DIREÇÃO DE ARTE EM CAMPO EXPANDIDO

Autonomia Criativa na Composição de Dramaturgias Plástico-Visuais

Autores

  • Alexandre Silva Nunes Universidade Federal de Goiás (UFG), Goiânia, GO

DOI:

https://doi.org/10.5216/ac.v5i1.59182

Resumo

Este artigo pretende discutir a Direção de Arte na perspectiva de campo expandido, como locusautônomo de pesquisas e práticas artísticas, no contexto amplo das Artes da Cena. Sua meta principal é fortalecer a área e fornecer alguns subsídios reflexivos a ela, tendo em vista a carência ainda grande de discussões teóricas sobre o assunto.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

COHEN, Renato. Work in progress na cena contemporânea: criação, encenação e recepção. São Paulo: Perspectiva, 1998.

EISENSTEIN, Sierguéi. O princípio cinematográfico e o ideograma. In: CAMPOS, Haroldo. Ideograma: lógica, poesia, linguagem. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 1994.

EISENSTEIN, Sergei. A forma do filme. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2002.

FLASZEN, Ludwik; POLLASTRELLI, Carla. O teatro laboratório de Jerzy Grotowski 1959-1969: textos e materiais de Jerzy Grotowski e Ludwik Flaszen com um escrito de Eugenio Barba. São Paulo: Perspectiva: SESC; Pontedera, IT: Fondazione Pontedera Teatro, 2007.

GROTOWSKI, Jerzy. Em busca de um teatro pobre. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1992.

GROTOWSKI, Jerzy. Sobre o método das ações físicas. De uma palestra proferida por Grotowski no Festival de Teatro de Santo Arcangelo (Itália), em junho de 1988. Disponível em: http://www.grupotempo.com.br/tex_grot.html. Acessado em 19 de junho de 2019, às 20:00.

GUINSBURG, Jacó. Da cena em cena: ensaios de teatro. São Paulo: Perspectiva, 2001.

HAMBURGER, Vera. Arte em cena: a direção de arte no cinema brasileiro. São Paulo: Editora Senac São Paulo; São Paulo: Edições Sesc São Paulo, 2014.

HAMBURGER, Vera Império. O desenho do espaço cênico: da experiência vivencial à forma. Dissertação de Mestrado. Universidade de São Paulo, 2014b.

JUNG, Carl Gustav. A natureza da psique. Petrópolis: Vozes, 2000.

LEHMANN, Hans-Thies. Teatro além do drama: o pós e o pré-dramático. Conferência. Revista Arte da Cena, v.1, n.2, p. 14-18, março/2015.

NUNES, Alexandre Silva. Ator & alma: a morte como método. Dissertação de Mestrado. Universidade Estadual de Campinas, 2005.

NUNES, Alexandre Silva. Ator, sator, satori: labor e torpor na arte de personificar. Goiânia: UFG, 2012.

POUND, Ezra. Abc da literatura. São Paulo: Cultrix, 1989.

RAMOS, Luiz Fernando. Mimesis performativa: a margem de investigação possível. São Paulo: Annablume, 2015.

RATTO, Gianni. Antitratado de cenografia. São Paulo: Editora Senac São Paulo, 2001.

REALE, Giovanni. Corpo, alma e saúde: o conceito de homem de Homero a Platão. São Paulo: Paulus, 2002.

ROUBINE, Jean-Jacques. Introdução às grandes teorias do teatro. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2003.

SNELL, Bruno. A cultura grega e as origens do pensamento europeu. São Paulo: Perspectiva, 2012.

Downloads

Publicado

2019-07-31

Como Citar

NUNES, A. S. DIREÇÃO DE ARTE EM CAMPO EXPANDIDO: Autonomia Criativa na Composição de Dramaturgias Plástico-Visuais. Arte da Cena (Art on Stage), Goiânia, v. 5, n. 1, p. 103–141, 2019. DOI: 10.5216/ac.v5i1.59182. Disponível em: https://revistas.ufg.br/artce/article/view/59182. Acesso em: 23 maio. 2024.