A EDUCAÇÃO AMBIENTAL COMO PARCEIRA NO TRATAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS - DOI: 10.5216/teri.v3i1.27326

Autores

  • Edna Maria Silva Oliveira GODINHO Especialista em Educação Ambiental. Bacharel e Licenciada em Geografia, UFG, 2006 e 2007.

DOI:

https://doi.org/10.5216/teri.v3i1.27326

Palavras-chave:

Educação Ambiental, Resíduos sólidos

Resumo

Atualmente, em nosso país, enfrentamos sérios desafios relacionados a nossa vida no planeta Terra, um deles é a complexidade e diversidade existente na problemática ambiental. Dentre as fontes de degradação ambiental os resíduos sólidos domésticos, quando gerenciados inadequadamente, oferecem risco ao meio ambiente. Cabe ressaltar, que a integração de conhecimentos, valores e capacidades de consentir a geração de atitudes comunitárias coerentes com os pressupostos da educação ambiental. É tarefa de um educador ambiental desenvolver uma associação, difundindo seu conhecimento e sugerir técnicas e instrumentos que inspirem o engajamento da comunidade, em prol da manutenção de sistemas ambientais sustentáveis e que gerenciem eco-eficientemente seus resíduos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Edna Maria Silva Oliveira GODINHO, Especialista em Educação Ambiental. Bacharel e Licenciada em Geografia, UFG, 2006 e 2007.

Especialista em Educação Ambiental. Bacharel e Licenciada em Geografia, UFG, 2006 e 2007. Projeto apresentado como parte dos requisitos para obtenção do título de Especialista em Educação Ambiental

Referências

AB'SÁBER, Aziz. N. Amazônia: do discurso à práxis. São Paulo: EDUSP, 1996.

BRANCO, Samuel Murguel. 1984. O fenômeno Cubatão na visão do ecólogo. São Paulo: CETESB / ASCETESB.

CARVALHO, Isabel Cristina de Moura. Educação ambiental: a formação do sujeito ecológico. São Paulo: 2004.

DIAS, Genebaldo Freire. Educação ambiental: princípios e práticas. 5ª ed São Paulo: Global, 1998.

FELLENBERG, Gunter. Introdução aos problemas da poluição ambiental. São Paulo: EPU, 1980.

FIGUEREDO, Paulo Jorge Moraes. A Sociedade do lixo: a questão energética e a crise ambiental. Piracicaba: Unimep,1995.

GUIMARÃES, M.. A Dimensão Ambiental na Educação. Campinas, São Paulo: Papirus, 1995 - Coleção Magistério: Formação e trabalho pedagógico.

Jr, Alindo Philippi. Marcelo de Andrade Romero. Gilda Collet Bruna, editores.-Curso de Gestão Ambiental: Barueri, SP: Manole, 2004.

KUHN, T. S. A estrutura das revoluções científicas. 9. ed. São Paulo: Perspectiva, 2005.

MANO, Eloísa Biasotto: Meio ambiente, poluição e reciclagem. São Paulo Edgard Blucher, 2005.

MEADOWS, D.H.; MEADOWS, D.L.; RANDERS, J.; & BEHRENS, I.W.W. Limites do Crescimento: um relatório para o projeto do Clube de Roma sobre o dilema da humanidade. São Paulo: Perspectiva, 1978.

MOREIRA, Antônio Cláudio M.L. Conceitos de ambiente e impacto ambiental aplicáveis ao meio urbano. São Paulo: 1999.

Resolução CONAMA 1/86, de 23 de janeiro de 1986. Dispõe sobre procedimentos relativos a Estudo de Impacto Ambienta. O Conselho Nacional do Meio Ambiente CONAMA.

SÃO PAULO (Estado) Secretaria do meio ambiente. Educação ambiental e desenvolvimento: documentos oficiais. São Paulo, 1994.

SATO, M. Educação Ambiental. São Carlos: Rima, 2002.

SANTOS, B. de S. Para uma reinvenção solidária e participativa do Estado. In: PEREIRA, L. C. B.; WILHEIM, J.; SOLA, L. (Orgs.) Sociedade e Estado em transformação. São Paulo: Unesp, 1999.

TOZONI-REIS, M.F.C. Formação dos educadores ambientais e paradigmas em transição. Revista Ciências e Educação. v 8, n 1, 2002

Downloads

Como Citar

GODINHO, E. M. S. O. A EDUCAÇÃO AMBIENTAL COMO PARCEIRA NO TRATAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS - DOI: 10.5216/teri.v3i1.27326. Revista Terceiro Incluído, Goiânia, v. 3, n. 1, p. 78–93, 2013. DOI: 10.5216/teri.v3i1.27326. Disponível em: https://revistas.ufg.br/teri/article/view/27326. Acesso em: 19 maio. 2024.