TRILHAS DE UM PROCESSO DE CRIAÇÃO ENTRE COMICIDADES AMERÍNDIAS DA AMAZÔNIA

Autores

  • Andréa Bentes Flores Escola de Teatro e Dança, Universidade Federal do Pará (ETDUFPA); Escola de Belas Artes, Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG)
  • Wladilene de Sousa Lima Instituto de Ciências da Arte - ICA

DOI:

https://doi.org/10.5216/ac.v4i1.52194

Palavras-chave:

Curupirá, Makunaima, comicidade ameríndia, Amazônia, processo de criação

Resumo

Este artigo é uma cartografia de invenções poéticas acerca do riso ameríndio, acionadas no processo de criação de Curupirá, poética cênica em desenvolvimento enquanto pesquisa acerca de comicidades da Amazônia de floresta profunda. Escrito entre o que denomino de trilhas, convida o leitor a criar uma ordem própria de leitura, no desordenamento da escrita, enquanto cria para si uma configuração possível do caminho incerto por onde tenho seguido em pesquisa e criação. O artigo discute a comicidade presente nos mitos ameríndios, a partir de Makunaima, e tece compreensões acerca do comportamento traquino, cômico, de seres espirituais da floresta, presente também no cotidiano das comunidades, traçando linhas acerca do imbricamento, presente no pensamento ameríndio, entre humano e animal. Atravessa, ainda, a noção inventada de Makunaimação enquanto ato de torção operado pelas comicidades ameríndias, poeticamente acionado em Curupirá. Inconcluso, o artigo encerra com uma imagem de diário de bordo, deixando ao leitor apenas provocações de pensamentos que reverberem para além da escrita.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Andréa Bentes Flores, Escola de Teatro e Dança, Universidade Federal do Pará (ETDUFPA); Escola de Belas Artes, Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG)

Atriz, palhaça, pesquisadora em Artes. Doutoranda em Artes pela Escola de Belas Artes da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG). Professsora efetiva da Escola de Teatro e Dança da Universidade Federal do Pará (UFPA).

Wladilene de Sousa Lima, Instituto de Ciências da Arte - ICA

Artista-pesquisadora, atriz, diretora e cenógrafa de teatro na cidade de Belém do Pará. Doutora em Artes Cênicas pelo Programa de Pós-graduação em Artes Cênicas da Universidade Federal da Bahia PPGAC/UFBA. Professora no Curso Técnico de Formação de Ator, na Licenciatura em Teatro, nos Mestrados em Artes (acadêmico e profissional) e no Doutorado em Artes do PPGArtes - Programa de Pós-graduação em Artes do Instituto de Ciências da Arte - ICA.

Referências

ALBUQUERQUE, Maria Betânia Barbosa. ABC do Santo Daime. Belém: EDUEPA, 2007.

ANDRADE, Mário de. Macunaíma, o herói sem nenhum caráter. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2012.

BARROS, Manoel de. Retrato do artista quando coisa [1998]. In: BARROS, Manoel. Poesia Completa. São Paulo: Leya, 2010. p.355-376.

DOS SANTOS, Gilton Mendes. Rapé e xamanismo entre grupos indígenas no médio Purus, Amazônia. Amazônica: revista de Antropologia, Belém, UFPA, v.7, n.1, p.10-27, 2015. Disponível em: http://periodicos.ufpa.br/index.php/amazonica/article/view/2148/2440. Acesso em: 27, mar, 2018.

ESBELL, Jaider. Terreiro de Makunaima: mitos, lendas e estórias em vivências. Belém: Cromos, 2012.

FAUSTO, Carlos. Inimigos fiéis: história, guerra e xamanismo na Amazônia. São Paulo: Edusp, 2014.

KOCH-GRÜNBERG, Theodor. Mitos e lendas dos índios Taulipangue e Arekuná. In: MEDEIROS, Sérgio (Org.). Makunaíma e Jurupari: cosmogonias ameríndias. São Paulo: Perspectiva, 2002. p.29-228.

KOPENAWA, Davi; ALBERT, Bruce. A queda do céu: palavras de um xamã yanomami. São Paulo: Cia. Das Letras, 2015.

LAGROU, Els. O riso grotesco e o riso festivo: narrativas e performances kaxinawa. In: CAVALCANTI, Maria Laura Viveiros de Castro; GONÇALVES, José Reginaldo Santos. (Orgs.). As festas e os dias: ritos e sociabilidades festivas. Rio de Janeiro: Contra Capa, 2009. p.169-196.

MASSUMI, Brian. O que os animais nos ensinam sobre política. São Paulo: n-1, 2017.

MINDLIN, Betty; SURUÍ, Narradores. Vozes da origem: estórias sem escrita. São Paulo: Ática, 1996.

OVERING, Joanna. The efficacy of laughter: the ludic side of magic within amazonian sociality. In: OVERING, Joanna; PASSES, Alan (Orgs.). The anthropology of love and anger: the aesthetics of conviviality in native Amazonia. Londres: Routledge, 2000. p. 64-81.

PAES LOUREIRO, João de Jesus. Cantares amazônicos. 4 ed. Belém: Cultural Brasil, 2015.

SÁ, Lúcia. Tricksters e mentirosos que abalaram a literatura nacional: as narrativas de Akúli e Mayuluaípu. In: MEDEIROS, Sérgio (Org.). Makunaíma e Jurupari: cosmogonias ameríndias. São Paulo: Perspectiva, 2002. p.245-259.

VIVEIROS DE CASTRO, Eduardo. Metafísicas canibais: elementos para uma antropologia pós-estrutural. São Paulo: Cosac Naify, 2015.

VIVEIROS DE CASTRO, Eduardo. O medo dos outros. Revista de Antropologia. São Paulo, USP, v. 54, n. 2, p.885-917, jul-dez 2011. Disponível em: https://www.revistas.usp.br/ra/article/view/39650. Acesso em: 25, mar, 2018.

YAMÃ, Yaguarê. Urutópiag: a religião dos pajés e dos espíritos da selva. São Paulo: IBRASA, 2004.

Downloads

Publicado

2018-07-31

Como Citar

FLORES, A. B.; LIMA, W. de S. TRILHAS DE UM PROCESSO DE CRIAÇÃO ENTRE COMICIDADES AMERÍNDIAS DA AMAZÔNIA. Arte da Cena (Art on Stage), Goiânia, v. 4, n. 1, p. 136–167, 2018. DOI: 10.5216/ac.v4i1.52194. Disponível em: https://revistas.ufg.br/artce/article/view/52194. Acesso em: 3 mar. 2024.