BERTOLT BRECHT E O CÔMICO POPULAR KARL VALENTIN – PRINCÍPIOS DA BUFONARIA PARA UMA ATUAÇÃO CRÍTICA

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5216/ac.v3i1.43346

Palavras-chave:

bufonaria, crítica social, trabalho do ator, Karl Valentin

Resumo

Neste artigo analisa-se como Bertolt Brecht se apropria dos elementos característicos da bufonaria a partir de sua vivência prática ao lado do cômico popular Karl Valentin para pensar técnicas para o ator de seu teatro, um teatro que almeja a transformação social. Essa análise surge a partir de reflexões dentro de uma pesquisa que se desenvolve desde a graduação em Teatro, e que, atualmente, vem ganhando maiores dimensões no doutorado e docência, permeando os estudos e práticas com o bufão que tem como eixo a relação entre a prática artística e política do ator que busca no humor uma possibilidade criativa na tentativa de realizar a crítica social, ou ainda, abrir espaço de debate sobre questões políticas que acredita pertinentes de reflexão. Para tanto, busca-se referências de atores cômicos, que utilizam elementos da bufonaria e do humor em suas práticas cênicas para realizarem a crítica social, tentando compreender como se opera na prática esse jogo cômico que visa a denúncia.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Vanessa Benites Bordin, Universidade de São Paulo e Universidade do Estado do Amazonas.

Atriz, bacharel em Artes Cênicas pela UFSM, mestra e doutoranda em Artes Cênicas na Escola de Comunicação e Artes da Universidade de São Paulo, professora assistente do curso de Teatro da Univerdidade do Estado do Amazonas e integrante do grupo de pesquisa CNPQ Tabihuni.

Referências

BAKHTIN, Mikhail. A Cultura Popular na Idade Média e Renascimento: o contexto de François Rabelais. São Paulo: Hucitec, 3° edição, 1996.

BATTISTELLA, Roseli Maria. O Jovem Brecht e Karl Valentin: A cena cômica na República de Weimar. Universidade do Estado de Santa Catarina, 2007. Dissertação (Mestrado em Teatro).

BERGSON, Henri. O Riso. Ensaio sobre a significação do cômico. Rio de Janeiro: Zahar Editores, 2° Ed. 1983.

BORNHEIM, Gerd. Brecht: A Estética do Teatro. Rio de Janeiro: Graal, 1992.

BRECHT, Bertolt. A Compra do Latão. Lisboa: Vega, 1999.

_______________Estudos sobre teatro. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2005.

COELHO, Teixeira. A Cultura e seu contrário. São Paulo: Iluminuras: Itaú Cultural, 2008.

LOPES, Elisabeth Silva. A blasfêmia, o prazer e o incorreto. Revista Sala Preta. São Paulo (USP), v.5, p. 9-21, 2005.

LOPES, Elisabeth Silva. Ainda é Tempo de Bufões. Escola de Comunicação e Artes, Universidade de São Paulo, 2001. Tese (Doutorado em Artes Cênicas).

MINOIS, George. História do Riso e do Escárnio. São Paulo: UNESP, 2003.

Downloads

Publicado

2017-07-31

Como Citar

BORDIN, V. B. BERTOLT BRECHT E O CÔMICO POPULAR KARL VALENTIN – PRINCÍPIOS DA BUFONARIA PARA UMA ATUAÇÃO CRÍTICA. Arte da Cena (Art on Stage), Goiânia, v. 3, n. 1, p. 163–179, 2017. DOI: 10.5216/ac.v3i1.43346. Disponível em: https://revistas.ufg.br/artce/article/view/43346. Acesso em: 23 jun. 2024.