Nuno Ramos e a obra visual: da sintaxe barroca à alegoria dadaísta nos Quadros sem títulos

Autores

  • Christiane Pereira Arcuri Universidade do Estado do Rio de Janeiro - UERJ

DOI:

https://doi.org/10.5216/vis.v13i1.34156

Resumo

Discorremos sobre a obra visual de Nuno Ramos (1960): da sintaxe barroca à alegoria dadaísta nos Quadros sem títulos (entre 1987 e 2008). Averiguamos – no que concerne ao aspecto plástico-conceitual –, como as características estéticas, por vezes similares às do período do Barroco (séculos XVII-XVIII), assim como as particularidades provenientes da linguagem estilística recorrente à técnica do processo Merz dadaísta (século XX), ressoam nos Quadros sem títulos. Relacionamos a (re)apresentação estética do objeto visual na constituição do antiobjeto pautado à efemeridade e ao desperdício cotidiano da contemporaneidade.

Palavras-chave: Artes Visuais, antiobjeto, contemporaneidade

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Christiane Pereira Arcuri, Universidade do Estado do Rio de Janeiro - UERJ

Professora Adjunta de Artes Visuais e História da Arte do Instituto de Aplicação / CAp e do Instituto de Artes - UERJ.

Referências

AMARAL, A. Dos murais de Portinari aos espaços de Brasília. São Paulo: Perspectiva, 1981.

ARGAN, G. Arte Moderna. São Paulo: Companhia das Letras, 1992.

BATTCOCK, G. A nova arte. São Paulo: Perspectiva, 1986.

BENJAMIN, W. Origem do drama barroco alemão. São Paulo: Brasiliense, 1984.

BÜRGER, P. Teoria da vanguarda. Rio de Janeiro: Cosac & Naify, 1987.

CHIPP, H. B. Teorias da Arte Moderna. São Paulo: Martins Fontes, 1993.

DIAS, A. M. Nuno Ramos e suas torres de babel: o criador como tradutor. p. 23. In: ALENCAR, A. et. al. Tradução literária: a vertigem do próximo. Rio de Janeiro: Beco do Azougue, 2011.

ELGER, D. Dadaísmo. Alemanha: Taschen, 2005.

FABBRINI, R. A arte depois das vanguardas. Campinas: UNICAMP, 2002.

GULLAR, F. Etapas da Arte Contemporânea - do cubismo a arte neoconcreta. Rio de Janeiro: Revan, 1999.

HAUSER, A. História social da literatura e da arte. São Paulo: Mestre Jou, 1982.

HOUAISS/ KOOGAN. Enciclopédia e dicionário ilustrado. Rio de Janeiro: Seifer, 1999.

KLABIN, V. Nuno Ramos. Catálogo (apresentação). Rio de Janeiro: Centro de Artes Hélio Oiticica, 1999; São Paulo: MAM, 2000.

MOISÉS, M. Dicionário de termos literários. São Paulo: Editora Cultrix, 1997.

PRESSLER, G. K. Benjamin, Brasil: a recepção de Walter Benjamin, de 1960 a 2005: um estudo sobre a formação da intelectualidade brasileira. São Paulo: Annablume, 2006.

SELIGMANN-SILVA, M. A atualidade de Walter Benjamin e de Theodor W. Adorno. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2009.

________. O local da diferença: ensaios sobre memória, arte, literatura e tradução. Rio de Janeiro: Editora 34, 2005.

STANGOS, N. Conceitos da Arte Moderna. Rio de Janeiro: Zahar, 2000.

TASSINARI, A; MAMMÌ, L. & NAVES, R. Nuno Ramos. São Paulo: Ática, 1997.

UPJOHN, E. M. et al. História mundial da arte. Lisboa: Livraria Bertrand, 1977.

WÖLFFLIN, H. Conceitos fundamentais da História da Arte. São Paulo: Martins Fontes, 2000.

Downloads

Publicado

2015-12-22

Como Citar

ARCURI, C. P. Nuno Ramos e a obra visual: da sintaxe barroca à alegoria dadaísta nos Quadros sem títulos. Visualidades, Goiânia, v. 13, n. 1, 2015. DOI: 10.5216/vis.v13i1.34156. Disponível em: https://revistas.ufg.br/VISUAL/article/view/34156. Acesso em: 23 maio. 2024.

Edição

Seção

Artigos