto Camará Calunga em São Vicente. Busca investigar a dança como produtora de conhecimento a partir do estudo de coreografias sociais nas quais estão expressas as relações socialmente produzidas e reproduzidas no sistema capitalista, tendo a arte como campo de leitura, intervenção e denúncia das contradições políticas que formam a realidade.

Referências

ARAÓZ, Horácio. Pandemia: Sintomas do Capitaloceno. 2020. Acesso disponível em <https://www.glacedicoes.com/post/pandemia-sintomas-do-capitaloceno-parte-2-hor%C3%A1cio-machado-ar%C3%A1oz?fbclid=IwAR0v4gQGz8pxri_uOEBAS_d2aWcOiQZLJ6DR-mCUB33EVEHA7xI5Xu6zXCw>

BARUCH, Spinoza. Ética; [tradução de Tomaz Tadeu]. - Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2009.

BONA, Dénètem Touam. Cosmopoéticas do refúgio. Florianópolis: Cultura e Barbárie, 2020.

BURT, Ramsay. “Genealogy and Dance History: Foucault, Rainer, Bausch, and de Keersmaeker” in Lepecki, André, Of the Presence of the Body: Essays on Dance and Performance Theory. Connecticut, Wesleyan University Press, 2004.

COELHO, Silvia Pinto. “Dançar-Pensar” enquanto investigação e poética. Sinais de cena 22, 2014.

LEPECKI, André. Coreopolítica e coreopolícia. Ilha R. Antr., Universidade Federal de Santa Catarina - UFSC, Florianópolis, SC, Brasil, ISSNe 2175-8034, v. 13, n. 1, p. 41-60, jan./jun. (2011) 2012.

MANNING, Erin, O QUE MAIS? Interlúdio de “Sempre mais do que um”: a dança da individuação. Tradução: Bianca Scliar. In: Dança, Salvador, v. 4, n. 2 p. 102-111, jul./dez. 2015.

MANNING, Erin. Proposições para um movimento menor. Tradução: André Arias , João Pessoa, UFPB, v. 10 n. 2, jun-dez/2019a, p. 11 a 24.

MANNING, Erin. Em direção a uma política da imanência. Susana Oliveira Dias, Susana Oliveira; Wiedemann, Sebastian; Amorim, Antonio Carlos Rodrigues [organizadores]. Conexões deleuze e cosmopolíticas e ecologias radicais e nova terra e... /- Campinas, SP: ALB/ClimaCom, 2019b.

MANNING, Erin. The Minor Gesture. Duke University Press, 2016.

MASSUMI, Brian. Parables for the Virtual: Movement, Affect, Sensation, London, Duke University Press, 2002.

MASSUMI, Brian. A arte do corpo relacional: do espelho tátil ao corpo virtual. São Paulo: Galaxia, n.31, p. 05-21, abr. 2016. http://dx.doi.org/10.1590/1982-25542016126462

MORAES, Alana. PARRA, Henrique Z. M; 2020. Laboratórios do Comum: Experimentações políticas de uma ciência implicada. Rede Latino-Americana de Estudos em Vigilância, Tecnologia e Sociedade (Lavits). Revista do Centro de Pesquisa e Formação n.10. p.113 a 139.

PAULA, Marcos Ferreira de. Alegria e Felicidade: A presença do processo liberador em Espinosa. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 2017.

ROLNIK, Suely. Pensamento, corpo e devir Uma perspectiva ético/estético/política no trabalho acadêmico. In: Cadernos de Subjetividade, v.1 n.2: 241-251. Núcleo de Estudos e Pesquisas da Subjetividade, Programa de Estudos Pós Graduados de Psicologia Clínica, PUC/SP. São Paulo, set./fev. 1993.

Downloads

Publicado

29-07-2021

Como Citar

Guzzo, M. S. L., & Alves, K. R. (2021). Dança menor : políticas para criar o corpo e o comum. Arte Da Cena (Art on Stage), 7(1), 376–397. https://doi.org/10.5216/ac.v7i1.65652