ADAPTAÇÃO AOS CENÁRIOS IMPONDERÁVEIS DA VARIABILIDADE CLIMÁTICA. - DOI: 10.5216/teri.v2i1.20472

Autores

  • Sérgio Almeida LOIOLA NUPEAT - Núcleo de Pesquisa em Transdisciplinaridade e Educação Ambiental IESA- Instituto de Estudos socioambientais UFG - Universidade Federal de Goiás

DOI:

https://doi.org/10.5216/teri.v2i1.20472

Palavras-chave:

Adaptação, Teoria do Caos, paleoclimatologia, mudanças climáticas

Resumo

Este artigo é uma contribuição aos debates sobre as alternativas diante de mudanças climáticas extremas e catástrofes globais extremas e abruptas. Propõe a construção de três planos simultâneos para as sociedades lidarem com as alterações extremas e abruptas do clima e catástrofes globais extremas, centrados na busca da adaptação pró-ativa, ou sustentabilidade adaptativa aos cenários imponderáveis: Plano A, voltado ao aquecimento global; Plano B, dedicado ao resfriamento global; e Plano C, para casos de instabilidade climática. Pauta-se em dados e informações paleoclimáticas globais, analisados sob metodologia comparativa. Os planos justificam-se no argumento da imponderabilidade climática no curto, médio e longo tempo, fundamentada na Teoria do Caos e do Erro, bem como análises dos gráficos de temperatura, gases estufa, energia solar e outras variáveis, sobretudo durante o Pleistoceno. Sustenta-se que, embora não se possa prever o clima e ou catástrofes futuras, pode-se aprender com as ocorrências no passado, resgatar os saberes elaborados por diferentes civilizações durante o Holoceno e períodos anteriores, em respostas às alterações climáticas extremas e catástrofes abruptas extremas, tanto seus erros quanto acertos.

Palavras chaves: Adaptação, Teoria do Caos, paleoclimatologia, mudanças climáticas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Sérgio Almeida LOIOLA, NUPEAT - Núcleo de Pesquisa em Transdisciplinaridade e Educação Ambiental IESA- Instituto de Estudos socioambientais UFG - Universidade Federal de Goiás

Doutorando em geografia, Instituto de Estudos Socioambientais - IESA-UFG. Pesquisa Interações paleoclima e sociedade. Titulo do projeto de doutorado: "TRAVESSIAS DA INSTABILIDADE: TRAJETÓRIAS ADAPTATIVAS DE SOCIEDADES FRENTE À VARIABILIDADE CLIMÁTICA E AS ALTERAÇÕES AMBIENTAIS HOLOCÊNICAS". Investigo a estruturação de Sistemas Complexos Adaptativos e a Evolução de Sistemas Cognitivos em civilizações pretéritas frente a variação climática, envolvendo a perspectiva complexa e diversas áreas: Biologia, Geografia, Computação, Paleoclimatologia, Física e outras. Possui formação Técnica em Eletrotécnica, Instrumentação Industrial e Telecomunicações, e Bacharelado inconcluso em Física, UFES, ES. Atuou por 15 anos em áreas tecnológicas, com ênfase em operação de Sistemas de telecomunicações e Redes de clientes corporativos na Embratel. Bacharelado em Geografia, IESA, UFG (2002). Mestre em Geografia, IESA, UFG (2007). Pesquisou nas áreas de geografia agrária, etnogeografia, biogeografia, paleoclimatologia e geografia histórica ambiental. Integrante do Núcleo de Pesquisas Ambientais e Transdisciplinares - NUPEAT, IESA, UFG. Integrante da Escola da Complexidade - http://complexidade.ning.com/. Coordenador do Conselho Científico da Revista Terceiro Incluído - http://www.revistas.ufg.br/index.php/teri/index Dedica-se ao desenvolvimento teórico da complexidade e transdisciplinaridade na geografia, estudos acerca das implicações dos avanços da física teórica, biologia e de diversas ciências para integrar a Complexidade, e pesquisa da interação paleoclima e sociedade.

Referências

ADAMS, Jonathan et al. Sudden climate transitions during the Quaternary. Progress in Physical Geography. n. 23, 1999, p. 1-36.

ALLEY, Richard B. The Younger Dryas cold interval as viewed from central Greenland. Quaternary Science Reviews. v. 19, n. 1-5, Jan. 2000, p. 213-226.

ALMEIDA, Antônio Carlos Aido de. Estudo das correlações entre a atividade solar e processos atmosféricos. 89 f. Dissertação (Mestrado em Física). Instituto de Física, Departamento de Raios Cósmicos (DRCC), Universidade Estadual de Campinas – UNICAMP, 2001.

BOND, G. C. & LOTTI, R. Iceberg discharges into the North Atlantic on millennial time scales during the last glaciation. Science, n. 267, 1995, p. 1005-1010.

CHAMBERS, F. M. (Org.). Climate change and human impacto on the landscape: studies in paleoecology and environmental archeology. Londres: Chapman and Hall, 1994.

CHAMBERS, F. M. (Org.). Climate change and human impacto n the landscape: studies in paleoecology and environmental archeology. Londres: Chapman and Hall, 1994.

CLAVAL, Paul. As abordagens da geografia cultural. In: CASTRO, Iná E. de; GOMES, P. C. da C.; CORREA, R. Lobato (Org.). Explorações Geográficas: percursos no fim do século. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 1997. p. 89-118.

COSTA e SILVA, Alberto da. A enxada e a lança: A África antes dos portugueses. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1996.

CROWLEY, Thomas J. & NORTH, Gerald R. Paleoclimatology. Nova York: Ed. Universidade de Oxford, 1991.

DAWKINS, Richard. A grande história da Evolução: na trilha dos nossos ancestrais. São Paulo: Companhia das letras, 2009.

DIAMOND, Jared. Colapso: Como as sociedades escolhem o fracasso ou o sucesso. Rio de Janeiro: Ed. Record, 2005.

FAGAN, Brian. O aquecimento global: A influência do clima no apogeu e declínio das civilizações. São Paulo: Larousse do Brasil, 2009.

FERREIRA, A. de Brum. Variabilidade climática e dinâmica geomorfológica. Publicações da Associação Portuguesa de Geomorfólogos, Vol. 1, APGeom, Lisboa, p.7-15. 2002.

FLANNERY, Tim. Os senhores do clima: Como o homem está alterando as condições climáticas e o que isso significa para o futuro do planeta. Rio de Janeiro: Record, 2007.

GROOTES, P.M. et al. Comparison of oxygen isotope records from the GISP2 and GRIP Greenland ice cores. Nature, n. 366, 1993, p. 552-554.

JOUZEL, J. et al. Orbital and Millennial Antarctic Climate Variability over the Past 800,000 Years. In: Science, v. 317, n. 5839, Ago, 2007, p.793-797.

KIPNIS, Renato & SCHEEL-YBERT, Rita. Arqueologia e paleoambientes. In: SOUZA, Célia Regina de G. OLIVEIRA, Antonio M.; SUGUIO, Kenitiro; OLIVEIRA, Paulo E. de (Orgs.). Quaternário do Brasil. Ribeirão Preto: Holos, 2005, p. 343-362.

LEWIN, Roger. Evolucão humana. Sao Paulo: Atheneu, 1999.

LOIOLA, Sérgio Almeida. Do espaço e tempo ao espaço-tempo: dimensões e marcas. Geografia – Associação de Geografia Teorética - AGETEO), v. 35, n. 1, jan – abr, 2010a, p 5 – 35.

______. Objetos, ações e processos naturais: de marcadores espaço-temporais a memórias socioambientais. Revista do Departamento de Geografia da USP – USP, Vol. 21, 2011, p.66-90.

MATURANA, Humberto & VARELA, Francisco J. A arvore do conhecimento: as bases biológicas da compreensão humana. São Paulo: Palas Athena, 2005.

MENDONÇA, Francisco; DANNI-OLIVEIRA, Inês Moresco. Climatologia: noções básicas e climas do Brasil. São Paulo: Oficina de Textos, 2007.

MOLION, L. C. B.. Aquecimento global, El Niños, manchas solares, vulcões e oscilação decadal do Pacífico. Climanalise, Cachoeira Paulista, Ano 3, nº 1, 2006. Disponível em: <http://www6.cptec.inpe.br/revclima/revista/pdf/Artigo_Aquecimento_0805.pdf>.Acessado: 5/2009

NOVELLO, Mario. Do Big Bang ao universo eterno. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2010.

OLIVEIRA, G S. O El Niño e Você - o fenômeno climático. São José dos Campos: Transtec, 1999.

OLIVEIRA, Paulo E. et al. Paleovegetação e paleoclimas do quaternário do Brasil. In: SOUZA, Célia Regina de G.; OLIVEIRA, Antonio M.; SUGUIO, Kenitiro; OLIVEIRA, Paulo E. de (Orgs.). Quaternário do Brasil. Ribeirão Preto: Holos, 2005, p. 52-74.

PEEL, M. C., FINLAYSON, B. L. & MCMAHON, T. A. Updated world map of the Köppen-Geiger climate classification. Hydrological Earth System Science, n. 11, p. 1633-1644, 2007.

PRIGOGINE, Ilya. O fim das certezas: tempo, caos e leis da natureza. São Paulo: UNESP, 1996.

RAHMSTORF, Stefan. Ocean circulation and climate during the past 120000 years. Nature n. 419, 2002, p. 207-214.

SALGADO–LABORIOU, Maria Léa. Critérios e técnicas e técnicas para o Quaternário. São Paulo: Edgard Blücher, 2007.

SANTOS, Milton. Metamorfose do espaço habitado. São Paulo: Hucitec, 1997.

STOTT, Peter A.; JONES, Gareth S. and MITCHELL, John F. B.. "Do Models Underestimate the Solar Contribution to Recent Climate Change". Journal of Climate, n. 16, 15 Dec. 2003, p. 4079-4093. Disponível em: < http://climate.envsci.rutgers.edu/pdf/StottEtAl.pdf> Acesso: Março de 2009.

SUGUIO, Kenitiro et al (Orgs). Paleoníveis do mar e paleolinhas de costa. In: SOUZA, Célia R. de G.; OLIVEIRA, A. M.; SUGUIO, Kenitiro; OLIVEIRA, Paulo E. de (Orgs.). Quaternário do Brasil. Ribeirão Preto: Holos, 2005, p. 114-129.

LOWE, J.J. & WALKER, M.J.C. Reconstructing Quaternary environments. London: Longmans, 1997.

OLIVEIRA, Paulo E. et al. Paleovegetação e paleoclimas do quaternário do Brasil. In: SOUZA, Célia Regina de G.; OLIVEIRA, Antonio M.; SUGUIO, Kenitiro; OLIVEIRA, Paulo E. de (Orgs.). Quaternário do Brasil. Ribeirão Preto: Holos, 2005, p. 52-74.

SANT’ANA NETO, João L. & NERY, Jonas T. Variabilidade e mudanças climáticas no Brasil e seus impactos regionais. In: SOUZA, C. R. de G.; OLIVEIRA, A. M.; SUGUIO, Kenitiro; OLIVEIRA, Paulo E. de (Orgs.). Quaternário do Brasil. Ribeirão Preto: Holos, 2005.

SOUZA, João M. A. Correia de. A influência da atividade de meso-escala sobre o balanço termodinâmico do oceano austral. 159 f. Tese (Doutorado em Engenharia Oceânica), COPPE, Universidade Federal do Rio de Janeiro, 2008.

SUGUIO, Kenitiro et al (Orgs). Paleoníveis do mar e paleolinhas de costa. In: SOUZA, Célia R. de G.; OLIVEIRA, A. M.; SUGUIO, Kenitiro; OLIVEIRA, Paulo E. de (Orgs.). Quaternário do Brasil. Ribeirão Preto: Holos, 2005, p. 114-129.

MARKGRAF, Vera. Interhemispheric climate linkages. San Diego: Publisher Academic Press, 2001.

URIARTE, Antón. Historia del clima de la Tierra. 2010. Livro. Disponível em: <http://www.herbogeminis.com/IMG/pdf/historia_del_clima_de_la_tierra_anton_uriarte.pdf> Acessado em: janeiro de 2012.

Downloads

Publicado

2012-06-30

Como Citar

LOIOLA, S. A. ADAPTAÇÃO AOS CENÁRIOS IMPONDERÁVEIS DA VARIABILIDADE CLIMÁTICA. - DOI: 10.5216/teri.v2i1.20472. Revista Terceiro Incluído, Goiânia, v. 2, n. 1, p. 86–110, 2012. DOI: 10.5216/teri.v2i1.20472. Disponível em: https://revistas.ufg.br/teri/article/view/20472. Acesso em: 13 jun. 2024.