A ESCUTA SENSÍVEL EM COMUNIDADES INDÍGENAS, EXTRATIVISTA E ESCOLAR. DOI: 10.5216/teri.v5i2.38731

Autores

  • Maria Santana Ferreira dos SANTOS Universidade Federal do Tocantins
  • Aurelice da Silva VASCONCELOS Doutoranda em Educação, Arte e História da Cultura Mackenzie - SP
  • Filipe de Andrade Vaz PARENTE Ecologia Humana e Educação Ambiental - Universidade de Brasília
  • Vania Olaria PEREIRA Educação - FE/UNB
  • Leila Chalub MARTINS Universidade de Brasília - FE

DOI:

https://doi.org/10.5216/teri.v5i2.38731

Palavras-chave:

escuta sensível, comunidades tradicionais, escola

Resumo

Este artigo é resultado de um trabalho final da disciplina: Fundamentos Epistemológicos da Transdisciplinaridade da Pós-graduação em Educação da UNB. Nesse trabalho serão abordados resultados preliminares da pesquisa sobre a escuta sensível em comunidades tradicionais e em uma escola da zona urbana de Brasília, pautadas no pensamento de Barbier. As pesquisas aqui descritas mostram que a escuta sensível é a sensibilidade de captar o que não foi dito, mas que pôde ser compreendido, percebido através da sensibilidade do ouvinte. Ouvinte este que busca captar e sentir as diversas formas de expressões do sujeito, para que dessa forma o possa compreender em sua totalidade. Portanto, a escuta sensível pede a compreensão do sujeito como um todo. Isso envolve seu estado de um sujeito completo e complexo. A complexidade refere-se a compreender os vários elementos que fazem parte do contexto do sujeito.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Maria Santana Ferreira dos SANTOS, Universidade Federal do Tocantins

Doutoranda em Educação pela Universidade de Brasília, na linha Educação do Ambiental e Educação do Campo – EAEC. Professora da Universidade Federal do Tocantins. Email: msfsantos@uft.edu.br

Aurelice da Silva VASCONCELOS, Doutoranda em Educação, Arte e História da Cultura Mackenzie - SP

Doutoranda em Educação, Arte e História da Cultura - Mackenzie SP

Mestre em Educação e Ecologia Humana - Universidade de Brasília UNB Licenciatura em Pedagogia - Universidade de Brasília UNB. Professora da Secretaria de Estado de Educação do DF e Educadora Ambiental E-mail aurelice.vasconcelos@gmail.com site www.aurelicevasconcelos.com

Filipe de Andrade Vaz PARENTE, Ecologia Humana e Educação Ambiental - Universidade de Brasília

Graduado em Antropologia pela Universidade de Brasília (2006) e Sociologia pela Universidade de Brasília (2006). Mestrando em Educação na linha de pesquisa relacionada a Ecologia Humana e Educação Ambiental pela Universidade de Brasília. E-mail:  parentefelipe@hotmail.com

Vania Olaria PEREIRA, Educação - FE/UNB

Doutorado em Educação - FE/UNB: em andamento. Mestre em Cultura Visual - FAV/UFG. Especialista em Artes Visuais: Ensino de Arte - FAV/UFG e Especialista em Gestão Escolar - UCAM. Graduada em Artes Visuais Bacharelado pela Universidade Federal de Goiás (1989) e graduada em Artes Visuais Licenciatura pela Universidade Federal de Goiás (2000). E-mail: vania.olaria@gmail.com

Leila Chalub MARTINS, Universidade de Brasília - FE

Doutora em Ciências Sociais - Antropologia pela Universidade Estadual de Campinas (2001). Estagio pós-doutoral no Centre d'Analyse et d"Intervention Sociologiques - CADIS, da École des Hautes Études en Sciences Sociales, Paris, França(2011/2012). É professora associado da Universidade de Brasília. Atuando principalmente nos temas: educação, sustentabilidade, complexidade,cultura e juventude. É coordenadora do Observatório da Juventude da UnB, do Núcleo de Estudos e Acompanhamento das Licenciaturas e Coordenadora Geral do Pacto pela Alfabetização na Idade Certa pela UnB.  Email:  leilachalub3@gmail.com

Downloads

Publicado

2015-11-29

Como Citar

SANTOS, M. S. F. dos; VASCONCELOS, A. da S.; PARENTE, F. de A. V.; PEREIRA, V. O.; MARTINS, L. C. A ESCUTA SENSÍVEL EM COMUNIDADES INDÍGENAS, EXTRATIVISTA E ESCOLAR. DOI: 10.5216/teri.v5i2.38731. Revista Terceiro Incluído, Goiânia, v. 5, n. 2, p. 1–24, 2015. DOI: 10.5216/teri.v5i2.38731. Disponível em: https://revistas.ufg.br/teri/article/view/38731. Acesso em: 26 fev. 2024.