ESTRESSE SALINO E BIOFERTILIZANTE NO CRESCIMENTO INICIAL DE MAMOEIRO (Carica papaya L.). DOI: 10.5216/teri.v5i2.38732

Autores

  • José Sebastião de MELO FILHO Universidade Federal de Campina Grande - UFCG
  • Danila Lima de ARAÚJO Universidade Federal de Campina Grande - UFCG –
  • Mário Leno Martins VÉRAS Universidade Federal da Paraíba - UFPB/Campus II -
  • Toni Halan da Silva IRINEU Universidade Federal da Paraíba - UFPB/Campus II -
  • Raimundo ANDRADE ANDRADE Departamento de Agrárias e Exatas, Universidade Estadual da Paraíba - UEPB/Campus IV

DOI:

https://doi.org/10.5216/teri.v5i2.38732

Palavras-chave:

Carica papaya L., salinidade da água, Adubação orgânica

Resumo

O mamoeiro é uma planta de clima tropical adaptada às condições ambientais e edáficas do Nordeste brasileiro. Objetivou-se com esta pesquisa estudar o estresse salino e biofertilizante no crescimento inicial de mamoeiro (Carica papaya L.). Adotou-se o delineamento inteiramente casualizado (DIC), com quatro repetições no arranjo fatorial 2 x 4, com 8 tratamentos, totalizando 32 plantas. Estudaram-se os níveis de salinidade: (S1= 0,8 (testemunha) e S2= 3 dS m-1) e 4 doses de biofertilizante bovino (D1 = 0 (testemunha); D2 = 30; D3 = 60 e D4 = 90 ml). Avaliaram-se: peso verde da parte aérea, peso seco da parte aérea, fitomassa da parte aérea, relação raiz parte aérea e teor de água. As variáveis peso seco da parte aérea e fitomassa da parte aérea foram influenciadas estatisticamente a nível de 0,01% de probabilidade e o teor de água a 0,05, enquanto que para as demais não foram observados efeitos significativos quando submetidos aos níveis de salinidade. Pode-se observar ainda que a aplicação de doses de biofertilizante bovino nas doses de 0 ml e 60 ml promoveram maiores valores sobre todas as variáveis analisadas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

José Sebastião de MELO FILHO, Universidade Federal de Campina Grande - UFCG

Mestre em Sistemas Agroindustriais, Universidade Federal de Campina Grande              - UFCG – Pombal – Paraíba – Brasil. josesebastiaouepb@yahoo.com.br

Danila Lima de ARAÚJO, Universidade Federal de Campina Grande - UFCG –

Mestre em Engenharia Agrícola, Universidade Federal de Campina Grande          - UFCG – Campina Grande – Paraíba – Brasil. danilalimaraujo@hotmail.com

Mário Leno Martins VÉRAS, Universidade Federal da Paraíba - UFPB/Campus II -

Mestrando em agronomia, Universidade Federal da Paraíba - UFPB/Campus II - Areia – Paraíba – Brasil. mario.deus1992@bol.com.br

Toni Halan da Silva IRINEU, Universidade Federal da Paraíba - UFPB/Campus II -

Mestrando em agronomia, Universidade Federal da Paraíba - UFPB/Campus II - Areia – Paraíba – Brasil. tonnysilva@hotmail.com

Raimundo ANDRADE ANDRADE, Departamento de Agrárias e Exatas, Universidade Estadual da Paraíba - UEPB/Campus IV

Prof. Doutor do Departamento de Agrárias e Exatas, Universidade Estadual da Paraíba - UEPB/Campus IV – CEP 58884-000 - Catolé do Rocha – Paraíba – Brasil. raimundoarndrade@uepb.edu.br

Downloads

Publicado

2015-11-30

Como Citar

MELO FILHO, J. S. de; ARAÚJO, D. L. de; VÉRAS, M. L. M.; IRINEU, T. H. da S.; ANDRADE, R. A. ESTRESSE SALINO E BIOFERTILIZANTE NO CRESCIMENTO INICIAL DE MAMOEIRO (Carica papaya L.). DOI: 10.5216/teri.v5i2.38732. Revista Terceiro Incluído, Goiânia, v. 5, n. 2, p. 25–35, 2015. DOI: 10.5216/teri.v5i2.38732. Disponível em: https://revistas.ufg.br/teri/article/view/38732. Acesso em: 25 maio. 2024.