PARQUE ESTADUAL DA SERRA DOURADA (ESTADO DE GOIÁS): UM LABORATÓRIO A CEU ABERTO PARA ESTUDOS DE GEODIVERSIDADE

Autores

  • GLEIDIANE RODRIGUES ROCHA ARAÚJO Mestranda em Geografia da UEG - Universidade Estadual de Goiás, Campus Cora Coralina, Cidade de Goiás (GO)
  • VANDERVILSON ALVES CARNEIRO Docente do Mestrado em Geografia da UEG - Universidade Estadual de Goiás, Campus Cora Coralina, Cidade de Goiás (GO)
  • JEAN CARLOS VIEIRA SANTOS Docente do Mestrado em Geografia da UEG - Universidade Estadual de Goiás, Campus Cora Coralina, Cidade de Goiás (GO)

Palavras-chave:

Geossítio, Natureza abiótica, Trabalho de campo, Geografia.

Resumo

Resumo: Este artigo procurou apresentar os resultados do trabalho de campo realizado pela disciplina de Tópicos em Geodiversidade do mestrado em Geografia da Universidade Estadual de Goiás (UEG). Trata-se de uma atividade empírica desenvolvida no Parque Estadual da Serra Dourada (PESD), em 16 de junho de 2019, alicerçado por registros fotográficos e de literatura concernente à Geodiversidade. O trabalho de campo proporcionou uma leitura da paisagem abiótica, bem como pontuar a valorização, a divulgação e a visitação dos geossítios no sentido da difusão do conhecimento geocientífico. É bom ressaltar o papel da geoeducação que propicia estudos, trabalhos de campo e de pesquisas voltadas às questões da Geodiversidade, além de arrazoar as questões direcionadas ao ordenamento e gestão territorial, a manutenção humana e da biodiversidade.

Palavras-chave: Geossítio, Natureza abiótica, Trabalho de campo, Geografia.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

GLEIDIANE RODRIGUES ROCHA ARAÚJO , Mestranda em Geografia da UEG - Universidade Estadual de Goiás, Campus Cora Coralina, Cidade de Goiás (GO)

Mestranda em Geografia da UEG - Universidade Estadual de Goiás, Campus Cora Coralina, Cidade de Goiás (GO)

VANDERVILSON ALVES CARNEIRO, Docente do Mestrado em Geografia da UEG - Universidade Estadual de Goiás, Campus Cora Coralina, Cidade de Goiás (GO)

Docente do Mestrado em Geografia da UEG - Universidade Estadual de Goiás, Campus Cora Coralina, Cidade de Goiás (GO)

JEAN CARLOS VIEIRA SANTOS, Docente do Mestrado em Geografia da UEG - Universidade Estadual de Goiás, Campus Cora Coralina, Cidade de Goiás (GO)

Docente do Mestrado em Geografia da UEG - Universidade Estadual de Goiás, Campus Cora Coralina, Cidade de Goiás (GO)

Referências

ANDRADE, E. J. O. Os mirantes da ilha de Santa Catarina - patrimônio paisagístico de Florianópolis. 2008. 92 f. Dissertação (Mestrado em Urbanismo, História e Arquitetura da Cidade) - Departamento de Arquitetura e Urbanismo, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2008.

ARAÚJO, E. L. S. Geoturismo: conceptualização, implemento e exemplo de aplicação ao Vale do Rio Douro no sector Porto-Pinhão. 2005. 213 f. Dissertação (Mestrado em Patrimônio Geológico e Geoconservação) - Escola de Ciências, Universidade do Minho, Braga, 2005.

BARBOSA, R. M. Com areia, também, se constrói patrimônio: o poder das imagens em Goiandira do Couto. Revista Escritas, Araguaína, v. 10, n. 1, p. 23-42, 2018.

BELÉM, R. A. Conceitos básicos da geologia e geomorfologia no contexto dos aspectos fisiográficos de Montes Claros e Norte de Minas Gerais. Revista Cerrados, Montes Claros, v. 10, n. 1, p. 146-168, 2012.

BORGES, R. Goiandira do Couto - arte em cada grão. 2018. Disponível em: <https://www.opopular.com.br/noticias/80-anos/goiandira-do-couto-1.1492059>. Acesso em: 7 abr. 2021.

BRASIL. Decreto n. 6.640, de 07 de novembro de 2008. Dispõe sobre nova redação para o Decreto n. 99.556, de 01 de outubro de 1990 (sobre a proteção das cavidades naturais subterrâneas existentes no Território Nacional). Diário Oficial da República Federativa do Brasil, Brasília, 10 nov. 2008.

BRASIL. Decreto n. 99.556, de 1 de outubro de 1990. Dispõe sobre a proteção das cavidades naturais subterrâneas existentes no Território Nacional. Diário Oficial da República Federativa do Brasil, Poder Executivo, Brasília, 1 out. 1990.

BRILHA, J. B. R. Patrimônio geológico e geoconservação: a conservação da natureza na sua vertente geológica. Braga: Palimage, 2005.

BRITO, C. C.; PRADO, P. B. “Por que mataram a pedra?”: “Geração AI-5” e juventude na Cidade de Goiás. Revista Emblemas, Catalão, v. 8, n. 1, p. 51-72, jan. / jun. 2011.

BRUST, H. A. Apresentação. In: SILVA, A. J. P.; PEREIRA, R. G. F. A.; GUIDICE, D. S. Geossítios: cenários da geodiversidade da Bahia. Salvador: Companhia Baiana de Pesquisa Mineral, 2015. p. 6.

CÂNDIDO, L. A. Turismo em áreas protegidas. Caxias do Sul: EDUCS, 2003.

CARNEIRO, V. A.; LIMA, C. V.; LIMA, A. M. Geodiversidade no cerrado goiano. Revista Élisée, Porangatu, v. 9, n. 2, p. 01-28, jul. / dez. 2020.

CASSETI, V. Elementos de geomorfologia. Goiânia: CEGRAF-UFG, 1994.

CASSETI, V. Geomorfologia. Goiânia: FUNAPE / UFG, 2005.

CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE - CONAMA. Resolução CONAMA n. 347, de 10 de setembro de 2004, dispõe sobre a proteção do patrimônio espeleológico. Brasília: ICMBio, 2004.

CORRÊA, L. S. L.; SANGOI, D. S.; NUMMER, A. Correlação entre feições erosivas e petrografia de uma voçoroca em São Francisco de Assis - RS, Brasil. Geografia: Ensino e Pesquisa, Santa Maria, v.12, n. 2, p. 4529-4541, 2008.

COSTA, P. C. Unidades de conservação: matéria-prima do ecoturismo. São Paulo: Aleph, 2002.

COMPANHIA DE PESQUISA DE RECURSOS MINERAIS - CPRM. RADAM-D. Disponível em: <http://www.cprm.gov.br/publique/Geologia/Sensoriamento-Remoto-e-Geofisica/RADAM-D-628.html>. Acesso em: 10 abr. 2021.

CURADO, A. Artista goiano leva pinturas com areia da Serra Dourada para o Brasil. 2018. Disponível em: <https://www.emaisgoias.com.br/artista-goiano-leva-pinturas-com-areia-da-serra-dourada-para-o-brasil/>. Acesso em: 7 abr. 2021.

DANNI, J. C. M.; DARDENNE, M. A.; FUCK, R. A.; RIBEIRO, M. J. Geologia da extremidade sudoeste da Serra Dourada (Goiás - Brasil). Revista Brasileira de Geociências, v. 3, p. 160-180, 1973.

FREIRE, L. M.; LIMA, J. S. Geodiversidade e patrimônio espeleológico da Caverna da Pedra da Cachoeira, Altamira / PA. Revista GeoUECE, v. 9, n. 2, p. 148-158, jul. 2020.

GOMES, C. S. C. D.; NASCIMENTO, M. A. L.; MEDEIROS, C. A. F. Geoparque Seridó, RN: avaliação dos seus geossítios com base nas categorias de valor intrínseco, científico, turístico e de uso/gestão. Revista Turismo, Visão e Ação, v. 20, n. 3, p. 361-373, set. / dez. 2018.

GOMES, P. C. C. Rio de Janeiro, a cidade dos múltiplos mirantes. Revista Espaço Aberto, Rio de Janeiro, v. 5, n. 2, p. 09-26, 2015.

GRAY, J. M. Geodiversity: valuing and conserving abiotic nature. Chichester: J. Wiley, 2004.

GUERRA, A. T.; GUERRA, A. J. T. Novo dicionário geológico-geomorfológico. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 1997.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA - IBGE. Manual técnico de geomorfologia. Rio de Janeiro: IBGE, 2009.

JORNAL DIÁRIO DA MANHÃ. A pedra goiana jamais esquecida. 2017. Disponível em: <https://www.dm.jor.br/entretenimento/2017/12/a-pedra-goiana-jamais-esquecida/>. Acesso em: 11 set. 2019.

LIMA, F. R. Parque Estadual da Serra Dourada: uma opção para o ecoturismo, seu cenário atual e perspectivas futuras. 2004. 168 f. Monografia (Trabalho Final de Especialização em Ecoturismo) - Centro de Excelência em Turismo, Universidade de Brasília, Brasília, 2004.

LINO, C. F. Cavernas - o fascinante Brasil subterrâneo. São Paulo: Gaia, 2001.

LOPES, L. S. O.; ARAÚJO, J. L. L. Potencial dos geoparques como estratégia de geoconservação no Estado do Piauí. Revista de Geografia, Recife, volume especial VIII SINAGEO, n. 3, p. 248-258, set. 2010.

LOPES; A. M.; TASSIGNY, M. M.; TEIXEIRA, D. M. A redução das áreas de preservação permanente de recursos hídricos pelo novo código florestal e o princípio da proibição proteção deficiente. Revista Faculdade de Direiro UFG, v. 41, n. 1, p. 46-65, jan. / jun. 2017.

MARQUES, S. L. Um gesto que gesta na pesquisa poética de Auriovane D’Ávila. 2018. 77 f. Monografia (Trabalho de Conclusão do Curso de Licenciatura em Artes Visuais) - Curso de Licenciatura em Artes Visuais, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Goiás, Cidade de Goiás, 2018.

MATEUS, N. B.; CARNEIRO, V. A. Um relato de experiência de trabalho de campo como instrumento para o ensino de Geodiversidade no Parque Estadual da Serra Dourada (Estado de Goiás). In: Colóquio de Pesquisadores em Geografia Física e Ensino de Geografia, IV, 2020, São João Del-Rei. Anais... São João Del-Rei: UFSJ, 2020. 10 p.

MATHIAS, D. T.; SANTOS, L. K.; SOUZA, M. R. Considerações sobre o trabalho de campo no ensino de Geomorfologia em áreas representativas da Geodiversidade: Serra Dourada de Goiás. In: SINAGEO - Simpósio Nacional de Geomorfologia, XII, 2018, Crato. Anais... Crato: SINAGEO - Simpósio Nacional de Geomorfologia / UGB - União da Geomorfologia Brasileira. 2018. 9 p. Disponível em: <https://www.sinageo.org.br/2018/trabalhos/4/4-517-1140.html>. Acesso em: 11 set. 2019.

MEIRA, S. A.; MORAIS, J. O. Valores da geodiversidade em geossítios do Parque Nacional de Jericoacoara, Ceará, Brasil. Revista Acta Geográfica, Boa Vista, v. 10, n. 23, p. 01-17, ago. 2016.

MENDONÇA, D. P.; SANTOS, J. C. V.; CARNEIRO, V. A. Relato de experiência sobre a geodiversidade no Parque Estadual da Serra Dourada. Revista Mirante, Anápolis, v. 13, n. 2, p. 22-36, dez. 2020.

MIRANDA, R. Goiandira do Couto, a dama de areia. Revista Nós, Anápolis, v. 3, n. 2, p. 272-288, ago. 2018.

MOLINA, J.; MERCADO, M. Patrimonio geologico minero y geoturístico - enfoque conceptual y de casos em Colombia. In: VILLAS-BÔAS, R. C.; MARTINEZ, A. G.; ALBUQUERQUE, G. A. S. C. (Ed.). Patrimonio geologico y minero en el contexto del cierre de minas. Rio de Janeiro: CNPq/CYTED, 2003. p. 169-185.

MONTEIRO, F. A. D. A espeleologia e as cavernas no Ceará: conhecimentos, proteção ambiental e panorama atual. 2014. 147 f. Dissertação (Mestrado em Desenvolvimento e Meio Ambiente) - Programa de Pós-Graduação em Desenvolvimento e Meio Ambiente, Universidade Federal do Ceará, Fortaleza, 2014.

MORAIS, M. J. P.; CARNEIRO, V. A. Um olhar geográfico sobre a Geodiversidade do Parque Estadual da Serra Dourada no Estado de Goiás. In: Colóquio de Pesquisadores em Geografia Física e Ensino de Geografia, IV, 2020, São João Del-Rei. Anais... São João Del-Rei: UFSJ, 2020. 9 p.

MOREIRA, G. L.; TELES, A. M. A tribo Vernonieae Cass. (Asteraceae) na Serra Dourada, Goiás, Brasil. Iheringia, n. 69, p. 357-385, 2014.

MOURA, F. B.; CARNEIRO, V. A. Trabalho de campo no Parque Estadual da Serra Dourada: um olhar da disciplina de Tópicos de Geodiversidade. Revista Territorial, Cidade de Goiás, v. 8, n. 2, p. 56-66, 2019.

MUÑOZ, E. E. Georrecursos culturales. In: CARCEDO, F. J. A.; PARDO, J. F. J. Geología ambiental. Madrid: ITGE, 1988. p. 85-100.

NASCIMENTO, M. A. L.; RUCHKYS, U. A.; MANTESSO-NETO, V. Geodiversidade, geoconservação e geoturismo: trinômio importante para a proteção do patrimônio geológico. Natal: EdUFRN, 2008.

NASCIMENTO, M. A. L.; SILVA, M. L. N.; BEZERRA, G. B. Presença da geodiversidade em itinerário geoturístico no centro histórico de Natal / RN. Revista Terr@ Plural, Ponta Grossa, v. 12, n. 2, p. 238-253, ago. 2018.

NÓBREGA, P. R. C.; SILVA, D. G.; CORRÊA, A. C. B. Revisitando os morros da Guabiraba, Recife - PE: análise e prognóstico sobre a evolução morfodinâmica da área. In: EGAL - Encontro de Geógrafos da América Latina, X, 2005, São Paulo. Anais... São Paulo: EGAL - USP, 2005. p. 10129-10141.

OLIVEIRA, M. A. T. Processos erosivos e preservação de áreas de risco de erosão por voçorocas. In: GUERRA, A. J. T.; SILVA, A. S.; BOTELHO, R. G. M. (Orgs.). Erosão e conservação dos solos: conceitos, temas e aplicação. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil. 1999. p. 57-99.

PEREIRA, A. O mago das areias - pintor Auriovane D´Ávila celebra 30 anos de carreira. 2020. Disponível em: <https://www.dm.jor.br/cultura/2020/08/o-mago-das-areias/>. Acesso em: 7 abr. 2021.

PILÓ, L. B.; AULER, A. Introdução à espeleologia. Brasília: Centro Nacional de Pesquisa e Conservação de Cavernas (CECAV) / Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio), 2010. (II Curso de Espeleologia e Licenciamento Ambiental).

RAMOS, J. R. A. Reconhecimento geológico da Serra Dourada. Goiânia: DNPM, 1958. (Relatório anual da Divisão de Geologia e Mineralogia; p. 70-72).

RIBEIRO, R. N.; TELES, A. M. Eupatorieae (Asteraceae) no Parque Estadual da Serra Dourada, Goiás, Brasil. Revista Rodriguésia, Rio de Janeiro, v. 66, n. 3, p. 887-903, 2015.

RIZZO, J. A. 1970. Contribuição ao conhecimento da flora de Goiás, área na Serra Dourada. 1970. 91 f. Tese (Livre-Docência em Botânica) - Instituto de Ciências Biológicas, Universidade Federal de Goiás, Goiânia. 1970.

ROSA, M. D. A relevância ambiental das áreas de preservação permanente e sua fundamentação jurídica. Planeta Amazônia: Revista Internacional de Direito Ambiental e Políticas Públicas, Macapá, n. 3, p. 83-95, 2011.

SANTOS, J. C. V.; BARBOSA, O. X., MENDONÇA, D. P. Cinquenta anos do Parque Estadual da Serra de Caldas Novas (PESCaN), Goiás, Brasil em 2020: meio ambiente, sociedade e turismo. Revista Élisée, Porangatu, v. 9, n. 2, p. 01-14, jul. / dez. 2020.

SANTOS, J. C. V.; CARNEIRO, V. A.; SILVA, L. G.; DRUCIAKI, V. P. Paisagens e empirismo, elementos constitutivos das experiências em geografia: um estudo sobre as veredas do Chapadão de Catalão (Goiás). Revista Cerrados, Montes Claros, v. 16, n. 2, p. 213-239, ago. / dez., 2018.

SCHOBBENHAUS, C. Prefácio. In: NASCIMENTO, M. A. L.; RUCHKYS, U. A.; MANTESSO-NETO, V. Geodiversidade, geoconservação e geoturismo: trinômio importante para a proteção do patrimônio geológico. Natal: EdUFRN, 2008.

SILVA, A. J. P.; PEREIRA, R. G. F. A.; GUIDICE, D. S. Geossítios: cenários da geodiversidade da Bahia. Salvador: Companhia Baiana de Pesquisa Mineral, 2015.

STÁVALE, Y. O. Espacialização do patrimônio espeleológico da biosfera da Serra do Espinhaço: geossítios selecionados e sua importância para a geoconservação. 2012. 192 f. Dissertação (Mestrado em Geografia) - Instituto de Geociências, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2012.

TAVARES FILHO, J. Física e conservação do solo e água. Londrina: EdUEL, 2013.

TOLEDO, M. C. M. Intemperismo e pedogênese. In: TOLEDO, M. C. M.; TEIXEIRA, W.; BOUROTTE, C. L. M. Geologia. São Paulo: USP/UNIVESP/EDUSP, 2014. p. 134-157.

TRIPADVISOR. Serra Dourada. Disponível em: <https://www.tripadvisor.com.br/Attraction_Review-g445059-d2414763-Reviews-Serra_Dourada_State_Park-Goias_State_of_Goias.html#photos;aggregationId=&albumid=&filter=7&ff=268391758>. Acesso em 05 out. 2019.

VIEIRA, M. J.; CARNEIRO, V. A. Trabalho de campo da disciplina “Tópicos de Geodiversidade” na Serra Dourada (Estado de Goiás): impressões e relato. Revista Territorial, Cidade de Goiás, v. 9, n. 1, p. 49-64, 2020.

WIKIPEDIA. Serra Dourada. Disponível em: <https://pt.wikipedia.org/wiki/Ficheiro:Parque_Serradourada_-_Goi%C3%A1s_9.jpg>. Acesso em 05 out. 2019.

WIMBLEDON, W. A. P. L’identificazione e la selezione dei siti geologici, prioritá per la geoconservazione. In: POLI, G. (Ed.). Geositi: testemoni del tempo. Bologna: Regio Emilia-Romagna, 1999. p. 52-53.

Downloads

Publicado

2021-12-28 — Atualizado em 2021-12-29

Versões

Como Citar

RODRIGUES ROCHA ARAÚJO , G. .; ALVES CARNEIRO, V. .; VIEIRA SANTOS, J. C. PARQUE ESTADUAL DA SERRA DOURADA (ESTADO DE GOIÁS): UM LABORATÓRIO A CEU ABERTO PARA ESTUDOS DE GEODIVERSIDADE. Revista Terceiro Incluído, Goiânia, v. 11, n. 1, 2021. Disponível em: https://revistas.ufg.br/teri/article/view/68588. Acesso em: 28 jan. 2023.

Edição

Seção

ARTIGOS