CAMINHOS DA CENA PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL

Autores

  • Flávia Janiaski Vale Professora Adjunta da Universidade Federal de Dourados - Curso de Artes Cênicas

DOI:

https://doi.org/10.5216/ac.v5i1.54322

Resumo

O presente artigo consiste em apontamentos e reflexões que emergiram da parte prática da pesquisa de doutorado intitulada Colocando um novo ponto em cada conto: possibilidades de inserção do teatro na educação infantil. A pesquisa teve como objetivo central inserir o teatro na Educação Infantil através da contação de história e o do brincar. A peça A Tempestade, de William Shakespeare, foi empregada como fio condutor de uma experiência cênica narrativa, pensada através da ambientação cênica e sonora do espaço escolar, como uma possibilidade de forjar uma experiência sensório-motora e artística para crianças entre três e cinco anos de idade. Foram realizadas apresentações em cinco centros de educação infantil na cidade de Dourados/MS. Com as apresentações foi possível comprovar que o brincar através do teatro e da contação de história tem um importante papel no desenvolvimento social, cognitivo, corporal e imaginativo da criança e do professor. A educação e o teatro juntas possuem o potencial de transformar, e esta transformação passa pelo individual e pelo coletivo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Flávia Janiaski Vale, Professora Adjunta da Universidade Federal de Dourados - Curso de Artes Cênicas

Doutoranda em Artes Cênicas pela UFBA. Mestre em Teatro pela Universidade do Estado de Santa Catarina - UDESC e Graduada em Artes Cênicas pela mesma universidade. Trabalhou como Professora Colaboradora na mesma instituição na área de Teatro Educação e Produção Cultural. Além de trabalhar com Produção Cultural em diversos projetos Municipais e Estaduais e trabalhar como produtora da Harmônica Arte e Entretenimento. Tem experiência em Artes, com ênfase em Teatro-Educação, Produção Cultural, Contação de História, Orientação de Estágio, Improvisação e Montagem Teatral. Atualmente é Professora Adjunta da Universidade Federal da Grande Dourados (UFGD) no Curso de Licenciatura e Bacharelado em Artes Cênicas, está como Coordenadora Pedagógica do Curso, e presidente da Comissão de Estágio Supervisionado do Curso de Artes Cênicas ? COES/Artes Cênicas, além de Coordenar o SubProjeto de Teatro do Programa Institucional de Bolsa de Iniciação à Docência (PIBID)/UFGD.

Referências

BACHELARD, Gaston. A poética do Devaneio. São Paulo: Martins Fontes, 2009.

BACHELARD, Gaston. A poética do espaço. São Paulo: Martins Fontes, 1993.

BENJAMIN, Walter. Reflexões: a criança, o brinquedo, a educação. São Paulo: Summus, 1984.

BETTELHEIM, Bruno. A psicanálise dos contos de fadas. 9 ed. RJ: Paz e Terra, 1980.

BLOOM, Harold. Shakespeare: a invenção do humano. Tradução de José Roberto O’Shea. Rio de Janeiro: Objetiva, 2001.

CUNHA, Gabriela Duarte. A importância da contação de histórias e da leitura em voz alta para crianças em fase de alfabetização. Cadernos do CNLF, Vol XVUU, nº 06. Rio de Janeiro: CiFEFiL, 2013.

DESGRANGES, Flávio. A pedagogia do teatro: provocação e dialogismo. São Paulo: Editora Hucitec : Edições Mandacaru, 2006.

DEWEY, J. Art as experience. New York: Minton, Balch & Co., 1934.

FARIA, Alessandra Ancona de. Contas histórias com o jogo teatral. São Paulo: Perspectiva, 2011.

FERREIRA, Melissa. Isto não é um ator: o teatro da sociètas Raffaello Sanzio. São Paulo: Perspectiva, 2016.

GIRANDELLO, Gilka. Voz, Presença e Imaginação: A Narração de Histórias e as Crianças Pequenas. Florianópolis: UFSC, 2007. In http://www.nica.ufsc.br/index.php/publicacoes/gilka. Acessado em 22 de maio de 2017.

GIRANDELLO, Gilka. Imaginação: arte e ciência na infância. Campinas: Pro-Posições, 2011. v. 22, n. 2 (65), p. 75-92, maio/ago. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/proposic/article/view/8643263/0 acessado em 30 de julho/2017.

GOMES, Lenice, MORAES, Fabiano (org). A arte de encantar: o contador de histórias contempoâneo e seus olhares. São Paulo: Cortz, 2012.

HELIODORA, Barbara. Por que ler Shakespeare. São Paulo: Globo, 2008.

HELIODORA, Barbara. A Evolução de Shakespeare. 2014. Disponível:

https://www.youtube.com/watch?v=e9rs2DgpI98 – acessado em 10/09/2017.

KOUDELA, I. Jogos Teatrais. São Paulo, Perspectiva, 1984.

KLISYS, Adriana. Quer jogar?. São Paulo: Edições SESC SP, 2010.

LARROSA, Jorge. Notas sobre a experiência e o saber de experiência. Universidade de Barcelona/Espanha. Tradução de João Wanderley Geraldi. Campinas: Revista Nacional de Educação, 2001. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rbedu/n19/n19a02.pdf. Acesso em diversas datas.

LUCENA, Karina de Castilhos. Uma fenomenologia da imaginação através do espaço. In Revista Eletrônica de crítica e teoria de literaturas. Porto Alegre: PPG-LET-UFRGS. v 03, n 01. 2007.

MEDEIROS, Fábio Henrique Nunes e MORAES, Taiza Mara Rauen (org). Contação de histórias: tradição, poéticas e interfaces. São Paulo: Edições Sesc São Paulo, 2015.

PESSOA, Augusto. Teatro e Contação de História. In MEDEIROS, Fábio Henrique Nunes e MORAES, Taiza Mara Rauen (org). Contação de histórias: tradição, poéticas e interfaces. São Paulo: Edições Sesc São Paulo, 2015. p. 328-335.

RAMOS, Ana Claudia. Contação de histórias: um caminho para a formação de leitores? Dissertação de Mestrado em Educação. Universidade Estadual de

SHAKESPEARE, William. A Tempestade. Tradução e adaptação de Sonia Rodrigues. São Paulo: Scipione, 2002. Série Reencontro literatura.

SISTO, Celso. Textos e pretextos sobre a arte de contar histórias. (2ª ed. revista e ampliada). Curitiba: Positivo, 2005.

SLADE, Peter. O jogo dramático infantil. São Paulo: Sumus, 1978.

VYGOTSKY, Lev. Imaginação e criação na infância. São Paulo: Ática, 2009.

Downloads

Publicado

2019-07-27

Como Citar

JANIASKI VALE, F. CAMINHOS DA CENA PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL. Arte da Cena (Art on Stage), Goiânia, v. 5, n. 1, p. 193–227, 2019. DOI: 10.5216/ac.v5i1.54322. Disponível em: https://revistas.ufg.br/artce/article/view/54322. Acesso em: 25 maio. 2024.