PERCEÇÃO DA COMUNIDADE DE PESCADORES DE CASCAIS SOBRE A PESCA AMBIENTALMENTE SUSTENTÁVEL

Autores

  • Marco Pais Neves dos Santos Instituto dos Mercados Públicos, do Imobiliário e da Construção, I.P. (IMPIC, I.P.), Lisboa, Portugal. Email: marco.santos@impic.pt http://orcid.org/0000-0002-8671-1414

Palavras-chave:

Pescadores, Pescas, Recursos Marinhos, Vila de Cascais

Resumo

A comunidade de Pescadores de Cascais, possuidora de uma prestigiante ligação histórica às pescas e ao oceano, sempre mostrou dependência dos recursos marinhos para sobreviver, e sempre teve na dependência a coesão social municipal, por via do emprego direto e indireto, neste momento associado a setores a montante e jusante das pescas, onde se destaca o comércio, gastronomia e turismo. Apesar de ser considerada estratégica para a dinamização local, ainda não erradicou completamente atuações deploráveis contra o ecossistema marinho, sua fonte de rendimento, colocando em causa o equilíbrio da biota, e em último lugar a sua própria existência. É urgente uma simbiose entre a oferta do oceano e a procura dos pescadores. Para transformar o comportamento da comunidade, tornando-o mais sustentável, foi necessário saber como esta pensa e atua, para que as propostas de alteração sejam direcionadas. Para isso aplicaram-se dois inquéritos, um no âmbito da compreensão da sustentabilidade dos recursos marinhos, outro para avaliação do processo de certificação do Polvo de Cascais, que já leva um ano de vigência. O primeiro avaliou os conhecimentos dos marítimos sobre a sustentabilidade dos recursos marinhos, e sobre as práticas conducentes a uma maior sustentabilidade, determinou a dependência dos recursos, e reportou que a comunidade tem um bom nível de conhecimento das problemáticas relacionadas com a sustentabilidade das pescas. Ainda permitiu identificar atitudes insustentáveis, sobretudo no que se refere às capturas, e diagnosticou o que na opinião dos marítimos determina a atual crise de sobre-exploração de algumas espécies, o que isso representa, e o que estão dispostos a fazer para reequilibrar as populações. O segundo avaliou o grau de execução do processo de certificação, e a criação da marca Polvo de Cascais, enquanto iniciativa promotora de uma pesca consciente, dinamizadora da economia local e impulsionadora de um consumo de maior qualidade, portanto um instrumento ao serviço do Desenvolvimento Sustentável. Permitiu concluir que o processo foi pouco conseguido e inofensivo (sem resultados), por falta de estrutura e planeamento, empreendedorismo, e devido à deficiente implementação e ao reduzido empenho de todos os intervenientes no processo. Esta iniciativa ainda continua a merecer o apoio dos marítimos mas provou requerer vários ajustamentos, pelo que se consubstanciaram sinergias num bloco final de soluções alternativas à situação atual, de apoio à decisão do poder local, nas quais os pescadores sentem confiança, e com as quais concordam colaborar na sua implementação, gestão e monitorização. Os resultados convergiram quanto à necessidade da utilização consciente dos recursos marinhos, especialmente dos haliêuticos, porque possuem potencial para dinamizar os vários setores económicos de Cascais.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Marco Pais Neves dos Santos, Instituto dos Mercados Públicos, do Imobiliário e da Construção, I.P. (IMPIC, I.P.), Lisboa, Portugal. Email: marco.santos@impic.pt

Licenciatura em História pela Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa. Licenciatura em Geografia e Planeamento Regional pela Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa. Mestre em Cidadania Ambiental e Participação pelo Departamento de Ciências e Tecnologia da Universidade Aberta. Doutorando em Sustentabilidade Social e Desenvolvimento na Universidade Aberta de Portugal. Técnico Superior na Direção de Licenciamento e Qualificação do Instituto dos Mercados Públicos, do Imobiliário e da Construção, I.P. (IMPIC, I.P.)

Downloads

Publicado

2017-05-20

Como Citar

PAIS NEVES DOS SANTOS, M. PERCEÇÃO DA COMUNIDADE DE PESCADORES DE CASCAIS SOBRE A PESCA AMBIENTALMENTE SUSTENTÁVEL. Revista Terceiro Incluído, Goiânia, v. 6, n. 1, p. 5–8, 2017. Disponível em: https://revistas.ufg.br/teri/article/view/40251. Acesso em: 1 mar. 2024.

Edição

Seção

RESUMO DE TESE