AVALIAÇÃO QUANTIQUALITATIVA E FITOSSANITÁRIA DAS ESPÉCIES VEGETAIS DO CAMPUS IV - UEPB: UM ENFOQUE SUSTENTÁVEL DOI: 10.5216/teri.v3i2.29800

Autores

  • Maeli Freitas SOUSA Universidade Estadual da Paraíba - UEPB Departamento de Agrárias e Exatas Licenciatura em Ciências Agrárias
  • Mirtes Raísla Fernandes DUTRA Universidade Estadual da Paraíba - UEPB Departamento de Agrárias e Exatas Licenciatura em Ciências Agrárias
  • Francineide Pereira SILVA Universidade Estadual da Paraíba - UEPB Departamento de Agrárias e Exatas Licenciatura em Ciências Agrárias
  • Thiago Pereira SOUSA Universidade Estadual da Paraíba - UEPB Departamento de Agrárias e Exatas Licenciatura em Ciências Agrárias
  • Fabiana Xavier COSTA Universidade Estadual da Paraíba - UEPB Departamento de Agrárias e Exatas Licenciatura em Ciências Agrárias

DOI:

https://doi.org/10.5216/teri.v3i2.29800

Palavras-chave:

Educação ambiental, composição florística, arborização

Resumo

Objetivou-se com este trabalho avaliar quantiqualitativamente e fitossanitariamente as espécies vegetais do Campus IV da UEPB em Catolé do Rocha – PB, onde todo resultado foi transmitido para comunidade acadêmica, através de um processo de sensibilização envolvendo a educação ambiental e no segundo momento deste trabalho implantar uma rearborização no referido Campus. A pesquisa foi realizada no período de agosto/2010 a fevereiro/2013, desenvolvida por setores, sendo eles: bovinocultura, olericultura, caprinocultura, riacho agom e projeto de palmas do Campus IV da Universidade Estadual da Paraíba. Nos cinco setores estudados, foram catalogadas 13.677 plantas de 46 espécies diferentes. As seis espécies mais freqüentes perfizeram 75% do total de plantas. Sendo o marmeleiro (Cydonia oblonga) a espécie de maior freqüência, com 4.358 plantas, representando 31,86% do total, seguindo a jurema preta (Cydonia oblonga) com 1.648 plantas, representando 12%, a jurema (Mimosa hostilis) com 1.596 plantas representando, 11,6% o mororó (Bauhinia forficata) com 941 plantas representando 6,8%, a orelha de macaco (Enterolobium contortisiliquum) com 897 plantas representando 6,5%, o mufumbo (Combretum leprosum) com 824 plantas representando 6,0%.Há alta diversidade de espécies nas áreas arborizadas. Com a alta diversidade de espécies, apesar de grandes problemas de vandalismo e fitossanidade encontrados nos setores avaliados, indica qualidade na estutura física e ambiental. O conhecimento da diversidade florística avaliado é de fundamental importância para a estrutura vegetativa. O marmeleiro foi a espécie mais encontrada no Campus IV.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Maeli Freitas SOUSA, Universidade Estadual da Paraíba - UEPB Departamento de Agrárias e Exatas Licenciatura em Ciências Agrárias

Departamento de Agrárias e Exatas.Licenciatura em Ciências Agrárias. Universidade Estadual da Paraíba (UEPB).

Mirtes Raísla Fernandes DUTRA, Universidade Estadual da Paraíba - UEPB Departamento de Agrárias e Exatas Licenciatura em Ciências Agrárias

Departamento de Agrárias e Exatas.Licenciatura em Ciências Agrárias. Universidade Estadual da Paraíba (UEPB).

Francineide Pereira SILVA, Universidade Estadual da Paraíba - UEPB Departamento de Agrárias e Exatas Licenciatura em Ciências Agrárias

Departamento de Agrárias e Exatas.Licenciatura em Ciências Agrárias. Universidade Estadual da Paraíba (UEPB).

Thiago Pereira SOUSA, Universidade Estadual da Paraíba - UEPB Departamento de Agrárias e Exatas Licenciatura em Ciências Agrárias

Departamento de Agrárias e Exatas.Licenciatura em Ciências Agrárias. Universidade Estadual da Paraíba (UEPB).

Fabiana Xavier COSTA, Universidade Estadual da Paraíba - UEPB Departamento de Agrárias e Exatas Licenciatura em Ciências Agrárias

Departamento de Agrárias e Exatas.Licenciatura em Ciências Agrárias. Universidade Estadual da Paraíba (UEPB).

Referências

ARAUJO, A. C. B.; GRACIOLI, C. R.; GRIMM, E. L.; LONGH, S. J. Avaliação da florística, do porte e da fitossanidade atual da arborização do parque internacional em Santana do Livramento/Rivera, Brasil/Uruguai. Revista da Sociedade Brasileira de Arborização Urbana - REVSBAU, Piracicaba-SP, v.7, n.1, p. 112-125, 2011.

ARAUJO, K. D.; PARENTE, H. N.; SILVA, É. É.; RAMALHO, C. I.; DANTAS, R. T.; ANDRADE, A. P.; SILVA, D. S. Levantamento florístico do estrato arbustivo-arboreo em áreas contíguas de caatinga no cariri paraibano. Revista Caatinga, vol. 23, núm. 1, enero-marzo, 2010, pp. 63-70, Universidade Federal Rural do Semi-Árido, Brasil.

ARAUJO, Avaliação da florística, do porte e da fitossanidade atual da arborização do parque internacional em Santana do Livramento/Rivera, Brasil/Uruguai. Revista da Sociedade Brasileira de Arborização Urbana - REVSBAU, Piracicaba-SP, v.7, n.1, p. 112-125, 2012.

BRUN, E. J. B.; BRUN, F. G. K. Arborização urbana & qualidade de vida. Revista CREARS, Porto Alegre, n. 18, p. 27, fev. 2007.

CENCI, B. T.; DORNELES, L. T.; SIMONI, E. L.; FRIZON, S. M.; TRAVI. V. H. Composição da flora arbórea e arborescente no jardim botânico de Bento Gonçalves, Rio Grande do Sul, Brasil. Revista Árvore, Viçosa-MG, v.37, n.1, p.137-149, 2013.

CHAVES, A. D. C. G.; SANTOS, R. M. S.; SANTOS, J. O.; FERNANDES, A. A.; MARACAJÁ, P. B. A importância dos levantamentos florístico e fitossociológico para a conservação e preservação das florestas. Revista ACSA - OJS, V. 9, n. 2, p. 42-48, abr - jun, 2013.

DIAS, Genebaldo Freire. Educação Ambiental: Princípios e Práticas. 3ª ed. São Paulo; 3ª ed. São Paulo :Gaia , 2004.

GURGEL, J. M.; ROCHA, A. M. B. D.; AQUINO, J. T. D. Inventário florístico do

município de Cajazeiras PB área urbana realizado pela SUMMAC Superintendência municipal de meio ambiente de Cajazeiras. In: I Simpódio paraibano de Meio Ambiente; III Encontro de Biologia. 1., 2009. Cajazeiras, Paraíba. Anais...., Paraíba, Brasil, 2009.

LIMA, P. C. C.; CARVALHO, J. A.; AVILA, R. G.; SILVA, D. V.; SOBREIRA. B. G. Avaliação qualiquantitativa da arborização urbana da avenida Dr. Luiz Intro caso Filho em Carmo do Rio Claro-MG. in: X Congresso Nacional de Meio Ambiente de Poços de Caldas. V.5, N.1. Anais...Poços de Caldas-MG, 2013.

LOBODA, C. R.; DE ANGELIS, B. L. D. Áreas verdes públicas urbanas: conceitos, usos e funções. Ambiência, v. 1, n. 1, p. 125-139, 2009.

LOMBARDI, J. A.; MORAIS, P. O. Levantamento florístico das plantas empregadas

na arborização do campus da Universidade Federal de Minas Gerais, Belo

Horizonte-MG. Lundiana-International Journal of Biodiversity, v. 4, n. 2, p. 83-88,

LÜTZ, MONIQUE DAMO. PSICOLOGIA AMBIENTAL E EDUCAÇÃO AMBIENTAL: contribuições para a transformação sócio-ambiental. Disponível em: http://siaibib01.univali.br/pdf/Monique%20Damo%20Lutz.pdf.Acesso em: 3 de janeiro de 2014.

MAIA, GerdaNickel. Caatinga: árvores e arbustos e suas utilidades. São Paulo: D&Z Computação Gráfica e Editora, 2012.

OLIVEIRA, A. S. D. E. Influência da vegetação arbórea no microclima e uso de praças públicas. 162 f. Tese (Doutorado em Física Ambiental) – Instituto de Física,Universidade Federal do Mato Grosso, Cuiabá, 2011.

Planeta sustentável. Disponível em: http://planetasustentavel.abril.com.br/.Acesso em: 17 de dezembro de 2013.

Política Nacional do Meio Ambiente. Disponível em: www.paisagismodigital.com.brAcesso em 01de janeiro de 2013.

SOUZA, J. A. N.; RODAL, M. J. N. Levantamento floristico em um trecho de vegetação ripária de caatinga no Rio Pajeú, Floresta/Pernanbuco. Revista Caatinga, vol. 23, núm. 4, outubro-dezembro, 2010, pp. 54-62, Universidade Federal Rural do Semi-Árido, Brasil.

Downloads

Publicado

2013-12-31

Como Citar

SOUSA, M. F.; DUTRA, M. R. F.; SILVA, F. P.; SOUSA, T. P.; COSTA, F. X. AVALIAÇÃO QUANTIQUALITATIVA E FITOSSANITÁRIA DAS ESPÉCIES VEGETAIS DO CAMPUS IV - UEPB: UM ENFOQUE SUSTENTÁVEL DOI: 10.5216/teri.v3i2.29800. Revista Terceiro Incluído, Goiânia, v. 3, n. 2, p. 86–103, 2013. DOI: 10.5216/teri.v3i2.29800. Disponível em: https://revistas.ufg.br/teri/article/view/29800. Acesso em: 21 fev. 2024.